Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
28 Nov, 2018 - 11:23
Colesterol: fatores de risco, doenças associadas e controlo dos níveis

Colesterol: fatores de risco, doenças associadas e controlo dos níveis

Catarina Milheiro

Em Portugal, estima-se que dois terços da população adulta têm o colesterol elevado. Para evitar que isto aconteça, queremos dar-lhe algumas dicas.

O artigo continua após o anúncio

Muitas vezes visto como prejudicial para a saúde, o colesterol é uma substância gorda (gordura) natural e essencial para o bom funcionamento do organismo, sem o qual nós não existiríamos. É um componente das membranas celulares e contribui para a formação de ácidos biliares e algumas hormonas como vitamina D, estrogénio, testosterona e cortisol. Estas hormonas, por sua vez, ajudam o organismo a fazer a digestão das gorduras.

Ao contrário do que a maioria das pessoas pensam, esta gordura não só está presente no coração, como também no cérebro, intestinos, pele, músculos, nervos e ainda no fígado. Os efeitos negativos do colesterol estão associados ao aumento do seu nível no sangue circulante.

Colesterol: de A a Z

colesterol

O colesterol é obtido a partir de alimentos como produtos láteos, carnes gordas e ovos. Contudo, grande parte desta gordura produz-se no fígado. É também sintetizado a partir de alimentos ricos em gorduras saturadas e gorduras trans.

Algumas doenças como a diabetes e em determinadas pessoas com história familiar de hipercolesterolemia com fator genético marcante, podem contribuir para que os níveis desta gordura se tornem anormais.

Alguns fatores de risco

O colesterol alto pode ser controlado por cada um de nós. Basta que tome algumas atitudes e modifique um pouco as suas rotinas com o intuito de manter uma vida saudável.

a) História familiar

Se tem familiares com níveis de colesterol altos, poderá ser um fator de risco. Se este for o seu caso, informe-se com o seu médico assistente de modo a perceber como se encontra a sua situação.

b) Sexo e idade

O artigo continua após o anúncio

Desde a puberdade até à menopausa, as mulheres têm uma maior tendência a ter um nível de colesterol normal ou até baixo. No entanto, depois da menopausa, os níveis tendem a aumentar em comparação com os valores apresentados pelos homens.

c) A falta de exercício físico

A prática de exercício físico é essencial para um estilo de vida saudável, porque desencadeia em nós, mecanismos naturais que permitem maiores gastos de gorduras pelo organismo. Por este mesmo motivo, a inatividade física é um fator que aumenta o risco de colesterol alto.

d) Tabaco

O facto de ser fumador, também contribui juntamente com valores altos de colesterol para a acumulação de gorduras nas artérias formando placas que causam muitas vezes obstrução à passagem do sangue, a chamada aterosclerose.

e) Obesidade

Outro fator de risco, é o excesso de peso. Se o seu índice de massa corporal (IMC) estiver muito acima do que deve corresponder ao seu peso e altura, então deve tomar cuidado! É muito propício o aumento dos níveis de colesterol nestas situações.

f) Diabetes

O artigo continua após o anúncio

Pessoas que sejam diabéticas, têm mais suscetibilidade para terem níveis elevados de colesterol alto. Tenha atenção ao açúcar! Quando presente em elevadas quantidades no sangue, este também pode ser prejudicial para as artérias.

Que doenças estão associadas ao colesterol?

O colesterol alto é uma das principais causas de enfartes do miocárdio, acidentes vasculares cerebrais (AVC) e de doenças coronárias.

É de salientar que, este risco aumenta em pessoas com hipertensão arterial ou até mesmo com diabetes.

As doenças cardiovasculares (DCV) ou doenças coronárias, são a maior preocupação no que toca ao colesterol alto, visto que são a primeira causa de morte na Europa.

Portanto, reduzir os fatores de risco e ter sempre em conta um estilo de vida saudável, irá contribuir para que o seu colesterol esteja dentro dos valores normais.

Quando devem ser feitas as análises ao colesterol?

Deve ter em conta que o seu médico saberá qual será o momento ideal para intervir e ajudá-lo a realizar os testes que forem necessários.

A análise ao colesterol deve ser feita na presença dos seguintes casos:

  • doença coronária;
  • Acidente vascular cerebral (AVC);
  • idade superior a 40 anos;
  • doenças das artérias periféricas;
  • hipertensão arterial;
  • historial familiar de doença cardiovascular;
  • excesso de peso.

Como pode controlar os níveis de colesterol?

O colesterol deve ser vigiado por todos os adultos e crianças a partir dos 10 anos de idade.

O artigo continua após o anúncio

Se tem o colesterol alto, pode e deve controlar os seus níveis de gordura no sangue juntamente com o seu médico. Para isso, deve cumprir uma dieta alimentar rígida e fazer alguma medicação.

No que diz respeito à dieta alimentar, os doentes com colesterol alto devem fazer uma dieta com baixo teor de colesterol e gorduras saturadas. Para além disto, é importante que o doente não ingira demasiado sal nas suas refeições.

Se tenciona reduzir as gorduras, deve realizar uma dieta com rica em fibras solúveis (presentes na aveia e na cevada) e pobre em gorduras. Para além disto, o consumo de margarinas ricas em estanol vegetal, contribui também para a diminuição dos níveis do colesterol.

Em relação à medicação, esta pode desempenhar um papel fundamental no controlo do colesterol, visto que os medicamentos adequados ajudam a normalizar os níveis do colesterol, mas também a estabilizar lesões nas artérias e a prevenir o desenvolvimento da doença arterial.

A importância de um estilo de vida saudável

Para que os níveis do seu colesterol se mantenham normais, é essencial que tenha um estilo de vida saudável.

A prática de exercício físico, a ingestão de alimentos que contenham gorduras insaturadas, o não fumar e o combate ao sedentarismo são comportamentos que ajudam a reduzir o risco de enfartes e acidentes vasculares cerebrais (AVC).

Para que não lhe restem dúvidas, fizemos uma lista de alimentos ricos em gorduras saturadas e gorduras trans, isto é, que contribuem para o aumento do colesterol:

  • Carnes (sobretudo de animais ruminantes como o cabrito, borrego e bovino);
  • Chouriço, morcela, farinheira;
  • Laticínios;
  • Manteiga;
  • Doces de pastelaria;
  • Bolachas;
  • Molhos;
  • Produtos de fast food como pizzas, hambúrgueres, refeições pré-feitas e/ou congeladas e sopas;
  • Chocolates;
  • Snacks salgados e doces;
  • Peixes gordos.

7 alimentos que ajudam a melhorar o colesterol

1. Azeite

É rico em ácido oleico. Existem muitas evidências dos benefícios do azeite no que diz respeito ao colesterol, que deriva dos seus ácidos gordos monoinsaturados.

8 benefícios do abacate para a saúde

O seu consumo ajuda imenso a reduzir o colesterol. Porque é constituído por gorduras monoinsaturadas, estas ajudam a regular o nível de colesterol. E têm como característica aumentar a formação de HDL.

colesterol bom, e as suas fibras são ótimas a eliminar o LDL.

5. Romã

5 receitas com romã que provam como este fruto é tão variado

Pode usufruir de todos os seus benefícios em sumo que reduz a acumulação de resíduos de colesterol, aumentando a produção de ácido nítrico. Este sumo tem um duplo efeito: reduz o mau colesterol e aumenta o bom.

6. Leguminosas

Têm pectina, que reduz o colesterol total e o nível de LDL, fazendo com que seja eliminado do organismo. Para além disso, são ricas em lecitina, uma substância que emulsiona as gorduras, ajuda a descartá-las e a formar HDL, o colesterol bom.

7. Alho

19 motivos para incluir o alho nos seus pratos (e receitas incríveis)

5 sintomas do AVC

  • O ABC dos triglicerídeos
  • 4 receitas para um pequeno-almoço inteligente
  • Cenoura e colesterol: uma relação com benefícios para a saúde
  • 4 chás para o colesterol que vai querer conhecer
  • Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp