ebook
Ebook Finanças (s)em Crise
Um guia para tempos complicados
Teresa Campos
Teresa Campos
05 Fev, 2021 - 12:51

Cefaleia: saiba o que é, as principais causas e os tratamentos

Teresa Campos

A cefaleia pode ser uma doença ou um sintoma de outro problema de saúde. Conheça as suas principais causas e tratamentos.

Mulher com dor de cabeça

Cefaleia é o termo médico utilizado para designar uma dor de cabeça ou da zona cervical. Este é um problema que pode afetar crianças e adultos, podendo ter na sua origem múltiplas causas.

Este é um problema que tem maior incidência nas mulheres, devido ao ciclo menstrual e à toma da pílula contracetiva. Saiba tudo sobre celafeia e como tratar os seus sintomas.

Cefaleia: tipos, causas e tratamento

A cefaleia traduz-se numa dor que pode afetar a zona da cabeça e a zona do pescoço (cervical). Por ser uma das dores mais comuns, a Organização Mundial de Saúde já lhe conferiu um dos primeiros dez lugares na lista de doenças mundialmente conhecidas, considerando-a a 3ª causa mundial de incapacidade.

Ao contrário do que se pode pensar, “cefaleia” e “enxaqueca” não são necessariamente sinónimos. Na verdade, a segunda é considerada uma forma da primeira.

Tipos de cefaleia

Existem três tipos de cefaleia: a primária (idiopática), a secundária (sintomática) e as nevralgias.

Cefaleia primária

Quando a dor de cabeça é a própria doença falamos de uma cefaleia primária, sendo que este é o tipo mais frequente. Inserem-se neste grupo:

  • Cefaleias de tipo tensão: caraterizadas por uma dor ligeira, tipo pressão, bilateral, não latejante, acompanhada de intolerância ao ruído e contração excessiva dos músculos do pescoço e ombros.
  • Enxaquecas: caraterizadas por uma dor pulsátil que atinge só um dos lados da cabeça e que pode ser acompanhada de vómitos, náuseas e perturbações neurológicas. Este incómodo pode piorar com a prática de atividade física e a exposição à luz e ao ruído. A dor pode prolongar-se entre quatro horas a três dias.
  • Cefaleias em salva: caraterizadas por dor intensa, unilateral, com incidência no olho ou na têmpora. Este tipo é mais prevalente no género masculino, ocorrendo muitas vezes de madrugada, principalmente na primavera e no outono. A dor dura, em média, 30 minutos, podendo ser acompanhada de olho vermelho, lacrimejo, queda da pálpebra superior e alterações do tamanho da pupila.

Cefaleia secundária

Já a cefaleia secundária é aquela que se deve à existência de uma doença. Neste caso, a dor de cabeça é, na verdade, um sintoma de outro problema de saúde.

Estas últimas ocorrem por lesão das estruturas do crânio, do compartimento intracraniano, da face (incluindo olhos, ouvidos, nariz e boca), do pescoço e/ou por disfunções orgânicas do corpo que influenciam o cérebro.

São exemplo deste tipo as cefaleias: as pós-traumáticas; as associadas à sinusite ou a otites; as consequentes da disfunção da articulação temporomandibular; e as associadas a crises de hipertensão.

Nevralgias

As nevralgias ocorrem quando os nervos cranianos são incomodados por alguma ocorrência como, por exemplo, uma inflamação ou infeção dentária. Elas caraterizam-se por uma dor aguda e intensa, semelhante a uma guinada ou choque elétrico, na zona do nervo afetado.

Homem com enxaqueca

Causas da cefaleia

É imperativo identificar e evitar os fatores que podem originar ou agravar esta dor de cabeça, quando esta não surge de forma espontânea. Só assim será possível diagnosticar e tratar adequadamente as cefaleias.

  • Alimentação: dependendo dos indivíduos e das quantidades ingeridas, existem vários produtos alimentares que podem desencadear dores de cabeça, tais como bebidas alcoólicas, alimentos com sabor intenso e, até mesmo, café. Além disso, passar longos períodos sem comer também pode causar o mesmo resultado.
  • Visão: os problemas de visão são um dos fatores mais frequentes no que diz respeito ao aparecimento de dores de cabeça. Por isso mesmo, é importante consultar um oftalmologista para despistar qualquer problema.
  • Uso excessivo de aparelhos eletrónicos: também a exposição prolongada a monitores de aparelhos eletrónicos, como computadores ou televisões, poderá originar cefaleia.
  • Sono: para garantir que tem um sono equilibrado, deve dormir entre 7 a 8 horas por noite. Isto, porque a privação de sono ou o excesso de horas dormidas podem ser um causa de dores de cabeça.
  • Cheiros intensos: já lhe deve ter acontecido sentir-se incomodado pelo cheiro intenso a tinta de uma parede acabada de pintar, por exemplo. A verdade é que os aromas fortes podem provocar cefaleias, pelo que deve evitá-los.
  • Emoções: a frequência e a intensidade das dores de cabeça podem aumentar em alturas de maior stress, preocupações e depressão. Por isso, deverá falar com o seu médico para saber se uma medicação calmante é aconselhável e se poderá ajudar.
Diferentes tipos de dor de cabeça
Veja também 5 tipos de dor de cabeça: o que são e como identificar

Tratamento da cefaleia

As cefaleias não têm cura, mas sim tratamento. Isto significa que existem medicamentos e comportamentos que ajudam a reduzir a frequência e a intensidade destes episódios.

No que se refere às cefaleias secundárias, o tratamento passa, essencialmente, pela cura da doença ou do problema que originou a dor. Pode tratar-se, por exemplo, de uma gripe, de uma crise de hipoglicemia ou, até mesmo, de um pequeno traumatismo craniano.

Já no caso das cefaleias primárias, o tratamento pode ser mais complexo, uma vez que, na sua generalidade, são eventos recorrentes e sem causa determinada. Neste caso, é recomendado o recurso a analgésicos que aliviem a dor e a aplicação de frio ou pressão no local da dor, enquanto se repousa em local sossegado e escuro.

Veja também