Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
26 Mai, 2020 - 10:45

Tendências que surgiram com a pandemia: renove a casa com estas ideias

Mónica Carvalho

Mais tempo em casa, devido à quarenta, levou a que muitos repensassem a sua própria casa. Conheça as novas tendências que surgiram com a pandemia.

Tendências que surgiram com a pandemia

Da decoração ao modo como passamos o tempo em casa: as tendências que surgiram com a pandemia permitiram repensar o lar, as funcionalidades e características de modo a que tudo se adaptasse melhor aos nossos gostos e necessidades.

Isto aconteceu um pouco por todo o mundo e apostamos que aí por casa também deu por si a pensar: “e se mudássemos isto?”, “e se pintássemos a casa?”, “e se criássemos uma área de trabalho?” Ideias que acabaram por passar à realidade em muitos casos. Conte-nos tudo: o que fez aí em casa?

Decoração em tempos de pandemia

Algumas tendências que surgiram com a pandemia não são novas, mas acabaram por ganhar mais interesse nesta altura, com as pessoas a passarem mais tempo em casa e a perceberem o que deve ser mudado, para tornar o dia a dia mais simples, aprazível e confortável.

renovações em casa

Do it yourself

Lojas fechadas, insegurança em receber trabalhadores de fora em casa e corte nos rendimentos: parece ser a fórmula vencedora para que os projetos “faça você mesmo” ganhem ainda mais importância nos tempos atuais. Por isso, entre torneiras avariadas, tratar das plantas, renovar algum mobiliário ou até dar nova vida a outros objetos passaram a ser práticas comuns, com o patrocínio oficial da COVID-19.

Ou, então, passar das ideias à prática e deixar que as imagens inspiracionais do Pinterest não fossem só um álbum no computador ou telemóvel, até porque o tempo livre da quarentena pedia que algo fosse feito, para bem da sanidade mental de cada um.

A vantagem deste tipo de projetos é que descobrirá em si facetas que achava que não tinha ao mesmo tempo que rentabiliza materiais, tempo e dinheiro.

Funcionalidade versus design

Ao pensarmos na nossa casa perfeita, imaginamos poder incluir algumas peças que nos apaixonaram ao longo dos anos, mas que, na verdade, poderão não ser tão práticas. E isto só se consegue perceber realmente quando a casa é vivida e aproveitada ao máximo.

Com a rotina acelerada do dia a dia antes da pandemia, nem sempre tínhamos tempo de usufruir de tudo o que possuímos e perceber se, de facto, a nossa casa é um espelho do que somos, do que gostamos, do que queremos, tal como deve ser.

A quarentena veio mudar tudo isso: cerca de dois meses de confinamento levaram muitas famílias a perceber que a sua casa não é tão prática quanto pensavam, pelo que, nesses casos, a funcionalidade vale mais do que o estilo ou design.  

Cores neutras

As cores neutras transmitem tranquilidade e serenidade, enquanto as cores mais fortes e arrojadas potenciam estados de alegria. Porém ao longo de várias horas, dias, semanas e meses como foi a quarentena, poderá tornar-se cansativo olhar para cores e padrões demasiado intensos.

Isso não significa tirar personalidade ao tipo de decoração que elegeu para a sua habitação, mas sim reforçar isso mesmo em apontamentos que vão ganhar mais destaque no espaço e resultar numa decoração mais harmoniosa.

Ambientes limpos

Nunca a preocupação com a higiene e limpeza foi tão grande como na atualidade, por ser uma das formas de prevenção do novo coronavírus. Por isso, é natural que na sua casa, atualmente, não falte lixívia, desinfetantes, álcool gel, luvas em quantidades extra se compararmos com o período antes da COVID-19.

Os tempos que vivemos exigem novos hábitos e higiene e muitas casas foram adaptadas para simplificar todo esse processo, nomeadamente com a criação da chamada zona vermelha ou de risco. O que está na rua não deve entrar em casa; limpeza de zonas de contacto frequente; desinfeção de produtos que vêm da rua, como as compras feitas no supermercado; e até a desinfeção das encomendas rececionadas por estafeta ou correios.

Tudo isto passou a ser uma nova realidade. Como resultado, as casas provavelmente nunca estiveram tão limpas e nunca viveu num ambiente tão saudável como atualmente.

Tecnologia

As casas inteligentes ainda poderão ser coisa do futuro, mas quanto mais tempo passa em casa mais perceberá o quanto determinados gadgets lhe poderão facilitar a vida.

Não nos referimos a exageros da domótica, mas sim a pormenores sobre os quais provavelmente nunca pensou e quando os vê achará que poderão ser realmente muito úteis.

Falamos, por exemplo, de móveis com tomadas para carregar dispositivos, carregadores sem fios, que poderá utilizar em qualquer parte da casa, lâmpadas inteligentes, controladas a partir do telemóvel, potenciadores de redes wifi…

Escritório em casa

O encerramento de empresas, lojas e serviços que não fossem considerados de primeira necessidade, como forma de manter o distanciamento social e o confinamento, levaram à implementação do teletrabalho e, com isso, a verificação que os índices de produtividade não têm de ser necessariamente prejudicados por esta forma de trabalho.

Contudo, algo se verificou: nem todos os lares têm as condições ideais para trabalhar em casa, seja pela falta de material ou por não ter os mais indicados. Falamos de algo tão simples tão uma secretária e cadeira apropriadas.

E se antes até achava que não tinha possibilidade nem espaço para criar uma área de trabalho em casa, hoje ainda pensa o mesmo?

Experiências virtuais

Ainda que não seja propriamente uma tendência de decoração, decidimos incluir nesta listagem por se tratar de uma nova forma de viver a casa. E não é esse o objetivo da decoração, levar-nos a ter a casa e ambiente que nos permite ser feliz?

Com espetáculos cancelados, cinemas e espaços culturais encerrados, o vazio preencheu a quarentena. Mas tal não aconteceu sempre, visto que muitos artistas arranjaram forma de chegar às pessoas, ainda que virtualmente.

Vimos concertos gratuitos e em direto, assistimos a peças de teatro, pudemos fazer visitas virtuais a alguns dos melhores museus do mundo, muitos deles portugueses, o que leva a pensar que a vida em casa passará a ser interpretada não como clausura, mas como novas formas de vivenciar determinadas experiências.  

Novas formas de viver que mostram a grande capacidade do ser humano em adaptar-se a diferentes – e difíceis – circunstâncias. As tendências que surgiram com a pandemia mostram isso mesmo e provam que se pensarmos fora da caixa, tudo pode ser mais simples.

Veja também

Aviso Legal

O Ekonomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O Ekonomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].