Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Marta Maia
Marta Maia
02 Out, 2020 - 14:40

5 conselhos para vender ouro usado sem ficar a perder

Marta Maia

Se está a pensar vender ouro usado, não deixe de ler estes conselhos. Saiba como se processa a venda e aprenda a retirar o maior valor das suas peças.

homem a vender ouro usado

Tem em casa jóias que não usa e acredita que valeriam um bom dinheiro? Se está a pensar desfazer-se delas para suportar uma despesa inesperada, sem ter de ir pedir ajuda ao banco, há alguns conselhos para vender ouro usado que deve ter em conta.

A venda de ouro usado foi algo a que muitos portugueses recorreram na última crise. Durante esse período, as lojas de compra e venda de ouro proliferaram um pouco por todo o país. E muito embora o ritmo tenha abrandado, é expectável que no cenário de instabilidade atual, com os números de desemprego a aumentar e a cotação do ouro a subir, estas casas ganhem um novo fôlego motivado pelo aumento da procura.

Se está a pensar vender algumas peças, lembre-se, contudo, que nem só as lojas de compra e venda de ouro podem ser consideradas. Também há muitas ourivesarias que compram este metal precioso e que podem até fazer-lhe ofertas melhores e mais justas do que as dos estabelecimentos especializados.

Para começar, faça um levantamento das peças que quer vender e dos lugares perto de si que aceitam fazer negócio. E antes de avançar para a venda, leia os conselhos que aqui lhe deixamos.

Conselhos para vender ouro usado e fazer bons negócios

1

Comece por separar os materiais que não são de ouro da peça

Quando leva uma jóia a uma loja, o comprador avalia a peça pelo peso do ouro que lá está. Apenas e só. De fora dessa conta ficam todos os outros materiais que dela façam parte, como a prata, os brilhantes, ou até as pedras preciosas.

Isto quer dizer que se levar a uma destas lojas um anel de diamantes, o avaliador vai fazer-lhe uma oferta pelo ouro do anel, mas não pelos diamantes. Esses em nada vão afetar o valor que lhe é proposto.

Ora, o melhor é sempre separar da peça os materiais que não são de ouro. Pode sempre guardá-los para depois vender à parte, nem que seja nas ourivesarias regulares. Rendam muito ou pouco, é dinheiro que não receberia se os deixasse ir juntamente com a peça.

2

Peça avaliações em várias lojas

O melhor conselho para vender ouro usado é nunca se ficar pela primeira oferta que lhe fizerem. Antes de vender, comece por pedir uma avaliação da peça em diferentes lojas. Pode surpreender-se com a diferença de valores, mesmo entre casas do mesmo grupo.

Sempre que possível, peça para a oferta ficar registada em papel, de modo a que o valor não se altere depois.

Se tiver mais do que um artigo para vender, peça para que a avaliação seja feita individualmente e tome nota das várias ofertas. Na verdade, o avaliador pode ser mais justo numas peças do que noutras e, se assim for, compensa-lhe vender algumas jóias a um comprador e as restantes a outro. O importante é fazer o melhor negócio possível, por isso interessa-lhe sempre a oferta mais alta!

homem avalia ouro usado para vender
3

Pesquise sobre a loja antes de fazer qualquer negócio

A melhor forma de saber se uma loja é de confiança é ouvindo os clientes: aquele é um negócio honesto? Praticam preços justos? Já estiveram envolvidos em algum esquema ilegal?

A internet é sempre uma boa ferramenta para encontrar informações acerca destas lojas, quer sejam físicas ou online. Vai certamente encontrar referências, comentários e avaliações de outras pessoas que, tal como no seu caso, quiseram vender ouro usado.

Não se deixe levar pela publicidade. E por muito que lhe prometam um bom negócio, desconfie sempre de ofertas demasiado boas e distantes de todas as outras.

No caso de avançar com a venda, escusado será dizer que deve ser acompanhada de toda a papelada exigida pela lei. O processo é burocrático e chato, mas garante-lhe que tudo é feito na legalidade e que não vai ter problemas com a justiça mais tarde.

4

Esteja a par da cotação (preço) do ouro

O valor de avaliação dos metais preciosos muda com muita frequência, por isso informar-se antes de se deslocar a uma loja é um ótimo conselho para vender o seu ouro usado.

Um dos critérios para avaliar o valor da peça de ouro é o peso. Daí que seja importante pesá-la numa balança eletrónica e informar-se acerca do preço do ouro por grama. Esta é a medida utilizada no nosso país e aquela que lhe interessa para ter uma ideia, ainda que aproximada, de quanto a peça pode valer, servindo de referência ao negociar com o comprador.

Também é importante que conheça a qualidade do ouro que tem, isto porque o grau de pureza é outro dos critérios na avaliação. Quanto mais puro for o ouro, maior valor terá.

Além do peso e da pureza do ouro, o estado de conservação da peça também pode influenciar a avaliação.

5

Considere as lojas de antiguidades como alternativa

É comum as jóias de família terem trabalho artístico de muito valor ou até um design específico de determinada época ou estatuto social. Antes de partir para as lojas comuns, o melhor conselho para vender ouro usado é olhar bem para as suas jóias e perceber se têm mais algum valor além do preço puro do metal em que são feitas.

Vamos dar-lhe um exemplo: um anel em ouro que tenha pertencido a uma personagem relevante da nossa História vale muito mais pelo significado cultural que tem do que propriamente pelo metal que lhe deu origem.

As jóias que vende nas lojas de ouro usado são para fundir, daí serem avaliadas tendo apenas em consideração o metal que lhes deu origem. Quando, além do ouro, as peças têm valor histórico, cultural ou outro, pode compensar-lhe mais vendê-las intactas numa loja de antiguidades do que num destes estabelecimentos. Assim, se as suas jóias já são antigas, considere visitar algumas lojas de antiguidades antes de decidir vender a um comprador de ouro.

Tão importante como seguir estes conselhos para vender ouro usado é fazer uma boa pesquisa e avaliar as suas jóias com a maior racionalidade possível. Lembre-se que o metal precioso tende a valorizar com o tempo, pelo que o que tem agora é um investimento – só deve abdicar dele quando for mesmo necessário.

Veja também