Assunção Duarte
Assunção Duarte
14 Out, 2019 - 15:42
Cão já envelhecido

Dicas para cuidar de animais quando envelhecem

Assunção Duarte

Adoptou um cão ou um gato idoso? O seu patudo preferido está a entrar na idade dourada? Saiba como cuidar dos animais quando envelhecem.

O artigo continua após o anúncio

Cuidar de animais quando envelhecem exige atenção e carinho redobrados, um desafio e trabalho extra para os seus donos, mas que traz largas compensações como o confirmam veterinários e especialistas que trabalham e vivem com cães e gatos.

Estes profissionais têm vindo a identificar pequenos ajustes que é possível fazer na rotina e no ambiente onde vide o seu animal de estimação para que as dificuldades causadas pelo seu envelhecimento possam ser, senão ultrapassadas, pelo menos reduzidas.

A própria ciência tem vindo a criar novas medicações e terapias que, tal como acontece com os humanos, ajudam a prolongar o tempo de vida do seu animal de estimação.

Mas, apesar de tudo o que possa fazer por um pet idoso, tenha sempre em consideração que dar-lhe mais tempo de vida, tal como acontece com os humanos, pode não significar dar-lhe melhor tempo de vida.

Uma vez que no nosso país a eutanásia não é tabu no que diz respeito aos animais de estimação, avalie com coragem e com a ajuda do seu veterinário o que é melhor para um cão ou gato que se encontre em sofrimento intenso, mesmo que essa seja a decisão mais difícil que terá de tomar na sua vida.

No entretanto, veja o que pode fazer para adiar e afastar o mais possível essa situação.

Cuidar de animais quando envelhecem: cuidados de saúde a ter

Cão a fazer companhia a idosa

As doenças da idade

Artrite, especialmente nas articulações dos joelhos e das ancas, incontinência urinária, perda de dentes ou doenças da boca, doenças cardíacas, diabetes, cancro e até demência, são as doenças mais comuns nos animais quando envelhecem.

Como o seu pet não se pode queixar, convém que tenha particular atenção se detetar qualquer inchaço ou nódulo no seu corpo e qualquer alteração, sem motivo aparente, na quantidades de comida ou água que ingere, na sua atividade física e na frequência com que vai ou pede para fazer necessidades.

O artigo continua após o anúncio

Tudo isso é importante para comunicar ao seu veterinário habitual uma vez que, detetadas cedo, muitas destas doenças podem ser tratadas ou atrasadas na sua progressão.

Apesar da idade trazer algumas mudanças naturais ao seu animal de estimação, como a perda de energia ou apetite, deverá manter-se em alerta e, a haver dúvidas, deve sempre comunicá-las ao seu veterinário.

Estas visitas devem ser feitas com maior frequência, pelo menos duas vezes por ano, o que quer dizer que as despesas a destinar a um cão ou gato idoso irão pesar um pouco mais no seu orçamento, pelo que deverá reservar algumas economias para se prevenir.

Terapias para cães e gatos

Se o seu animal de estimação desenvolver alguma doença física associada à idade, saiba que existem inúmeras medicações e terapias para a tratar e lhe aliviar os sintomas. Nunca dê medicamentos de humanos a animais por iniciativa própria, mesmo que os sintomas que o seu cão ao gato lhe apresentem sejam muito parecidos com os que está a sentir ou sofre alguém da sua família.

Consulte sempre o seu veterinário para saber qual é a solução mais indicada para o seu animal já que existe medicação própria para eles.

Nas últimas décadas a evolução foi grande nesta área e até a fisioterapia com ultra sons ou água já está a ser regularmente aplicada, tal como também aconteceu nas terapias alternativas com a acupunctura. É tudo uma questão de adequar o tratamento à doença e à bolsa dos donos. Saiba quais as despesas que pode deduzir em sede de IRS aqui.

Pasta de dentes para cães: conheça as 3 melhores
Não perca Pasta de dentes para cães: conheça as 3 melhores

Já no foro das doenças mentais as coisas tornam-se mais difíceis nos animais quando envelhecem. A senilidade de um cão ou de um gato poderá apresentar sintomas semelhantes aos dos doentes humanos de Alzheimer.

Os animais podem ficar ansiosos, ter insónias, vocalizar constantemente, andar sem destino pela casa, comer coisas que nunca comeram e podem não reconhecer o seu dono.

O artigo continua após o anúncio

Esses sintomas podem estar presentes nos dias piores e alternar com alturas em que o seu cão ou gato estará perfeitamente normal. Não desespere porque apesar de tudo já foram desenvolvidas algumas medicações e alimentações especiais para combater estes problemas e ajudá-lo a minimizar o seu impacto.

Neste caso também funciona muito bem o trabalhar o cérebro do seu animal utilizando brinquedos ocos que possa encher de comida especial ou de algo que ele goste para ativar os seus processo mentais. Procure ajuda antes de pensar que está tudo acabado e que terá de se despedir do seu melhor amigo felpudo.

Cuidar de animais quando envelhecem: alterações no ambiente

gatos envelhecem

Existem sinais naturais de velhice no seu animal que só por si não o devem preocupar, mas que podem exigir algumas alterações importantes na sua casa ou jardim para adaptar o ambiente onde ele vive.

Os cabelos grisalhos ao redor do focinho e olhos são os primeiros sinais da idade avançada tal como menos energia e menor exigência calóricas para se alimentar. Saiba que deve exigir menos da sua atividade física normal, para não o cansar, e que as quantidades de comida devem reduzir para que ele não fique obeso.

Alimentação e dentes

Tenha atenção também ao estado da sua boca. Se lhe faltarem dentes deve adaptar o tipo de comida a essa falta. A acumulação de tártaro pode ser problemática, especialmente nos gatos e é um motivo comum para os estes perderem dentes. Se lhe notar mau hálito e dentes muito amarelos saiba que é altura certa para ir ao veterinário.

Patas e articulações

Os calos nos cotovelos, as unhas quebradiças e as almofadas de pata espessadas também são naturais da velhice e se a sua casa ou ambiente onde ele vive tiver um chão muito liso e escorregadio isso pode ser um problema para o seu pet se equilibrar, fazendo-o cair ou escorregar, provocando lesões.

Convém cobrir o chão com material não derrapante para que ele se sinta seguro a circular e para que não force as suas articulações.

Para as arterites e para a rigidez das ancas lembre-se que em escadas ou acessos a locais altos onde eles gostem de estar, isto é particularmente importante para os gatos, deve criar rampas ou colocar degraus para os ajudar a subir e a descer evitando os saltos e o seu impacto. Saiba que já existem camas ortopédicas para o seu pet dormir e que podem melhorar muito o seu bem estar durante a noite.

O artigo continua após o anúncio

Perda de urina

As incontinências urinárias podem acontecer, com maior ou menor frequência e com maior ou menor intensidade nos animais quando envelhecem. O seu veterinário poderá dar-lhe um diagnóstico certo para saber se é mesmo uma doença ou condição de velhice.

Seja como for pense em retirar tapetes e carpetes, que se tornam difíceis de lavar, e em cobrir as áreas onde ele vive com materiais antiderrapantes que sejam facilmente laváveis e que não absorvam manchas ou odores.

Um exemplo dado por alguns veterinários são as esteiras de ioga mais baratas que facilmente podem ser lavadas ou substituídas. Lembre-se que se o caso não for muito grave e se o seu pet poder sozinho ter acesso ao wc ou ao exterior, deve manter-lhe esse acesso aberto, mesmo durante a noite, para que ele se possa aliviar com maior frequência.

pets velhos

Mudanças de temperatura e som

Com a idade o seu cão ou gato vai ter mais dificuldade em regular a temperatura interna. Como ambos têm temperaturas corporais um pouco mais altas do que as nossas, dê-lhe mantas extra se lá fora estiver frio e arranje-lhe uma área banhada pelo sol para poder dormir durante o dia.

Para o passear no exterior utilize capas para que possam fazer face confortavelmente às mudanças bruscas de temperatura que o colocariam em risco de apanhar mais doenças.

Os animais quando envelhecem também têm uma maior sensibilidade ao som que pode ser uma fonte de stress.

Se viver em local ruidoso e não puder alterar essa situação, recorra a uma máquina de ruídos brancos que serve para disfarçar ou abafar outros sons do ambiente ou coloque música de fundo para anular as frequências de sons mais altos. Alterne isso com idas a locais mais silenciosos e com ruidos da natureza calmantes.

Problemas mentais

Os cães são animais de hábitos, o que quer dizer que manter a sua rotina vai ajudar a minimizar qualquer estado de ansiedade. O mesmo acontece com o gatos, especialmente na ansiedade causada pela confusão ou desorientação com o espaço onde vivem e que consideram ser o seu território.

Mantenha a ordem no seu ambiente, não mudando móveis de sítio nem os seus objetos como camas e caixas de wc, e respeite as rotinas diárias de alimentação, passeio, brincadeira e sono.

Colocar luzes noturnas suaves para os animais que estão com problemas mentais e problemas de visão também vai ajudar a reduzir essa confusão.

Se ele andar muito pela casa, limite-lhe o espaço de forma confortável para que não se magoe. E, o mais importante, nunca se esqueça de terminar o dia com exercícios e brincadeiras que o estimulem saudavelmente e que para si também serão um momento de relaxamento e antistress. Os animais quando envelhecem continuam a precisar de movimento.

Veja também
Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp