Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
André Freitas
André Freitas
20 Out, 2020 - 18:12

Serão estes os 10 melhores motores japoneses de sempre?

André Freitas

Conhecidos pela sua durabilidade e performance, fizemos uma lista dos 10 melhores motores japoneses de sempre. Concorda com a nossa escolha?

Nissan GT-R

Quando se trata de inovações tecnológicas, o Japão é um país de referência. Por essa razão, decidimos procurar os melhores motores japoneses de sempre e apresentar-lhe 10 motorizações que seguramente figuram neste top.

Hoje em dia, devido às restrições impostas e às preferências dos próprios consumidores, uma das grandes preocupações dos fabricantes automóveis é produzir motores económicos e com baixas emissões de gases poluentes.

No passado, estes não eram os principais critérios e o mercado japonês não era exceção. Os motores produzidos no Japão são reconhecidos por serem extremamente poderosos a nível de potência, altamente rotativos, resistentes, dinâmicos e ainda totalmente fiáveis.

E têm ainda uma outra característica peculiar: são bastante leves.

Todas estas características tornam os veículos equipados com estes motores em automóveis extremamente velozes.

Embora a referência de produção dos motores lançados no mercado japonês possam ser diferentes da referência dos motores lançados em diferentes mercados, certamente irá reconhecer estes motores e os carros que estes equipam.

melhores motores japoneses de sempre: 10 propostas que figuram em qualquer lista

1. Nissan RB26DETT

Motor Nissan

Este motor, produzido entre 1989 e 2002, continha um bloco de ferro fundido e cabeça de alumínio composto por seis cilindros em linha de 2.6 litros, e tinha 276 cavalos de potência, de série.

A linha RB foi usada quase exclusivamente na gama Skyline, nomeadamente no Nissan Skyline GT-R.

Os 276 cavalos deste motor parecem-lhe pouco?

O RB26DETT podia facilmente ser modificado e atingir, ou até ultrapassar, os 500 cavalos de potência.

Por este motivo, era um dos motores favoritos pelos aficionados pelo mundo do tuning.

2. Toyota 2JZ-GTE

O 2JZ-GTE é um motor turbo duplo de seis cilindros em linha, também com 276 cavalos de potência, e é a versão mais potente da série JZ.

Este motor, inicialmente construído para equipar o Toyota Aristo de 1991 usado no Campeonato Japonês de Gran Turismo, ou o Toyota Lexus GS300, é mais conhecido por ser o motor da quarta e definitiva geração do Toyota Supra.

Hoje em dia ainda é um dos motores mais adorados e utilizados no mundo do tuning e do drift. O motivo? Para além de fiável, é facilmente alterado e adaptado, podendo aguentar com uns estrondosos 1.000 cavalos de potência.

3. Nissan SR20DET

O Nissan SR20DET é um dos motores japoneses mais emblemáticos de sempre.

Foi utilizado nos modelos Nissan Silvia, Nissan 180SX e 200SX, e ainda no Pulsar Gti-R.

Este é um motor 2.0 litros turbo, com quatro cilindros em linha e injeção eletrónica de combustível.

A potência deste motor variava entre os 202 e os 250 cavalos.

Estes 250 cavalos poderiam ser ultrapassados através da realização de algumas modificações.

Por estes motivos, o SR20DET é um motor muito popular entre os aficcionados pelo mundo do drift.

4. Toyota 4A-GE

Embora pequeno, este motor era bastante poderoso, produzindo entre 112 e 162 cavalos de potência.

Produzido entre 1983 e 1991, foi usado no AE86 Sprinter Trueno e Corolla Levin e, ainda, no AW11 MR2.

Este foi o primeiro motor DOHC produzido em massa, com quatro válvulas por cilindro e versões 1.3 e 1.8 litros.

O 4A-GE tornou-se um motor muito popular devido ao seu design compacto, baixo peso, confiabilidade, economia e elevado desempenho.

5. Honda B Series

Honda Civic Type R

A Honda é um dos maiores produtores de motores do mundo. Produzem não só motores para automóveis, mas também motores para motociclos, barcos e aviões.

O seu conhecimento nesta área é, assim, enorme. São várias as famílias de motores da marca. Mas neste ponto vamos destacar a série B.

Esta surgiu no mercado em 1989 e foi fundamental para tornar a Honda num dos líderes do mercado automóvel.

A série B era composta por quatro motores: o B16, B17, B18, B20. Destes, o B16 e o B18 são considerados os melhores motores.

Estes produziam entre 126 e 190 cavalos de potência. Para além da potência elevada, o B16 conseguia ainda atingir as 8.500 rpm.

O Honda B16B equipava o Honda Civic EK9 Type R comercializado no mercado japonês e, apesar de ter apenas 1595 cc de cilindrada, produzia 186 cavalos de potência.

Este motor destaca-se pela sua durabilidade e excelente desempenho.

6. Toyota 3S-GTE

O 3S-GTE é um motor turbo de 2 litros DOHC Turbo e 4 cilindros da Toyota.

Foi produzido entre 1986 e 2007, e utilizado nos modelos Toyota Celica GT-4 e Toyota MR2 Turbo.

Ao longo das quatro gerações deste motor, o seu desempenho foi sendo melhorado, atingindo os 260 cavalos de potência e 6200 rpm.

O seu elevado desempenho, seja em condução diária, seja em competição, é inegável.

7. Mazda 13B-REW

Motor mazda

A versão 13B-REW tornou-se muito popular devido ao seu baixo peso e tamanho, mas elevado desempenho.

Este “king of spin” é considerado uma verdadeira obra da engenharia, com arquitetura Wankel.

Produzido até 1995 nos Estados Unidos da América e até 2002 no Japão, este motor foi inicialmente utilizado no Mazda RX7.

Com apenas 1,3 litros, este motor é impulsionado por dois turbocompressores sequenciais Hitachi HT-12, atingindo os 280 cavalos de potência. 

8. Honda F20C

O F20C foi o primeiro motor a ser usado no Honda S2000.

Apesar de ser um “motor pequeno”, a performance deste em nada é pequena. A forma encontrada para o tornar mais eficiente foi utilizar a mesma tecnologia dos carros de corrida.

Dá para imaginar o resultado, certo?

Esta máquina conta com 2000 centímetros cúbicos de cilindrada e no total, este motor é capaz de gerar 247 cavalos de potência.

Este motor utilizava ainda o sistema VTEC (Variable Valve Timing and Lift Electronic Control),  um sistema desenvolvido pela Honda com um comando de válvulas variável que permitia aumentar o desempenho dos motores tanto em baixas como altas rotações.

9. Subaru EJ20

O primeiro motor da série EJ foi lançado em 1989 como sucessor do mecanismo EA.

O motor EJ20, o mais popular da série, tornou-se num grande concorrente dos motores Nissan e Toyota.

Este motor robusto de 2.0 litros de quatro cilindros opostos foi usado no Subaru Impreza (WRX e WRX STI) e Legacy..

O motor do Subaru Impreza STI, com uma elevada resistência, teve um grande destaque do circuito de rali do WRC.

O EJ20 recebeu a designação de EJ20G no mercado japonês.

Este motor estava disponível nas versões de 220 cavalos de potência a 6400 rpm e 275 cavalos a 6500 rpm.

Atualmente, este motor ainda é utilizado como base de vários dos motores utilizados pela Subaru.

10. Mitsubishi 4G63

O motor Mitsubishi 4G63 foi instalado em muitos dos veículos da fabricante automóvel.

Este motor foi introduzido no mercado automóvel em 1988 como parte do Galant VR-4.

A sua durabilidade era uma das características que mais se destacava, que aliada aos 2.0 litros de capacidade de motor e à sua potência, tornavam este motor num dos mais desejados.

Como o motor foi bem recebido e teve uma boa performance, a fabricante decidiu replicar a fórmula para os momentos de competição e lançou o motor 4G63T. O Mitsubishi 4G63T é a versão turbo do 4G63.

Foi com este motor que a Mitsubishi participou no WRC durante vários anos

Este motor robusto equipava o Lancer Evolution que Tommi Mäkinen utilizou para ganhar os quatro títulos consecutivos no WRC.

Veja também