Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
19 Mai, 2021 - 15:53

3 dias pela Nacional 103: uma viagem para descobrir o Norte

Mónica Carvalho

As viagens de carro estão na moda: permitem viajar ao seu ritmo, sem multidões e com toda a segurança que os tempos exigem. Conheça a Nacional 103.

Mapa da Estrada Nacional 103

Bragança e Neiva, em Viana do Castelo, são ligadas pela Nacional 103, uma travessia que permite conhecer a zona Norte de Portugal a fundo.

Esta rodovia liga o interior trasmontano ao litoral minhoto e apresenta um grande potencial turístico, visto que é um trajeto marcado por impressionantes paisagens, monumentos culturais e históricos, barragens e típicas aldeias. Tudo isto nos transporta para uma espécie de realidade alternativa. Um tempo onde a pandemia parece ter feito pausa e nos permite viajar de forma mais tranquila, segura, ao seu próprio ritmo.

A Nacional 103 é, assim, uma linha com curvas e contracurvas que percorre 260 quilómetros e cheia de pontos de interesse:

  • Atravessa os concelhos de Miranda do Douro, Vimioso, Bragança, Vinhais, Valpaços, Chaves, Boticas, Montalegre, Vieira do Minho, Póvoa de Lanhoso, Vila Verde, Braga, Barcelos, Esposende e Viana do Castelo;
  • Permite descobrir várias áreas protegidas: Reserva da Biosfera Transfronteiriça da UNESCO Planalto Ibérico, Parque Natural do Douro Internacional, Parque Natural de Montesinho, Parque Nacional da Peneda Gerês, Parque Natural do Litoral Norte;
  • É uma estrada ladeada por diferentes rios: Douro, Angueira, Sabor, Baceiro, Tuela, Rabaçal, Tâmega, Beça, Rabagão, Cávado, Neiva;
  • Atravessa diferentes serras: Montesinho, Padrela, Larouco, Gerês

Dia 1: Rio de Onor, Bragança, Vinhais

Casas em Rio de Onor no Parque de Montesinho

Começamos, então, esta viagem pelo fim da Nacional 103, mais propriamente em Bragança, onde fica o quilómetro 260: Rio de Onor, vencedor, em 2017, das 7 Maravilhas de Portugal na categoria de Aldeias em Áreas Protegidas.

É uma pequena localidade tipicamente transmontana, com casas de xisto escurecido, varandas de madeira e dois andares (o de cima para a família, o de baixo para o gado). É uma das zonas do país com maior biodiversidade, sendo ali que residem a maior parte dos mamíferos silvestres da Europa.

Em Bragança, aproveite para visitar o Castelo e a torre de menagem, onde reza a lenda que uma princesa apaixonada por um mouro foi feita prisioneira. Poderá ainda visitar o Museu do Abade de Baçal e a Igreja da Misericórdia, caminhando tranquilamente pelas muralhas, percorrendo toda a sua extensão e aproveitando para absorver toda a energia que aquele local histórico tem para transmitir.

O Parque Biológico de Vinhais é mais uma aposta ganha neste roteiro bem português, podendo aí desfrutar de belos momentos em família. Vinhais é conhecida pelas atividades ligadas à agricultura, natureza, gastronomia, destacando-se produtos como a castanha e o porco bísaro, que resultam em pratos cheios de sabor. E, claro, o famoso fumeiro, ou não fosse Vinhais conhecida como “Capital do Fumeiro”.

Dia 2: Póvoa de Lanhoso, Vieira do Minho, Montalegre e Boticas

montalegre
Uma das portas de entrada para o fantástico Gerês

O segundo dia de viagem pela Nacional 103 começa pela Póvoa de Lanhoso, mais propriamente no castelo, onde as ruínas vão resistindo e mostram que por aquelas terras ainda há muito vida para viver.

Este local serviu de ponto de abrigo a D. Teresa, mãe de D. Afonso Henriques, quando, após a batalha de S. Mamede, seguia para o exílio na Galiza. Uma das marcas culturais, artísticas e sociais desta região é a filigrana, uma fina e laboriosa forma de trabalhar o ouro e a melhor forma de a conhecer é visitando o Museu do Ouro, no lugar de Aldeia de Baixo, freguesia de Travassos.

O grande destaque em Vieira do Minho é mesmo a sua incrível paisagem, que mais parecem recortes artísticos ou pinturas de uma tela magnânima. Isto faz com que o concelho seja propício para a prática de desportos outdoor, como a prática de BTT, escalada, caminhadas, trekking… Mas é igualmente uma zona muito rica em património cultural, marcado por uma beleza rústica, e pela simpatia e hospitalidade das suas gentes.

No coração do Gerês

Em pleno Parque Nacional da Peneda Gerês, a vila de Montalegre ainda conserva toda a sua imponência histórica, especialmente quando nos referimos ao castelo construído no séc. XIII, que a colocam como ponto estratégico de defesa do território. Outro ponto de interesse a não perder é mesmo a gastronomia, pois Montalegre é famosa pela produção de enchidos e presunto, ao qual o seu apetite não vai resistir.

A Vila de Boticas encerra em si muitas atividades e locais de interesse, da gastronomia à cultura passando pelo património e natureza. Destaca-se o Centro de Artes Nadir Afonso, um edifício de arquitetura contemporânea que se assume como uma verdadeira homenagem ao artista transmontano com raízes maternas em Boticas. Visite também o Museu Rural de Boticas, para compreender melhor a história do local.  

Dia 3: Braga, Barcelos, Neiva

barcelos

O último dia desta roadtrip pela Nacional 103 passa primeiramente por Braga, onde poderá desfrutar da beleza da cidade, da sua riqueza patrimonial, que alia a tradição à inovação, a memória à juventude, a criatividade ao conservadorismo. Claro que deve visitar o ponto considerado como porta-estandarte da região Minhota, o Bom Jesus – a mais antiga Catedral de Portugal.

Nesse sentido, visitar Braga é quase como fazer uma viagem no tempo, onde a cidade antiga e de tradicional religiosidade convive com a modernidade, empreendedorismos e espírito jovem, que se refletem nos momentos de cultura, comércio, gastronomia, indústria e serviços.

Rumamos em direção a Barcelos, local distinguida internacionalmente com o Prémio Europeu de Destino de Turismo Cultural Sustentável 2019, promovido pela European Cultural Tourism Network, na categoria de Contribuições das Indústrias Culturais e Criativas (ICCs), com o tema “Contribuições do artesanato e da arte popular como caminhos para um turismo mais sustentável”.

Por isso, aproveite uma parte deste último dia para descobrir os encantos naturais do território barcelense, que encanta e desafia, quer pela diversidade da paisagem, quer pela singularidade de alguns locais e espaços como os rios, riachos e ribeiras.

Ligação a Santiago

Chegamos ao fim desta jornada – e ao início da Nacional 103: a S. Romão de Neiva, uma pequena aldeia minhota cuja história se encontra muito ligada à presença dos monges beneditinos, até porque o mais importante monumento aqui existente é o Mosteiro, um templo de sólida estrutura granítica com paredes de três metros de espessura.

Neiva é, igualmente, atravessada pelos Caminhos de Santiago, nomeadamente pelos peregrinos que vêm do Sul. O Mosteiro servia também de alojamento e local de tratamento para quem realizava este percurso espiritual.

Veja também