ebook
GUIA DO REGRESSO ÀS AULAS
Prático e Descomplicado
Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
16 Ago, 2021 - 15:14

Tudo o que precisa saber sobre as atividades extracurriculares

Catarina Milheiro

As atividades extracurriculares são uma ferramenta excelente para desenvolver determinadas competências. Saiba mais sobre este tema.

atividades extracurriculares

Uma das preocupações dos pais durante o período escolar são as atividades extracurriculares dos mais novos. Desde a prática de diversos desportos, à música, cursos de línguas, artes plásticas, dança e teatro, as atividades podem ser várias e muito diferentes.

O difícil mesmo é escolher. Contudo, é natural que todas as possibilidades estejam dependentes de uma série de fatores como a proximidade da escola que o seu filho frequenta ou a oferta dos centros de tempos livres aos quais tem acesso.

No fundo, o importante é perceber que este tipo de atividades são de extrema importância e não devem ser postas de parte. Afinal, todas elas irão contribuir para um crescimento saudável dos mais pequenos.

No entanto, é crucial que a escolha seja feita em conjunto com os seus filhos. A verdade é que as crianças estão a “abdicar” do seu tempo livre para investir nestes escapes, pelo que a motivação é uma peça chave.

O que são atividades extracurriculares?

aula música

Todos nós sabemos que a participação em atividades extracurriculares é opcional. Contudo, o envolvimento nas mesmas é encarado como parte da rotina de crianças e jovens estudantes.

Ou seja, para que consiga ter uma ideia mais aproximada, jogar ténis como atividade extracurricular não é o mesmo do que jogar ténis aos fins-de-semana com os amigos. Ter algum tipo de atividade extracurricular exige pontualidade, assiduidade e acima de tudo, compromisso.

Por isso é que antes de tomar uma decisão, se torna tão importante saber se há a possibilidade do seu educando experimentar algumas atividades em áreas distintas, para perceber qual a ideal.

De um modo geral, tal como os adultos necessitam de momentos em que consigam relaxar e desenvolverem outras capacidades, os mais novos também. E nada melhor do que sentirem que existe um compromisso para lá das obrigações escolares.

Estas atividades traduzem-se num conjunto de experiências de que as crianças usufruem informalmente e sem carácter obrigatório. Isto significa que constituem um currículo paralelo àquele que é definido obrigatoriamente pela escola e que são frequentadas de forma totalmente livre.

As atividades extracurriculares têm grandes benefícios tanto a nível físico como psicológico, cultural e social. De forma geral, contribuem para uma melhor saúde mental e física, para o domínio de novas competências e para o contacto com novas pessoas.

O envolvimento em atividades extracurriculares vai capacitar os mais novos em que aspetos?

Como já referimos, ter alguma atividade extracurricular é sem dúvida uma mais-valia – confira as competências que são, normalmente, desenvolvidas:

  • Resolução de problemas;
  • Capacidade de comunicação;
  • Liderança;
  • Organização;
  • Pensamento crítico;
  • Pensamento analítico;
  • Explorar talentos de forma totalmente livre;
  • Estabelecer metas e objetivos;
  • Realizar várias tarefas ao mesmo tempo;
  • Saber trabalhar em equipa.
Literacia digital
Veja também Literacia digital: o que é e por que deve ser parte da sua vida

5 Benefícios das atividades extracurriculares

1

Reforçam a autoestima e o sentimento de realização pessoal

As práticas extracurriculares podem ter grandes benefícios no que se refere à saúde mental. Não só ajudam a melhorar a capacidade de concentração como reforçam o sentimento de realização pessoal e funcionam como um alívio para o stress e a frustração.

Por outro lado, ajudam a relaxar e a controlar os níveis de energia, o que resulta no afastamento de comportamentos depressivos e derivados da ansiedade.

2

Melhoram o comportamento

A participação em atividades extracurriculares é também vantajosa quando queremos incutir alguma disciplina e sentido de responsabilidade aos nossos filhos.

São excelentes para melhorarem o comportamento dos mais novos e lhes incutirem algumas metas e objetivos específicos de cada atividade.

3

Incutem sentido de responsabilidade e organização

Embora sejam um momento de lazer, as atividades extracurriculares apresentam-se também como uma responsabilidade. Neste sentido, incentivam a cumprir os horários definidos e a honrar os compromissos, especialmente quando em causa estão dinâmicas de grupo. A criança aprende desta forma a organizar o seu dia.

4

Estimulam o rendimento escolar

Regra geral, os programas extracurriculares são criados para ajudar as crianças a desenvolver capacidades que os ajudam nos estudos. É, por exemplo, o caso da organização, das capacidades de liderança, da motivação e da responsabilidade.

Por outro lado, o entusiasmo de verem determinada atividade como uma espécie de recompensa faz com que se dediquem mais aos estudos e se esforcem mais na escola. Não admira, portanto, que seja tão importante que gostem das atividades escolhidas.

5

Estimulam a socialização

Muitas destas dinâmicas depois da escola realizam-se em grupo, como é o caso do teatro ou das atividades desportivas. Assim, não deverá surpreender que as capacidades de socialização dos mais novos se desenvolvam e que surjam novas amizades fora do contexto escolar ou familiar.

rapazes jogar futebol

Como escolher a atividade extracurricular certa

A oferta é muita: canoagem, futebol, surf, ballet, teatro, culinária, pintura, música, ténis e por aí fora. O desafio é mesmo a escolha das melhores atividades extracurriculares para o seu filho.

É importante que esta escolha seja feita e analisada em conjunto com os mais pequenos, para que eles possam realmente realizar algo que gostem e que lhes dê algum prazer no fim do dia. No entanto, existem alguns aspetos que deve ter em consideração para escolher a atividade ideal.

Idade

É importante ter em atenção a faixa etária do seu filho. Isto porque se a atividade não for adequada à idade pode começar a sentir-se desinteressado e com vontade de desistir.

Normalmente, para crianças do 1º ciclo, recomendam-se atividades extracurriculares como as línguas e atividades coletivas (voleibol, futebol ou andebol, por exemplo). O objetivo é que as crianças pratiquem algum desporto e fomentar o trabalho em equipa, bem como a socialização.

Atividades individuais como o ténis, o atletismo, a natação ou o ballet também são ótimas escolhas para as crianças entre os 6 e os 10 anos.

Relativamente ao 2º e 3º ciclo, isto é, entre os 10 e os 15 anos recomendam-se atividades extracurriculares intelectuais e motoras que tenham, entretanto, despertado interesse nos jovens. Falamos portanto, de desportos coletivos, individuais e de aventura.

E não se assuste se o seu filho chegar a esta idade e quiser trocar o ballet pelo hip-hop – é perfeitamente normal que cada um vá descobrindo aquilo com que mais se identifica à medida que vai crescendo.

Interesses pessoais

É crucial respeitar os interesses pessoais do seu filho. Lembre-se que o entusiasmo e a aprovação das atividades extracurriculares devem merecer toda a atenção dos mais pequenos.

São eles quem tem de se sentir bem e realizarem algo que lhes dê prazer e vontade de quererem mais.

Tempo livre

Bem, esta é uma questão que deve ser analisada consoante o horário quer dos pais, quer dos filhos. Normalmente este tipo de atividades acontece duas a três vezes por semana.

É importante lembrar também que, atividades a mais podem cansar e até sobrecarregar os seus filhos. Por isso, é crucial que continue sempre a existir algum tempo livre para brincarem (principalmente quando mais novos forem).

Experimentação

Se o seu filho ainda não sabe muito bem que tipo de atividade gostava de frequentar, nada melhor do que experimentar. Existem inclusive algumas atividades em que é possível uma frequência gratuita numa fase experimental. Apesar de sabermos que uma ou duas aulas poderão não ser suficientes para a criança perceber se gosta ou não, é importante para aproveitar para lhe explicar que o gosto às vezes só surge com a continuidade e que não há mal nenhum em querer trocar de atividade mais tarde.

Veja também