Teresa Campos
Teresa Campos
27 Nov, 2020 - 14:10

Doenças dos olhos: consulte o guia completo de A a Z

Teresa Campos

Descubra quais as doenças dos olhos mais frequentes e conheça as suas causas, sintomas e tratamentos. Fique a saber mais sobre a sua saúde ocular.

Doenças dos olhos

Há várias doenças dos olhos que podem afetar a nossa acuidade visual e a qualidade da nossa vida diária. Felizmente, há tratamento para muitas delas, embora seja essencial obter um diagnóstico e tratamento precoces, de modo a evitar complicações de maior, como a cegueira.

Para que fique mais alerta e informado sobre este tema, consulte o nosso guia sobre doenças dos olhos e esclareça todas as suas dúvidas.

Doenças dos olhos: fique a conhecer as mais comuns

Alergia ocular

Este problema afeta 20% da população e tem origem numa resposta exacerbada do nosso sistema imunológico a uma substância que identifica como alérgeno, por exemplo: pólen, fungos, pêlos dos animais, ácaros, alimentos, entre outros. Como consequência, há uma inflamação dos olhos. A conjuntivite alérgica é uma das suas manifestações mais comuns.

Para atenuar os sintomas, pode fazer um tratamento tópico, com gotas oculares e pomadas oftálmicas antialérgicas, descongestionantes e lágrimas artificiais ou recorrer a uma terapêutica sistémica, em casos mais graves.

Para prevenir este tipo de doenças dos olhos, deve melhorar as condições ambientais e identificar e evitar o alérgeno.

Ambliopia

A ambliopia refere-se à redução da acuidade visual, a qual pode ser uni ou bilateral. Este problema afeta 3% das crianças e pode estar associado a um desenvolvimento deficiente da visão binocular e à presença de um erro refrativo não corrigido. A anisometropia, a aniseiconia e o estrabismo são outros problemas oculares que podem estar na origem da ambliopia.

O tratamento envolve correção com óculos, penalizações, ortóptica e cirurgia. Para prevenir esta complicação, é importante um acompanhamento oftamológico precoce, desde a infância.

Astigmatismo

O astigmatismo carateriza-se por uma alteração nos eixos da curvatura da córnea, isto é, há uma curvatura desigual da córnea. Assim, os objetos são focados em dois pontos diferentes da retina, provocando uma visão desfocada e distorcida. Este problema está presente em 20% dos míopes e dos hipermetropes.

Este problema pode ter origem numa herança genética ou num trauma ocular. O tratamento passa pelo uso de óculos com lentes cilíndricas, lentes de contato ou cirurgia refrativa.

Blefarite

Este problema relativamente comum corresponde a uma inflamação das pálpebras, que pode ser crónica e cíclica. É mais frequente em indivíduos com pele seborreica, oleosa e com caspa.

Na sua origem, podem estar doenças infeciosas e não infeciosas, uma vez que a blefarite pode ser provocada por bactérias, vírus e parasitas ou por seborreia, alergias e substâncias tóxicas.

Nestas situações, é essencial adotar medidas de higienização, como limpeza do bordo palpebral, calor local, massagem suave da base das pestanas e pomada com antibiótico e lágrimas artificiais.

Catarata

A catarata é diagnosticada quando existe uma opacidade total ou parcial do cristalino, provocando uma diminuição da acuidade visual, uma visão desfocada ou turva e um desvanecimento das cores. Esta doença afeta mais de 60% das pessoas com mais de 85 anos.

Na origem deste problema, pode estar o envelhecimento ou causas congénitas, hereditárias, metabólicas, tóxicas, traumáticas, crónicas ou sistémicas. Para tratar esta complicação, é necessário fazer a remoção cirúrgica do cristalino e a sua substituição por uma lente intraocular.

Ceratocone

Normalmente, esta é um tipo de doenças dos olhos hereditário, que provoca a deformação da parte central da córnea. Este é um problema que também pode surgir em pessoas alérgicas e que sofrem de bastante prurido ocular. Trata-se de uma complicação mais comum em adolescentes e jovens.

Algumas das consequências deste problema são: perda de capacidade de foco, diminuição da visão noturna, elevada sensibilidade à luz, aumento do astigmatismo num olho, entre outras.

Este problema pode ser tratado através do uso de óculos e lentes de contacto, sendo necessário, em alguns casos, recorrer à cirurgia. O acompanhamento por parte de um médico é fundamental, para evitar complicações mais graves, como a perda total da visão.

homem com conjuntivite no olho

Conjuntivite

Trata-se da inflamação da conjuntiva, designação da membrana transparente que cobre o globo ocular e a parte interna da pálpebra. A conjuntivite é, normalmente, aguda, mas também pode ser crónica. Os seus principais sintomas são: lacrimejo, comichão, ardor e sensação de corpo estranho, com ou sem secreção mucopurulenta.

Normalmente, afeta os dois olhos e, no caso de se tratar de uma infeção viral, existe a possibilidade de contágio, através do contacto direto com o doente. Na sua origem, podem estar bactérias, vírus, fungos e parasitas ou causas alérgicas, mecânicas, iatrogénicas, ocupacionais, entre outras.

As conjuntivites podem desaparecer naturalmente, podendo aplicar-se soro fisiológico gelado e compressas sobre as pálpebras, limpar os olhos com frequência e usar colírios lubrificantes e lágrimas artificiais para aliviar o desconforto dos sintomas. Em alguns casos, pode ainda ser necessário o recurso a pomadas oftálmicas antibióticas e/ou anti-inflamatórias.    

Daltonismo

Normalmente, o daltonismo é uma doença hereditária, que se carateriza pela dificuldade em distinguir cores ou mesmo por uma visão acromática, isto é, a branco e preto. Esta é uma das doenças dos olhos mais recorrente nos homens, atingindo cerca de 5% da população mundial.

Degeneração macular relacionada com a idade (DMRI)

A degeneração macular relacionada com a idade afeta, sobretudo, pessoas com mais de 60 anos de idade. Ela carateriza-se pela degeneração da área central da retina, provocando problemas na visão central. O uso de óculos e um acompanhamento nutricional podem ajudar a travar o avanço da doença.

Descolamento da retina

A retina é uma membrana que se encontra dentro do olho e que pode sofrer um descolamento, por via de um trauma, infeção, doença ou velhice. Se este tipo de doenças dos olhos não for tratado atempadamente pode resultar em cegueira.

Os principais sintomas desta complicação são visão turva, com pontos e manchas escuras, ou fotopsias (flashes de luz repentinos). O tratamento é, geralmente, cirúrgico.

Estrabismo

Falamos de estrabismo quando existe um desvio ocular por perda da correspondência retiniana normal de um dos olhos, ou seja, quando há uma perda do alinhamento ou um desalinhamento ocular. Os olhos podem estar desviados para dentro, para fora, para cima ou para baixo. Este desvio pode ser permanente ou intermitente.

Um diagnóstico precoce, ainda na infância, permite evitar complicações como a visão binocular, a ambliopia estrábica ou mesmo a diminuição da visão de um dos olhos. As suas causas podem ser congénitas ou adquiridas (uma doença ou traumatismo, por exemplo) e o seu tratamento pode ser clínico, ótico ou cirúrgico.

jovem mulher com estrabismo

Glaucoma

Esta doença carateriza-se por um aumento da tensão ocular, a qual provoca uma diminuição da visão ou mesmo cegueira. Existem diversos tipos de glaucoma, sendo o mais comum o glaucoma de ângulo aberto.

Na origem desta doença dos olhos, está o facto do humor aquoso, líquido transparente que circula de dentro para fora do globo ocular, não conseguir sair do globo ocular, causando o aumento da já referida tensão ocular.

O facto desta doença dar sintomas já muito tardiamente faz com que ela possa ter consequências bastante graves e irreversíveis na saúde ocular das pessoas com este género de doenças dos olhos.

Hipermetropia

Este é um tipo de ametropia com origem num globo ocular que tem um comprimento axial curto e em que a imagem visual formada é projetada por de trás da retina. A hipermetropia é um problema que afeta 35% dos indivíduos com menos de 60 anos de idade.

Trata-se de um defeito refrativo que se caracteriza pela dificuldade de visão ao perto. Muitas vezes, ele provoca fadiga ocular e dores de cabeça. Geralmente, esta é uma doença com origem congénita e corrigível com óculos com lentes positivas, lentes de contacto ou cirurgia laser.

Miopia

Este defeito refrativo é um tipo de doenças dos olhos que prejudica a visão à distância. Neste género de ametropia, o globo ocular tem um comprimento axial longo e a imagem visual não é focada diretamente na retina, mas à frente da mesma.

A miopia atinge 20% da população e pode ser classificada como: simples, média ou patológica. Esta doença pode estar associada a outras complicações, como glaucoma, descolamento de retina, entre outras.

Na sua origem, podem estar causas hereditárias, assim como um uso abusivo da visão central. Este erro refrativo pode ser corrigido com óculos com lentes negativas, lentes de contacto ou cirurgia a laser.

Olho seco

Estamos perante um olho seco quando é produzido pouco fluido lacrimal ou quando há uma alteração da composição do filme lacrimal.

Algumas das causas possíveis para este problema podem ser: uso de lentes de contato; exposição a ambientes com ar condicionado; vento; permanência em altitudes elevadas; uso de cosméticos; fumo de tabaco; poluição do ar, entre outras.

Também há fármacos que diminuem a lubrificação ocular, como é o caso dos anti-histamínicos, antidepressivos, diuréticos, anestésicos, anticolinérgicos e beta–bloqueantes. Em algumas situações, este problema pode também estar relacionado com o envelhecimento.

Para prevenir a própria lesão da córnea, é recomendável aplicar colírios específicos (lágrimas artificiais) e, em situações mais severas,  recorrer à oclusão da drenagem da lágrima, para que as lágrimas fiquem em contacto com o olho por mais tempo.

mulher a pôr gotas nos olhos

Presbiopia

Diz respeito à dificuldade de visão ou à sensação de vista cansada que, geralmente, é descrita a partir dos  45 anos de idade. Este tipo de doenças dos olhos está associada ao envelhecimento e à consequente perda de elasticidade do cristalino.

óculos ou lentes de contacto
Veja também Óculos ou lentes de contacto: qual a melhor opção?

Pterígio

Este problema traduz-se num espessamento excessivo da conjuntiva, membrana que reveste os olhos. Esse espessamento vai da extremidade do olho à córnea. Se este espessamento cobrir toda a pupila, pode provocar cegueira.

Uma das formas de prevenir este problema é proteger os olhos dos raios ultravioletas, usando óculos de sol apropriados. O tratamento desta doença é cirúrgico.

Retinopatia diabética

Os níveis elevados de açúcar no sangue associados à diabetes podem afetar seriamente a visão e a saúde ocular. A retinopatia diabética é uma dessas consequências possíveis, a qual pode estar na origem de casos de cegueira.

Ete tipo de doenças dos olhos vai alterar os pequenos vasos sanguíneos da retina no interior do olho, permitindo a saída de líquido e de sangue para a retina, o que prejudica a visão. Assim, os diabéticos devem fazer frequentemente um exame médico ocular, de maneira a detetar-se a presença ou não de alterações causadas pela retinopatia diabética.

O tratamento deste problema pode ser feito com raios laser. Para prevenir esta complicação, é importante controlar a diabetes, ter um estilo de vida saudável e fazer todos os exames médicos de rotina recomendados.

Terçolho ou hordéolo

Corresponde à infeção, interna ou externa, de uma pequena glândula da pálpebra. Habitualmente, é visível um pequeno nódulo palpável, doloroso e avermelhado, localizado no bordo da pálpebra ou na sua espessura. O terçolho é muito comum, sobretudo em pacientes com blefarite crónica.

Geralmente, na sua origem, está uma infeção bacteriana. Os treçolhos podem drenar espontaneamente em dias ou necessitarem de avaliação e de acompanhamento médicos. Nestes casos, podem aplicar-se compressas quentes durante o dia e pomada com antibiótico ou, em casos mais severos, recorrer à cirurgia.

Mulher com terçolho

Uveíte

Chama-se úvea à parte do olho composta pela íris, corpo ciliar e coroide. Logo, fala-se em uveíte quando existe uma inflamação total ou parcial da úvea. Em situações mais raras, esta inflamação pode afetar a retina e o nervo ótico.

Na origem deste género de doenças dos olhos, podem estar infeções por vírus, bactérias ou fungos ou doenças como toxoplasmose, herpes simples, citomegalovírus, tuberculose e sífilis. Os seus sintomas mais comuns são vermelhidão ocular, dor, fotofobia, visão turva e com pequenos pontos pretos.

Veja também