Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Catarina Reis
Catarina Reis
08 Jun, 2018 - 12:00

Porque devo ser contratado: como responder?

Catarina Reis

“Porque devo ser contratado?” – está é uma interrogação à qual deve saber responder. Damos uma ajuda!

Porque devo ser contratado: como responder?

Se deseja ser o candidato ideal para a contratação, deve saber responder à pergunta comum:”porque devo ser contratado?” – já pensou no assunto e teve dúvidas sobre quais respostas dar? A dica é acreditar no seu potencial e saber transmitir ao entrevistador o que faz de si o melhor candidato à oportunidade de trabalho que está em causa. Vamos saber como causar boa impressão nesta situação?

‘Porque devo ser contratado?’ – saiba apresentar-se como o candidato ideal

Toda a procura de emprego eficaz e ativa requer um grande nível de autoconhecimento. Para responder à questão “porque devemos escolhê-lo a si?”, reflita sobre três aspetos essenciais: quais as suas competências, quais os seus valores, e quais os seus interesses profissionais.

ser contratatado

Competências: o que sei fazer?

Competências são aptidões, é o “saber-fazer” que tantas empresas procuram nos candidatos. Um candidato que se encontre preparado para integrar a empresa com o mínimo de preparação e formação possível será considerado uma boa aposta, porque a empresa não necessita de o formar ou ensinar. É por essa razão que a experiência profissional é tão valorizada no mercado de trabalho: ela reflete um conjunto de situações profissionais reais em que o candidato provou dominar uma determinada competência ou área do saber.

Dito isto, comece por referir que deve ser o candidato escolhido porque as suas experiências profissionais, académicas, pessoais (quando aplicável) e outras demonstram que desenvolveu as competências que a empresa procura no seu próximo funcionário. Não se esqueça de justificar as respostas exemplificando.

Valores: o que me faz feliz?

Se o candidato valoriza a possibilidade de progredir na carreira, de assumir periodicamente funções de cada vez mais elevada responsabilidade, de adquirir conhecimentos e experiência em todas as vertentes do negócio da empresa, o que acha que lhe vai acontecer se for integrado numa empresa em que o futuro já esteja traçado, passando por fazer sempre a mesma coisa, com a mesma equipa e o mesmo superior?

Já sabe a resposta? A verdade é que por excelentes que sejam as condições de trabalho – as instalações, a remuneração, as compensações e benefícios – se a atividade profissional em si não permitir ao colaborador satisfazer os seus valores, ele nunca se sentirá feliz e realizado. Nunca sentirá que trabalha com um propósito!

Por isso, deve conhecer a fundo a sua escala de valores: é uma pessoa que prefere rotina ou variedade? Trabalhar em equipa ou sozinho? Ganhar muito dinheiro é importante para si? Poderia prescindir disso se pudesse ajudar os outros? São estas questões e outras semelhantes que se deve colocar. Quando descobrir o que realmente valoriza, não se esqueça de o referir à empresa na entrevista. Para ser contratado, é importante que o recrutador perceba que os seus valores estão alinhados com os da empresa!

Interesses: o que gosto de fazer?

Finalmente, se as tarefas para as quais vai ser contratado são um verdadeiro aborrecimento para si, esqueça esta oportunidade de trabalho e procure outras. Não perca tempo e nem faça o recrutador perder o seu. Saiba o que mais o motiva e persiga-o! Os interesses são as suas paixões, o que gosta de fazer, aquelas atividades às quais se entrega sem dar pela passagem do tempo. Se gosta das tarefas para a qual está a ser entrevistado, frise bem isso.

A atitude certa

Para garantir que o trabalho é seu, não se esqueça de que ter uma atitude positiva é essencial. Seja cordial mas “leve” na entrevista de emprego, respondendo com confiança, ponderação e honestidade às perguntas que lhe colocarem. Não se esqueça de enviar um email de agradecimento pela entrevista nas 24h a seguir à mesma. Boa sorte!

Veja também: