Ekonomista
Ekonomista
08 Set, 2022 - 15:36

BCE anuncia maior aumento de sempre das taxas de juro

Ekonomista

As taxas de juro subiram 75 pontos base e não vão ficar por aqui. Prestações aumentam, mas juros nos depósitos também.

Maior aumento dos juros de sempre

O Banco Central Europeu (BCE) aumentou as taxas de juro em 75 pontos base, uma medida que a instituição admite ser “um passo importante” para combater a subida da inflação. Recorde-se que, em julho, o BCE já tinha aumentado as taxas de juro diretoras em 50 pontos base.

Assim, a taxa de refinanciamento (isto é, taxa que os bancos devem pagar no momento em que pedem dinheiro emprestado ao BCE) passa a ser de 1,25%, enquanto a dos depósitos fica nos 0,75%. Esta subida tem efeitos a partir de 14 de setembro.

Este aumento histórico das taxas de juro significa uma subida nas prestações dos créditos com taxa variável, já que a Euribor reflete estes aumentos.

Já para quem tem depósitos, esta pode ser uma boa notícia, dado que a remuneração sobe. Isto é, pode vir a receber mais pelas suas poupanças.

Juros vão continuar a subir

A tendência da subida dos juros vai continuar, avisa o comunicado do BCE, revelando que “espera continuar a aumentar as taxas de juro – porque a inflação permanece demasiado elevada, sendo provável que se mantenha acima do objetivo durante um período prolongado”.

O Conselho do Banco Central Europeu (BCE) diz que este “passo importante” antecipa a transição das taxas de juro diretoras para níveis que assegurarão um regresso atempado da inflação ao objetivo de 2%. Ou seja, aos valores considerados ideais para manter a estabilidade dos preços e da economia, que estão longe do que se verificam atualmente.

O BCE teve de rever as suas projeções para a inflação: 8,1% em 2022, 5,5% em 2023 e 2,3% em 2024. A subida “muito acentuada” dos preços dos produtos energéticos e dos produtos alimentares, o aumento da procura em alguns setores, devido à reabertura da economia e os estrangulamentos da oferta são as razões apontadas pelo BCE para que a inflação continue a subir.

Fontes

Banco Central Europeu: Comunicado de 8 de setembro – Decisões de política monetária

Veja também