Marta Maia
Marta Maia
16 Ago, 2016 - 08:08
As vantagens e desvantagens das contas poupança

As vantagens e desvantagens das contas poupança

Marta Maia

Conheça as vantagens e desvantagens das contas poupança e como elas influenciam o futuro do seu dinheiro.

O artigo continua após o anúncio

Praticamente todos os manuais de boas práticas financeiras nos aconselham a guardar uma parte dos nossos rendimentos para fazer face a necessidades e urgências futuras. De facto, poupar é um hábito que devemos enraizar, mas ele traz um novo desafio associado: saber como guardar o dinheiro da forma mais inteligente.

Analisamos, por isso, as vantagens e desvantagens das contas poupança, já que elas são apontadas pelos bancos como a melhor solução para guardarmos o que vamos separando todos os meses.

Vantagens e desvantagens das contas poupança

Rendimento baixo, mas seguro

Começamos a comparação das vantagens e desvantagens das contas poupança olhando para a rentabilidade. As contas poupança são conhecidas por serem produtos financeiros de rentabilidade baixa, isto é, têm taxas de juro muito reduzidas.

Não é por acaso que isso acontece: os bancos sabem que não podem arriscar o dinheiro que estão a guardar, e por isso não estão assim tão interessados em tê-lo. A taxa de juro é, por isso, calculada com base na evolução da Euribor, mas sempre de forma a que o banco tenha de lhe pagar pouco para ficar com o seu dinheiro.

Em contrapartida, e porque vantagens e desvantagens das contas poupança muitas vezes se equilibram, falamos de um investimento seguro: independentemente de a rentabilidade ser baixa, ela é constante e o seu capital inicial nunca está em risco. No pior dos cenários, volta para casa com exatamente o mesmo valor que tinha quando abriu a conta.

Esta segurança chega-lhe, em parte, também porque os depósitos estão protegidos pelo Fundo de Garantia de Depósitos, que lhe devolve o dinheiro aplicado (até 100 mil euros) mesmo que o seu banco declare falência.

Mobilização possível, mas penalizada

Guardar o dinheiro numa conta poupança é quase a mesma coisa que guardar as notas numa caixa escondida em casa: pode recuperá-lo quando precisar, porque ele vai estar disponível.

As possibilidades de mobilização do dinheiro nas contas poupança são várias e diferem de banco para banco e de produto para produto, mas existem sempre. Pode ter algumas restrições (como só poder mexer no dinheiro se for para usá-lo para um fim específico), ou pode ser impedido de mexer apenas numa parte do capital, mas ninguém o proíbe de recuperar o que é seu.

O artigo continua após o anúncio

Mais uma vez, contudo, vantagens de desvantagens das contas poupança entram em equilíbrio: se é certo que pode mexer no dinheiro que aplicou quando precisar, é igualmente certo que vai ser penalizado por isso. Na maioria dos casos, essa penalização chega por perda de juros corridos, ou seja, se tirar o dinheiro da conta antes do fim do prazo combinado não recebe os juros que ia receber.

vantagens e desvantagens das contas poupança

Disciplina mais fácil, mas muito rigorosa

As contas poupança são particularmente boas para quem não consegue manter a disciplina financeira e acaba por gastar sempre aquele valor que queria poupar. Ao guardar o dinheiro numa conta à parte, ele “sai da vista”, ou seja, deixa de aparecer no saldo disponível da conta corrente, e por isso fica mais a salvo de impulsos consumistas.

Para os clientes que são mesmo indisciplinados existe ainda a possibilidade de subscreverem contas poupança específicas, que só libertam o dinheiro se ele for usado para o fim que lhe foi inicialmente destinado – por exemplo, as contas poupança reforma só permitem a mobilização de verba se entrar na reforma, se estiver em incumprimento com o crédito habitação ou se quiser comprar formação. Caso contrário, o banco protege o seu dinheiro até dos seus próprios impulsos.

No entanto, e porque este é um artigo sobre vantagens e desvantagens das contas poupança, há um senão neste rigor: o seu dinheiro pode ficar bloqueado. Imagine que constituiu uma conta poupança e, para se obrigar a cumprir o seu objetivo (ou para aumentar a rentabilidade), optou por um depósito não mobilizável. Se uns dias depois precisar muito de dinheiro, não pode contar com o que aplicou, porque ele fica bloqueado até ao final do prazo.

Rentabilidade garantida, mas sem ganhos

Neste ponto, vantagens e desvantagens das contas poupança entram quase em simbiose, mas continuam a existir. Começamos pelo mais fácil: as contas poupança têm rentabilidade garantida, ou seja, o banco paga-lhe sempre juros para ficar com a guarda das suas poupanças. Isso significa que o seu dinheiro não desvaloriza com o passar do tempo, como aconteceria se tivesse ficado parado numa conta à ordem e vulnerável ao aumento natural da inflação.

Por outro lado, contudo, a rentabilidade das contas poupança pode não representar um ganho efetivo, ou seja, pode não haver lugar a um crescimento do valor que poupou.

Isto acontece se a taxa de juro que recebe não for superior à inflação: imagine que tem uma conta poupança com uma rentabilização de 0,01%, mas a inflação sobe 0,3%. Ao fim de dez anos, o seu dinheiro desvalorizou muito mais do que o valor que foi ganhando em juros, o que, contas feitas, significa que até ficou a perder em guardar o dinheiro ali.

É, por isso, uma escolha difícil de fazer: ou guarda o seu dinheiro num sítio onde sabe que ele está seguro, embora consciente de que, a longo prazo, vai ficar a perder; ou arrisca um pouco mais e, sabendo que pode perder uma parte das poupanças, tenta que elas cresçam de forma efetiva com o passar dos anos.

O artigo continua após o anúncio

Veja também:

Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp