Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Teresa Campos
Teresa Campos
14 Nov, 2019 - 12:10

Terapia ocupacional: a luta pela autonomia pessoal

Teresa Campos

A terapia ocupacional é uma área de atividade bastante vasta e que pode apoiar pessoas das mais diversas idades, nas mais variadas situações. Saiba como.

Mulher em terapia ocupacional

Desde 2010 que se celebra anualmente (a 27 de outubro), o Dia Mundial da Terapia Ocupacional, de modo a promover uma profissão e uma atividade essencial para pessoas de todas as idades.

A terapia ocupacional é capaz de devolver ou dotar as pessoas de autonomia e autoconfiança, no que diz respeito à execução das atividades mais básicas do dia-a-dia mas que, por alguma razão, se revelam um obstáculo ou uma dificuldade para determinado indivíduo.

Perceba melhor esta área de atividade, as suas funções e públicos-alvo.

Terapia ocupacional: o que é e para que serve?

Idoso em terapia ocupacional

A terapia ocupacional pressupõe o apoio a pessoas que, por qualquer razão, sintam dificuldade em participar ou executar tarefas básicas da sua vida quotidiana, tais como ir para o trabalho ou para a escola, tomar conta de si, fazer as atividades domésticas ou participar num hobby.

O terapeuta ocupacional é um Técnico Superior de Diagnóstico e Terapêutica que promove a saúde e o bem-estar, atuando conjuntamente com outros profissionais e organizações.

Assim, ele é capaz de dotar as pessoas de estratégias que lhe permitam adaptar-se melhor ao seu meio ambiente, ajudando-o a desempenhar tarefas básicas e essenciais.

Eis algumas atividades diárias em que o terapeuta ocupacional pode intervir e ajudar:

  • Voltar a comer de forma autónoma;
  • Tomar banho, pentear-se, vestir-se,…;
  • Participar nas atividades de lazer;
  • Fazer as tarefas no trabalho;
  • Fazer as atividades domésticas;
  • Integrar-se na comunidade;
  • Explorar a atividade de brincar com crianças;
  • Promover a saúde física, mental e social através de atividades que permitam aprender, relaxar, prevenir quedas, etc.;
  • Orientar quem está responsável por alguém com perturbação de desenvolvimento e/ou dificuldades de aprendizagem;
  • Obter recomendações sobre tecnologias de apoio e adaptação de ambientes.
  • Apoiar quem necessita de uma ortótese;
  • Definir um plano ocupacional para a reforma;
  • Envelhecer com mais saúde, participação e segurança.

Alguns terapeutas ocupacionais podem especializar-se em áreas de intervenção, tais como pediatria, saúde mental, geriatria, reabilitação neuromotora, Intervenção comunitária, entre outras.

Diagnóstico e necessidade de terapia ocupacional

A terapia ocupacional destina-se a pessoas de todas as idades, desde bebés a idosos.

Num primeiro momento, o terapeuta irá diagnosticar o problema ou problemas do paciente em causa. Depois, segue-se a execução de um plano de intervenção. Por vezes, este plano pode passar por mudanças de hábitos, rotinas e, até, do posicionamento de certos objetos ou elementos da casa.

Embora a terapia ocupacional possa ser útil a qualquer pessoa, ela é especialmente útil em pacientes com:

  • Artrite reumatóide e dor crónica
  • AVC
  • Traumatismo crânio encefálico
  • Prótese articular
  • Lesão vertebro medular
  • Baixa visão
  • Alzheimer ou outras demências
  • Problemas de equilíbrio
  • Cancro
  • Diabetes
  • Esclerose múltipla
  • Paralisia cerebral
  • Disfunção cognitiva
  • Crianças com perturbações de desenvolvimento ou aprendizagem
  • Adultos com doença mental ou perturbações motoras
  • Idosos e cuidadores

Algumas intervenções em concreto

Demências

No que toca às demências, o terapeuta ocupacional trabalha a intervenção em pequenos grupos, de forma a promover o seu envolvimento em atividades prazerosas, a sua socialização e o seu bem-estar.

Doença de Parkinson

Neste caso, a intervenção pode ser individual, concentrando-se nas atividades da vida diária, lúdicas e em algumas ocupacionais e ambientais. Noutras situações, pode justificar-se uma intervenção em grupo, com estimulação motora e cognitiva.

AVC

Nas vítimas de AVC, o terapeuta ocupacional atua individualmente, estabelecendo objetivos personalizados com o utente e o cuidador. A finalidade é estimular a autonomia nas atividades de vida diária, no lazer e na produtividade.

Onde pedir ajuda?

Os terapeutas ocupacionais costumam trabalhar nas mais diversas unidades de saúde, públicas e privadas, como hospitais, centros de dia, lares, unidades de psiquiatria, centros de saúde, escolas do ensino regular e especial ou instituições de atendimento a toxicodependentes.

Veja também