Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
06 Ago, 2019 - 09:45
três estudantes numa biblioteca com livros e cadernos

Médias de acesso ao ensino superior: tudo o que deve saber

Catarina Milheiro

Se se vai candidatar ao ensino superior existem alguns aspetos que deve saber sobre as médias de acesso ao ensino superior. Fique connosco.

O artigo continua após o anúncio

Se está a pensar em candidatar-se ao ensino superior é natural que existam algumas dúvidas sobre como apurar as médias de acesso ao ensino superior.

Esta fase é, por norma, uma em que os candidatos se sentem bastante nervosos e ansiosos por finalmente estarem a dar mais um passo importante e, por vezes, decisivo nas as suas vidas.

No entanto, não vale a pena andar stressado e entrar em pânico. Fizemos um artigo com toda a informação que precisa de saber para que se consiga candidatar corretamente ao ensino superior.

Conselhos sobre as médias de acesso ao ensino superior

Se o seu objetivo é prosseguir estudos após o 12º ano, então, é necessário que saiba de que forma se apuram as médias de acesso ao ensino superior. Pense connosco: se ao longo do ano letivo se mantiver devidamente informado sobre este assunto, estará prevenido e ciente da meta que pretende alcançar para que consiga entrar no seu curso de sonho.

Numa fase inicial, este pode parecer um assunto um pouco complicado para os candidatos. No entanto, as médias de acesso ao ensino superior não são mais do que um cálculo entre a classificação final obtida no final do ensino secundário e as provas de ingresso (exames de acesso ao ensino superior), específicas para cada curso.

É importante ainda salientar que a classificação final do secundário e as provas de ingresso valem, cada uma delas, uma percentagem diferente, definidas por cada universidade, consoante o curso em que se pretende ingressar.

Até dia 6 de agosto decorre a 1ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior, sendo que existem 50.860 lugares disponíveis (aos quais se somam mais 708 para concursos locais). A 2ª fase decorre entre 9 e 20 de setembro e a 3ª entre 3 e 7 de outubro.

Para que não tenha qualquer tipo de dúvidas em relação às médias de acesso ao ensino superior, fizemos uma listagem com alguns aspetos para os quais deve estar atento. Tome nota.

O artigo continua após o anúncio
médias de acesso ao ensino superior

1. Provas de ingresso

Mas o que são afinal as provas de ingresso ao ensino superior? Estas provas são um dos requisitos obrigatórios para que as instituições de ensino superior possam, em conjunto com outros fatores, selecionar os candidatos para determinado curso.

Hoje, fazem parte destas provas de ingresso os exames finais do ensino secundário, sendo que estes são apenas válidos como provas de ingresso no ano em que são realizados pelos alunos e nos 2 anos seguintes.

Regra geral, as provas de ingresso que são exigidas para cada curso não podem ser superior a 2 (sendo estas fixadas por cada instituição de ensino). Mas é necessário ter atenção, pois, para alguns cursos, podem ser exigidas outras provas de ingresso que não os exames finais nacionais.

Além disso, importa ainda realçar o facto de que as instituições de ensino superior exigem uma classificação mínima nos exames realizados como provas de ingresso, fixada num valor igual ou superior a 95 pontos, na escala de 0 a 200. O que significa que, qualquer aluno que obtenha uma classificação menor do que 95 pontos na prova de ingresso, não poderá frequentar o ensino superior.

Pode consultar Guia Geral de Exames para saber como se inscrever nos exames nacionais do ensino secundário.

10 passos para fazer a sua candidatura ao ensino superior
Veja também 10 passos para fazer a sua candidatura ao ensino superior

2. Vagas e áreas de estudo mais concorridas

No ano passado, 39 licenciaturas ou mestrados integrados tiveram notas de ingresso superiores a 17 valores na primeira fase do concurso nacional de acesso, sendo que destes apenas 9 não se encontram em Lisboa e no Porto.

Os cursos de medicina deixaram de ser os mais procurados pelos alunos que acabaram o secundário com as notas mais altas. Atualmente, há 5 engenharias que têm uma nota de entrada mais alta do que medicina.

A verdade é que os cursos de ciências continuam a ser os mais concorridos pelos alunos cuja média é mais alta. Cursos como o de Engenharia Física Tecnológica, Engenharia Aeroespacial e Matemática Aplicada e Computação (do Instituto Superior Técnico, Universidade de Lisboa) ou Engenharia e Gestão Industrial e Bioengenharia (na Universidade do Porto), aumentaram as vagas neste ano letivo.

O artigo continua após o anúncio

Para que consiga ter uma noção, o curso de Engenharia Aeroespacial na Universidade de Lisboa, em 2018, contava com apenas 80 vagas tendo o último candidato entrado com uma média registada de 188,5. Ao contrário do ano passado, este ano as vagas aumentaram para 92.

O mesmo se pode verificar no curso de Engenharia Física Tecnológica, por exemplo. Em 2018, a nota do último colocado correspondia a 189,0 e o número de vagas era restringido a 60. Este ano pode-se verificar uma subida no número de vagas para 69.

Por isso, se o seu curso de sonho é um dos indicados acima, deve preparar-se para durante o último ano letivo do ensino secundário obter a melhor média possível, para que consiga garantir a sua entrada no ensino superior.

É de salientar que as médias de acesso ao ensino superior sobem à medida que a procura pelos cursos aumenta, ou seja quantos mais forem os candidatos com as melhores notas a concorrer a um mesmo curso, a probabilidade de esse mesmo curso ser o mais concorrido atualmente é grande. É, por isso, importante que todos os candidatos se apressem a fazer as respetivas candidaturas para que possam garantir as suas vagas na instituição em que pretendem entrar.

3. Como calcular a média de acesso ao ensino superior?

Esta é uma questão bastante frequente por parte dos candidatos e é mais fácil do que aparenta ser.

É possível apurar a média final do ensino secundário através do cálculo da média aritmética simples das notas finais de todas as disciplinas – exceto a de Educação Física (esta só conta como média se pretendemos frequentar um curso superior relacionado com desporto). Após esse cálculo obterá a média do ensino secundário, sendo que depois deverá calcular a média tendo em conta a nota obtida na(s) prova(s) de ingresso, dependo da percentagem que esta ocupa – valor esse definido tendo em conta o curso ao qual se vai candidatar. Essa será a sua nota de candidatura ao ensino superior.

Para que não exista qualquer tipo de dúvida, recomenda-se que o aluno converse com o diretor de turma sobre a correta forma de como calcular a respetiva média.

4. Como saber qual a média de curso que mais lhe interessa?

Para que possa saber qual a média de curso que mais lhe interessa pode sempre consultar o site da Direção Geral do Ensino Superior (DGES), no índice de cursos.

O artigo continua após o anúncio

Ao consultar o índice de cursos conseguirá encontrar para cada um deles, a informação atualizada sobre as médias de acesso, provas de ingresso, e ainda os contactos diretos para poder questionar a instituição de ensino para ficar bem informado.

Veja também
Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp