Marta Maia
Marta Maia
30 Mai, 2019 - 14:30
trabalhadores independentes

5 cuidados a ter com o crédito online

Marta Maia

Conheça os cuidados a ter com o crédito online e saiba quais os detalhes a que deve estar atento antes de assinar os papéis.

O artigo continua após o anúncio

Está a precisar de dinheiro? Se a resposta for afirmativa, certamente já pesquisou as opções de crédito disponíveis no mercado e aquelas que encontra na internet até lhe pareceram as mais atraentes. No entanto, há cuidados a ter com o crédito online e nós vamos dizer-lhe quais são.

Antes de mais, deve estar ciente de que nada é sempre tão fácil como as empresas apregoam. Os bancos, já se sabe, nunca fazem negócio para perder, e não estão minimamente interessados em emprestar-lhe dinheiro se souberem que não pode pagá-lo de volta (e com juros). Se a oferta lhe parece boa de mais, é porque é: deixe os seus sentidos todos em alerta e nunca ache que simplesmente é uma pessoa de muita sorte.

Os cuidados a ter com o crédito online

cuidados a ter com o credito online

Pedir um crédito pela internet parece muito mais fácil do que ir ao banco e preencher toda a papelada. O problema é que os créditos online têm muita informação escondida e, pior, não vêm acompanhados de um gestor que lhe explica, pessoalmente, todos os detalhes da proposta. Isto significa que tem de descobrir tudo por si, incluindo aqueles pequenos termos técnicos que fazem toda a diferença na hora de devolver o dinheiro ao banco.

Reunimos um conjunto de informações às quais deve estar atento quando for contratar um crédito online, mas fica o alerta: todo o cuidado é pouco e não deve permitir-se deixar de ler as letras pequeninas.

1. Conheça bem quem está do outro lado

Se um desconhecido o abordasse na rua para lhe oferecer dinheiro, acharia estranho? É exatamente o que acontece na internet, por isso este é o primeiro dos cuidados a ter com o crédito online. Se uma instituição o aborda para lhe oferecer um empréstimo e parece não pedir quase nada em troca, desconfie.

Antes de assinar qualquer papel e, claro, antes de pagar o que quer que seja, faça questão de conhecer bem a instituição que está do outro lado. Na realidade, nem só os bancos podem iniciar o processo de crédito online. Também as agências de consultoria financeira prometem muitas vezes interceder por si junto dos bancos e conseguir o tão desejado balão de oxigénio financeiro.

Qual é o problema? Estas instituições são meros moderadores e não decidem nada sobre a aprovação do seu crédito, o que significa que pode estar a pagar por um serviço cuja qualidade não é garantida. Tenha o cuidado de pesquisar sobre a instituição, ler comentários e avaliações de clientes, para ficar a par de todas as queixas existentes.

2. Faça mais do que uma simulação

Outro dos cuidados a ter com o crédito online diz respeito à simulação, porque ela nem sempre é aquilo que procura. Repare que o que não falta na internet são simuladores de crédito, e se usar vários vai notar que o resultado da simulação é sempre diferente. Porquê? Porque as variáveis não são sempre as mesmas.

O artigo continua após o anúncio

Há simuladores de crédito que não usam a informação toda que devem. Por exemplo, não usam o risco financeiro para calcular o spread. O que é que isto quer dizer? Que, quando faz a simulação, o sistema lhe devolve uma previsão que assenta no pressuposto de que o risco de lhe emprestar dinheiro é mínimo – mas, se durante a avaliação do seu processo o banco perceber que o risco é maior, os custos do crédito sobem todos e deixam de ser iguais ao da simulação.

3. Não pague antes de receber

Uma das queixas mais comuns dos consumidores que pediram créditos online é o pagamento de comissões antecipadas que depois nunca foram devolvidas. O esquema é sempre o mesmo: estes consumidores contratam os serviços de mediação de consultoras financeiras para elas intercederem junto dos bancos e conseguirem um empréstimo; logo no início do processo, pagam um valor razoável à consultora, a título de comissão de pré-aprovação, e depois recebem uma nega do banco e ficam sem nada: nem empréstimo, nem comissão.

Além dos habituais cuidados a ter com o crédito online há, por isso, exigências a fazer para se proteger enquanto cliente, e uma delas é a de só pagar os serviços de mediação quando o dinheiro do empréstimo cair, de facto, na sua conta.

4. Partilhe documentos só com quem deve

Os documentos e as informações envolvidas num pedido de crédito são pessoais e confidenciais. Para analisarem o seu pedido de crédito e avançarem com uma oferta, as instituições bancárias vão querer saber tudo sobre a sua vida: quanto ganha, quanto gasta, quanto deve. Estas informações não devem ser partilhadas com ninguém a não ser a instituição bancária que vai emprestar-lhe dinheiro.

Inclua, por isso, a privacidade na lista de cuidados a ter com o crédito online. Envie os documentos e a informação sensível apenas e diretamente para a instituição que vai tratar do processo, e evite partilhá-los com a instituição mediadora, que pode usá-los para outros fins que não aqueles a que se destinam.

5. Analise todas as taxas e comissões

Também faz parte dos cuidados a ter com o crédito online a análise de todos os números pequeninos do contrato. É verdade que os processos online são mais baratos, em parte, porque não recorrem a balcões físicos, mas é igualmente verdade que, muitas vezes, as simulações parecem baixas porque não incluem alguns valores adicionais. Parta sempre do princípio que o valor que está no contrato não vai ser igual ao da simulação e deve ser lido com cuidado.

Contratar um crédito online não tem de ser algo assustador, mas também não pode ser feito de ânimo leve nem com uma confiança cega. Adote o máximo de cuidados e proteja-se.

Veja também:

O artigo continua após o anúncio
Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp