Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
29 Jun, 2020 - 12:29

Transformação digital: uma nova prioridade e medidas que a apoiam

Catarina Milheiro

Em tempos de pandemia, a transformação digital passou a ser prioridade de todas as empresas. Conheça as medidas que estão a ser tomadas em todo o país.

pessoa a trabalhar num computador no âmbito da transformação digital

A pandemia forçou o teletrabalho e muitos negócios tiveram de se reinventar, sendo que a transformação digital passou mesmo a ser a primeira prioridade para todos eles.

Se até há uns meses o seu superior lhe dissesse que “todos os funcionários estariam a trabalhar a partir de casa”, provavelmente não acreditaria. Mas a verdade é que hoje, olhamos à nossa volta e o que vemos é exatamente metade da população ativa em regime de teletrabalho.

Ora, tudo isto demonstra que, efetivamente, é possível modificar processos, definir e distribuir tarefas à distância e trabalhar por objetivos, assegurando a qualidade e inovação no trabalho.

A TRANSFORMAÇÃO DIGITAL COMO UMA PRIORIDADE NOS NEGÓCIOS DA ATUALIDADE

pessoa a selecionar 2020 num tablet

Já há algum tempo que se fala no conceito de transformação digital e da sua importância estratégica para o bom funcionamento das empresas. Contudo, muitos pensaram que podiam ainda esperar mais um tempo e manter os seus processos da mesma forma que sempre o fizeram.

A verdade é que vivemos tempos em que as mudanças acontecem mais rápido do que nunca. Todos os meses surgem novidades no mercado das tecnologias e a pandemia veio acelerar muito o setor das Tecnologias de Informação, com o surgimento de novas necessidades e oportunidades.

Assim, a transformação digital traz agilidade para o mundo dos negócios, permitindo analisar e tomar decisões sobre quantidades enormes de dados.

Portanto, esta mudança que tem vindo a contribuir para uma produtividade mais eficiente e mais inteligente, assenta em alguns pilares como a robotização, a inteligência artificial, a internet das coisas (IoT), M2M (Machine to Machine) e a análise de enormes quantidades de dados com recurso a ferramentas de Big Data.

Qual é, afinal, o objetivo da transformação digital nas empresas?

Se refletirmos, conseguimos perceber que sem tecnologia os negócios não sobrevivem. Para que um negócio seja de sucesso é necessário que as empresas se adaptem às necessidades e oportunidades atuais.

A transformação digital permite às empresas uma produtividade inteligente. Ou seja, a conectividade entre pessoas, robôs e equipamentos, assim como sistemas à prova de erros (error proofing), rastreabilidade e de qualidade assegurada.

O que acontece com a implementação deste conceito é a potencialização de processos tornando-os mais simples e efetivos.

E isto foi exatamente o que aconteceu em muitas empresas do dia para a noite, quando se viram obrigadas a modificar totalmente o seu modo de trabalho. Em poucos dias aplicaram novas medidas e transformaram-se no mundo digital.

Bastou que identificassem rapidamente quais os primeiros passos a tomar: desde a utilização da Cloud para armazenar ficheiros, recurso a aplicações online para gerir processos e tarefas, criação de equipas de trabalho totalmente virtuais, alteração de estratégias de negócios e até o desenvolvimento de novas aplicações online, por exemplo.

De uma forma rápida e quase automática, tornaram aquilo que parecia impossível, em algo possível e totalmente real.

TRANFORMAÇÃO DIGITAL: MEDIDAS QUE ESTÃO A SER TOMADAS

1

Portugal Digital

O Ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, afirmou na apresentação do Plano de Ação para a Transição Digital, aprovado na reunião do Conselho de Ministros, que Portugal “tem de encarar a transformação digital da sociedade e economia como verdadeiro desafio estratégico”.

Assim, o Portugal Digital é um plano de ação desenhado para ser o motor de transformação do país através da capacitação digital das pessoas, da transformação digital das empresas e da digitalização do Estado. O seu objetivo principal é acelerar Portugal, sem deixar ninguém para trás, e projetar o país no mundo.

Este plano de ação conta com 12 iniciativas:

  • Programa de digitalização para as escolas;
  • Programa de formação intensiva e especializada na área digital de 3000 participantes;
  • Tarifa social de acesso a serviços de internet;
  • Programa de inclusão digital de 1 milhão de adultos;
  • Programa e-Residency – sistema de identidade digital;
  • Promoção das Zonas Livres Tecnológicas (ZLT) através da criação de regimes regulatórios atrativos;
  • Programa de capacitação digital de PMEs do interior;
  • Digital Innovation Hubs;
  • Digitalização dos 25 serviços públicos mais utilizados pelos cidadãos e pelas empresas;
  • Tradução dos websites da Administração Pública para língua inglesa – E-Portugal;
  • Estratégia Cloud para a Administração Pública;
  • Simplificação da contratação de serviços de tecnologia de informação e comunicação pela Administração Pública.
2

IEFP

O Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) vai financiar formações gratuitas em transformação digital. Como? Irá cobrir todos os custos dos cursos da escola de programação Le Wagon.

Esta escola vai lançar 3 formações com o objetivo de ajudar empresas que tenha trabalhadores em regime de layoff e que queiram apostar na formação em tecnologia das suas equipas de trabalho.

Existem 3 cursos disponíveis: análise de dados e automação de tarefas, UX (user experience) e UI (user interfaces) e desenvolvimento web. Para integrar o curso, basta ter um computador com ligação à internet.

3

Programa MIT Portugal

Com um financiamento de 12.2 milhões de euros (dos quais 5.7 milhões são financiados pelo Programa COMPETE 2020, 1.7 Milhões pela Fundação para a Ciência e Tecnologia, 2.7 milhões de euros financiados pelo MIT e 2.1 milhões pelas empresas portuguesas), o Programa MIT Portugal vai apoiar 4 projetos de investigação nas áreas da transformação digital e das Cidades Sustentáveis.

Os projetos são desenvolvidos em parceria com instituições de investigação das Universidades do Porto, Minho, Lisboa e Coimbra e o Massachusetts Institute of Technology (MIT-EUA) e estão relacionados com redes de comunicação, envolvendo comunicações 5G e processos inovadores de transformação digital – liderados por empresas portuguesas como a NOS, EFACEC, Zenithwings e Ubiwhere.

Veja também

Aviso Legal

O Ekonomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O Ekonomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].