Teresa Campos
Teresa Campos
26 Jan, 2021 - 10:36

Faringite: saiba como combater esta inflamação da garganta

Teresa Campos

A faringite é uma inflamação da faringe que costuma causar dor de garganta. Conheça outros sintomas e formas de tratamento.

mulher com faringite

A faringinte é uma inflamação da faringe que pode afetar qualquer pessoa, embora seja particularmente comum nas crianças. Certamente, já sentiu dor a engolir e, quando foi ao médico, ficou a saber que tinha pus na garganta.Toda esta descrição pode ser sintomática de uma faringite, embora seja necessário ser avaliado por um médico e fazer alguns exames para confirmar o diagnóstico.

Apesar de, habitualmente, esta ser uma doença ligeira e passageira, as suas manifestações podem ser incomodativas e dificultarem a realização de tarefas básicas do quotidiano, como falar, comer ou mesmo beber água. Se se identifica com estes sintomas, fique a saber o que deve fazer.

Faringinte: tudo o que precisa de saber

Há diferentes formas e medicamentos para atenuar a dor de garganta. Contudo, é preferível averiguar qual é realmente a sua causa, pois a faringite pode ser uma delas.

Antes de mais, convém esclarecer que a faringite é uma inflamação da faringe (a parte posterior da garganta, entre as amígdalas e a laringe), geralmente provocada por um vírus. Caso evolua, pode vir a originar uma amigdalite bacteriana, bem como uma otite ou inflamação dos seios perinasais (sinusite).

Homem com dor de garganta

No que concerne à sua origem, a faringite pode surgir associada a infeções virais, entre as quais constipação, gripe ou mononucleose, mas também pode ser resultado de uma infeção estreptocócica (pela bactéria Streptococcusou) de algumas doenças sexualmente transmissíveis, nomeadamente a gonorreia.

As infeções virais, commumente transmitidas pelo contacto das mãos com secreções nasais infetadas, geralmente explicam o surgimento desta inflamação que é mais frequente nos meses que registam temperaturas mais baixas.

Sintomas de faringite

Os sintomas de faringite, quer viral, quer bacteriana, tendem a surgir cerca de um a três dias após a inflamação, sendo os mais frequentes:

  • Dificuldade e dor a engolir;
  • Dor a falar e a bocejar;
  • Vermelhidão na zona da garganta dorida;
  • Formação de uma membrana mucosa branca ou de placas de pus, isto quando a faringite tem uma origem bacteriana;
  • Febre e inflamação dos gânglios linfáticos do pescoço.

Diagnóstico

Para que uma faringite seja diagnosticada, é necessário ir ao médico e proceder a um exame. De modo a identificar a causa da faringite, poderá ser realizada uma colheita de exsudado da garganta que será depois analisada em laboratório.

Uma outra forma de se detetar se se trata de faringite é fazer a contagem dos glóbulos brancos nas análises feitas ao sangue, de modo a averiguar o bom funcionamento do sistema imunológico. A presença elevada de glóbulos brancos é um fator sugestivo de inflamação ou infeção.

Mulher com dor de garganta

Tratamento

Com o intuito de atenuar e eliminar os sintomas causados pela faringite, pode recorrer-se a analgésicos, pastilhas para a garganta e/ou gargarejos de água morna com sal.

Estima-se que somente cerca de 20% dos diagnósticos de faringite justificam o tratamento com antibiótico (caso das faringites estreptocócicas). De notar que, de resto, a toma deste não se justifica, se a origem da faringite for viral.

Médica a examinar rouquidão de paciente
Veja também Disfonia ou rouquidão. Aprenda a ouvir a sua própria voz

Prevenção da faringite

Uma vez que a faringite é contagiosa, há medidas de prevenção que ajudam a evitar o seu aparecimento. Eis algumas delas:

  • Lavar, com regularidade, as mãos, nomeadamente após ir à casa de banho; antes e depois das refeições; e quando espirra ou tosse;
  • Evitar partilhar alimentos, copos ou talheres;
  • Procurar, ao tossir ou ao espirrar, fazê-lo para um lenço de papel que deve ser deitado ao lixo de seguida;
  • Limpar regularmente, com desinfetantes, aparelhos como os telefones, comandos remotos e teclados de computador;
  • Evitar o contacto demasiado próximo com outras pessoas que estejam doentes;
  • Não fumar;
  • Evitar a exposição a fumo, pó ou poluição;
  • Evitar a frequência de ambientes secos.
Veja também