Afonso Aguiar
Afonso Aguiar
31 Jan, 2020 - 17:27

Quanto custa trocar a bateria de um carro elétrico?

Afonso Aguiar

Os valores ainda preocupam os consumidores, mas dados recentes indicam que os preços têm diminuído exponencialmente, e a qualidade e durabilidade aumentado.

tesla a carregar a bateria
O artigo continua após o anúncio

Os carros elétricos estão na moda. Apesar de algumas reticências dos consumidores, e de ainda vigorarem algum mitos, a realidade é que, cada vez mais, os clientes procura este tipo de veículos, que são mais ecológicos, tem menos custos de manutenção e menores gastos em circulação.

2019 foi o “boom” de vendas de carros elétricos em Portugal. Segundo um estudo da LeasePlan, 62% dos carros elétricos em atualmente circulação em Portugal foram vendidos em 2019.

Na análise europeia, que teve como referência os dados do ano anterior, a mesma fonte vai mais longe, considerando Portugal como o 11º país europeu melhor preparado para a transição para motores movidos a eletricidade (EV).

Porém, há uma preocupação que se mantém para os consumidores: o elevado valor na altura de trocar de bateria. Um receio vincado, principalmente depois da polémica com o caso de um Nissan Leaf, em outubro de 2019, onde foram pedidos 25.000€ parar trocar a bateria.

Apesar de, posteriormente, a marca japonesa ter estabelecido um novo valor fixo, na ordem dos 7.000 € mais custos de instalação e IVA, nas restantes marcas ainda não existe um preço tabelado.

Afinal de contas, quanto custa trocar a bateria de um carro elétrico?

trocar a bateria de um carro elétrico: qual é afinal o peso na sua carteira

Bateria Nissan Leaf
Exemplo do conjunto de baterias que equipam o Nissan Leaf

O custo de produção das baterias para carros tem vindo a baixar exponencialmente.

As baterias são agora mais compactas e fáceis de produzir. Além disso, a maior parte das marcas, que antes apostava em baterias de pouca potência e autonomia, já não fabricam esses modelos. Portanto, nas situações em que é necessário trocar o equipamento, optam por colocar baterias mais potentes, mas por preços idênticos.

O artigo continua após o anúncio

Ou seja, se o automóvel tinha uma bateria com uma potência de 30kw, terá de a substituir por uma de 40kw, passando a pagar o mesmo que pagava em 2018.

Assim, para verificar a evolução dos preços, reunimos dados de algumas marcas que divulgaram publicamente quanto custa trocar a bateria de um carro elétrico e comparamos os preços em finais de 2018 com os de finais de 2020.

  • Renault – 7.500€ em 2018 e 8.000 € em 2019;
  • Nissan – 7.000€ em 2018 e 7.000€ em 2019. Porém, as baterias dos veículos elétricos da Nissan têm vários módulos. No caso do Nissan Leaf, existem 48 diferentes. Apesar da marca não estabelecer um preço, também afirma que pode optar-se por trocar apenas os módulos estragados, poupando assim vários milhares de euros;
  • Volkswagen – sem dados em 2018 e 9.000€ em 2019;
  • Toyota – 2.350€ em 2018 e 1.200€ em 2019;
  • Lexus – Sem dados de 2018 e entre 1.190€ para o CT200h e os 2.300€ no GS450h;
  • BMW – No modelo i3 tinha um custo de 37.580€ em 2018 e 11.000€ em 2019. Porém, a marca também afirma que se pode optar pela troca de módulos, sendo que cada módulo tem valores a rondar os 1.350€ e nos modelos i3s 1.500€;
  • KIA – Sem dados de 2018 e em 2019 o valor de cada módulo varia entre os 1.000€ e os 2.000€, segundo a marca.

Quanto tempo dura a bateria de um carro elétrico?

Bateria de um carro elétrico

Uma vez que os carros elétricos ainda têm uma existência muito curta, é difícil precisar a durabilidade média. Porém, o caso da Nissan em outubro de 2019, foi o único em Portugal que aconteceu depois do cliente ter ultrapassado os limites da garantia (no caso da marca japonesa estabelecidos nos 160.000 quilómetros).

Além disso, a marca japonesa também garantiu que 99,5% dos 140.000 veículos elétricos vendidos mantém a bateria original.

Um estudo realizado com dados provenientes de utilizadores holandeses e belgas dos modelos S e X da marca Tesla e divulgados no fórum Tesla Motors Club indicam, porém, maiores preocupações.

Da análise em causa, teve-se como amostra dados de 1040 veículos com as seguintes condições:

  • Veículos cuja capacidade da bateria oscilava entre 75 kWh e 100 kWh;
  • Modelos com uma quilometragem média de 54.000 km.

Destes modelos, pôde concluir-se que a autonomia média, entre as recargas de bateria, era de 385 km, o que pressupôs que houve uma perda de 5% da capacidade de bateria, em relação a quando eram carros novos.

O que pareceu mais alarmante foi o facto de 250 dos 1040 clientes, que colaboraram nos estudos, afirmarem ter solicitado trocar bateria de um carro elétrico.

O artigo continua após o anúncio

Destas 250 ocorrências, a substituição ocorreu, na maioria dos casos, até aos 30.000 km, havendo apenas um caso que assumiu ter feito esta troca aos 77.000 km.

Motor Nissan Leaf
Motor elétrico que equipa o Nissan Leaf

Ainda assim, tendo em conta que, hoje em dia, o mais comum é comprar-se um carro elétrico com uma garantia de bateria de seis a oito anos ou 150.000 a 160.000 quilómetros, os dados do estudo acabaram por não acarretar custos ao consumidor.

Essa mesma informação é corroborada, a título de exemplo, pela Hyundai que prefere publicamente salientar o seguinte: “A troca de uma bateria completa é uma operação classificada como rara e em condições muito específicas de utilização ou de dano. A acontecer, o mais expectável é a necessidade de trocar módulos parciais com custos mais baixos e tempos de reparação menores. Por nunca ter havido esta necessidade, a Hyundai não anuncia preço e lembra que as baterias de alta voltagem têm uma garantia de 8 anos ou 160.000 quilómetros.”

Portanto, apesar do custo ser, ainda assim, elevado, o preço tem diminuído e a qualidade tem-se elevado. Além disso, enquanto não ultrapassar os seis a oito anos ou os 150.000 a 160.000 quilómetros de garantia (estabelecidos sempre pelas marcas), não terá grandes preocupações.

Após este período, provavelmente a história será bem diferente, e mostram-nos os dados que os preços ficarão bem mais “praticáveis” e atrativos.

Veja também