Teresa Campos
Teresa Campos
24 Jul, 2019 - 11:25
Cancro da mama no homem. Sintomas e fatores de risco

Cancro da mama no homem. Sintomas e fatores de risco

Teresa Campos

O cancro da mama no homem não é uma doença comum, mas existe. Saiba a que sinais deve estar mais atento e como agir em conformidade.

O artigo continua após o anúncio

Para algumas pessoas, ouvir falar em cancro da mama no homem pode até ser uma novidade. Porém, o que é facto é que, embora raro, ele existe e todos os indivíduos do sexo masculino devem estar alerta, até porque a sua deteção precoce pode fazer toda a diferença.

Por ser menos comum, o cancro da mama no homem pode ser mais difícil de diagnosticar a tempo, porque os indivíduos tendem a ignorar nódulos que surjam no peito ou sentem-se constrangidos em expôr esse problema, o que pode conduzir a uma deteção da doença já em estado avançado.

Além disso, pelo facto dos homens terem menos tecido mamário, o cancro tem tendência a disseminar-se mais rapidamente para as áreas circundantes.

Cancro da mama no homem: sintomas e fatores de risco conhecidos

cancro da mama no homem

O cancro da mama é um tumor maligno que tem origem nas células da glândula mamária. Embora mais frequente nas mulheres, este cancro também pode afetar os homens. Segundo a Liga Portuguesa contra o Cancro, em Portugal, cerca de 1% dos casos de cancro da mama são diagnosticados a indivíduos do sexo masculino.

Também nos homens, o diagnóstico precoce é essencial e aumenta a probabilidade do tratamento ser mais eficaz. Por isso, fique a par de alguns sinais a que deve estar atento, assim como a alguns fatores de risco.

Fatores de risco

De acordo com a American Cancer Society, as causas para o desenvolvimento de cancro da mama em homens ainda não são totalmente conhecidas. Contudo, já há estudos científicos desta mesma instituição americana capazes de apontar alguns fatores de risco para o surgimento desta doença em indivíduos do sexo masculino, a saber:

  • Envelhecimento: nos homens, o risco de aparecimento do cancro da mama aumenta à medida que a idade do indivíduo avança.
  • História familiar de cancro da mama: 1 em cada 5 homens com cancro da mama têm ou tiveram um familiar próximo, do sexo masculino ou feminino, com cancro da mama.
  • Mutações genéticas hereditárias: mutações genéticas, como as dos genes BRCA2 ou BRCA1, podem aumentar o risco de desenvolver cancro da mama.
  • Síndrome de Klinefelter: esta é uma doença congénita em que os homens apresentam um cromossoma X a mais. Esta é também uma alteração genética capaz de provocar problemas, tais como testículos que não tenham descido para a bolsa escrotal ou ginecomastia (crescimento benigno da mama masculina).
  • Exposição à radiação: ter sido submetido a radiação torácica (para o tratamento de outro cancro, por exemplo) pode aumentar o risco de aparecimento de cancro da mama.
  • Bebidas alcoólicas: o consumo excessivo de bebidas alcoólicas é considerado um fator de risco para o surgimento de cancro da mama nos homens.
  • Doença hepática: o fígado assume um papel relevante no metabolismo das hormonas sexuais. Assim, homens com doenças hepáticas, como a cirrose, possuem níveis baixos de androgénio (hormona sexual masculina) e níveis elevados de estrogénio (hormona sexual feminina). Tal circunstância pode conduzir ao crescimento benigno da mama e, assim, potenciar o risco de desenvolver cancro da mama.
  • Obesidade: Assim como para as mulheres, a obesidade pode ser sim um fator de risco para o surgimento de cancro da mama nos homens.
  • Atividades profissionais específicas: A exposição a temperaturas muito elevadas, por longos períodos de tempo, pode afetar os testículos e, consequentemente, os níveis hormonais. Logo, homens que trabalham em ambientes muito quentes, como numa siderurgia, por exemplo, correm um maior risco de vir a ter cancro da mama. Também trabalhadores expostos aos vapores da gasolina parecem ter maior risco de desenvolver cancro da mama.
  • Outros: ter tido papeira já na idade adulta; ter um testículo que não desceu para a bolsa escrotal (criptorquidia); ter feito a remoção cirúrgica de um ou dos dois testículos (orquiectomia); são outros fatos que podem aumentar ligeiramente o risco de aparecimento de cancro da mama no homem.

Sintomas

  • Nódulo(s) na mama;
  • Alterações no tamanho, formato ou pele da mama;
  • Alterações no aspeto do mamilo;
  • Descarga mamilar;
  • Úlceras mamárias;
  • Erupção cutânea.

Tipos de cancro da mama no homem

  • Carcinoma ductal: cancro que se inicia nos ductos mamários; é o tipo mais comum.
  • Lobular: cancro que se inicia nas glândulas produtoras de leite; é um tipo raro no homem, por possuir poucas glândulas no seu tecido mamário.
  • Doença de PAGET do mamilo: cancro que se forma nos canais que transportam o leite e dissemina-se até ao mamilo; é um tipo muito raro.

Tratamento

  • Cirurgia;
  • Quimioterapia;
  • Radioterapia
  • Terapêutica hormonal.

Prevenção

Tendo em conta a ainda escassa informação acerca das causas para esta doença no homem, as medidas preventivas a tomar não são para já muitas.

Contudo, manter um estilo de vida saudável e equilibrado, ter um peso adequado e evitar o consumo excessivo de bebidas alcoólicas podem ser bons comportamentos para ajudar a reduzir o risco de desenvolver esta doença. Caso exista historial de cancro da mama na sua família, então deve aconselhar-se junto do seu médico acerca de outras medidas preventivas que deva tomar.

O artigo continua após o anúncio
Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp