Valdemar Jorge
Valdemar Jorge
26 Set, 2023 - 11:33

Ducati: a arte italiana sobre duas rodas

Valdemar Jorge

A Ducati é conhecida por fabricar motos consideradas obras de arte sobre duas rodas. Conheça a sua história e modelos icónicos.

Mota Ducati

No ano em que comemora o 97.º aniversário de fundação visitamos a história da empresa Società Scientifica Radiobrevetti Ducati, fundada, em 1926, em Bolonha,  pelos três irmãos Ducati, Bruno, Adriano e Marcello.

A verdade é que a empresa, com sede em Borgo Panigale, Bolonha (Itália) – atualmente propriedade do fabricante alemão de automóveis Audi, através da subsidiária italiana Lamborghini, que por sua vez é propriedade do Grupo Volkswagen –, quando surgiu nada tinha a ver com a produção de motos. Dedicava-se a produzir componentes elétricos e de rádio, condensadores e tubos de vácuo.

Durante a Segunda Guerra Mundial o governo italiano assumiu o controlo da estrutura fabril e estimulou a Ducati a construir motociclos, o que não aconteceu no imediato.

Em 1935, a empresa, que era bem sucedida na produção que então abraçara, edifica nova estrutura fabril na área de Borgo Panigale, na cidade de Bolonha. E, apesar de ser um alvo repetido de bombardeamentos, a fábrica da Ducati nunca deixou de laborar.

Ducati Cucciolo: o modelo que tudo mudou

Após a guerra, a Ducati dá finalmente início à construção de outros produtos, e com o incentivo do governo, concentrou-se na produção de uma bicicleta motorizada.

Tratou-se da Cucciolo equipada com motor de 4 tempos para bicicletas motorizadas, concebido durante e logo após a Segunda Guerra Mundial por um advogado de Turim, Aldo Farinelli, e desenvolvido com um engenheiro autodidata, Aldo Leoni1.

O motor de um único cilindro, acionado por vareta, tinha uma capacidade de 48 cc. Pesava cerca de 44 kg e podia atingir uma velocidade máxima de 64 km/h. A Cucciolo foi produzida entre 1946 e 1958. Inicialmente, o motor foi vendido separadamente e instalado em bicicletas por empresários.

Mais tarde, a marca italiana começou a produzir as suas próprias motocicletas completas baseadas no motor Cucciolo, como o modelo 48, que foi produzido até 1954. A produção do motor Cucciolo foi gradualmente substituída pela linha de modelos 98, que começou em 1952.

De referir que em 1950 foram produzidas 200.000 Cucciolo da primeira geração, se assim podemos chamar, número que acabou por impulsionar a decisão da marca em produzir a sua própria motocicleta completa, que tinha o mesmo nome, e que foi pioneira da aventura da marca na produção de motos.

Design e performance

Ao longo da sua história de 97 anos contam-se inúmeros momentos de sucesso que marcaram a vida da empresa italiana. Durante quase um século a Ducati tem sido sinónimo de inovação, desempenho e, claro, de paixão. Em resumo recordamos alguns desses momentos:

  • 1946: Produz a primeira motocicleta, a Cucciolo, que apresentava um motor de 48 cc;
  • 1972: A marca italiana lança a lendária 750 Imola Desmo, que conquistou a vitória nas 200 milhas de Imola;
  • 1986: Introdução da icónica Ducati 750 F1, que ganhou o estatuto de símbolo do renascimento da marca.
  • 1994: Lançamento da 916. Moto que estabeleceu novos padrões de design e desempenho.
  • 2007: Ano da apresentação da 1098 (também conhecida pela dez-nove-oito). Trata-se de uma moto desportiva que combina estilo elegante com avançada tecnologia. Foi produzida entre 2007 e 2009 em três versões: 1098, 1098S e 1098R.
  • 2011: Lançamento da Ducati Diavel. Musculada e desportiva esta é uma moto poderosa que desafiou as convenções de design instituídas no setor das 2 rodas. A Diavel V4 é única e inconfundível. O motor V4 Granturismo é o responsável pelas altas prestações, tão do agrado dos fãs da marca.
  • 2020: A marca revela a Superleggera V4, uma moto de edição limitada com tecnologia de ponta e desempenho excecional.
Yamaha DT 50 vermelha
Veja também Yamaha DT 50: a cinquentinha que marcou toda uma geração

Os modelos mais populares e icónicos da Ducati

Os modelos mais populares da Ducati têm cada um as suas próprias características e, paralelamente, atraem diferentes tipos de motociclistas devido à sua versatilidade. Vejamos alguns dos modelos mais queridos pelos fãs da marca italiana e respetivas características ‘biográficas’:

  • Ducati Panigale V4 – Esta é a moto de consumo mais rápida e avançada da linha Ducati. Desenvolvida para corridas WSBK (World Superbike), a V4R é uma moto de corrida homologada para conduzir em estrada. Está equipada com motor V-4 de 998 cc.
  • Ducati Diavel – Este modelo é conhecido pelo design agressivo e desempenho impressionante.
  • Ducati Streetfighter V4 – Esta moto é conhecida pela sua potência e agilidade excepcionais.
  • Ducati Multistrada 1200 – Moto de turismo de aventura. Tem como principais características a versatilidade e conforto de condução.
  • Ducati Scrambler – Modelo amado pelo estilo retro e capacidade off-road.
  • Ducati 900cc Supersport Twin – Modelo de design clássico que revolucionou o mundo ao introduzir no motor as câmaras de engrenagem de eixo de torre.
  • Ducati 999 – Este modelo é conhecido pelo design único e performance de corrida.
  • Ducati Desmosedici RR – É um dos modelos mais exclusivos da Ducati. Está equipada com motor de 989cm³, quatro cilindros em V, inclinados em 90 graus, que rende 200 cv às 13.800 rpm. O modelo também usa materiais nobres na sua construção. Moto de alta performance, lançada em 2007, é a versão de rua da moto de corrida Desmosedici GP6, usada pela equipa da Ducati, no Campeonato do Mundo de MotoGP, em 2006. Produzida em número limitado de unidades.
  • Ducati 916 SBK – Modelo famoso pelo icónico design e desempenho de corrida.
  • Ducati Hypermotard 1100 – Moto conhecida pela agilidade e desempenho em estradas sinuosas.
  • Ducati 851 – É a primeira Ducati a apresentar refrigeração líquida e quatro válvulas por cilindro.

Novos tempos: Ducati e a mobilidade elétrica

A mudança de paradigma que se instalou no setor automóvel é transversal ao setor das duas rodas. O campeonato de MotoE é uma realidade desde 2018, quando a Dorna e a Federação Internacional de Motociclismo (FIM) mostraram interesse na realização de corridas “limpas” no Mundial de Velocidade.

Neste contexto, a Ducati está a caminhar em direção à mobilidade elétrica, uma vez que a partir da temporada deste ano de MotoE, a marca italiana será a única fornecedora oficial de motos que competem no Campeonato do Mundo FIM Enel MotoE, a classe elétrica do Campeonato Mundial de MotoGP.

A primeira Ducati de corrida equipada com um sistema totalmente elétrico chama-se V21L. No entanto, até ao momento,  não está a produzir motos elétricas para o público em geral.

Entretanto, comercializa várias bicicletas elétricas em parceria com outras empresas. É o caso da gama “Ducati Powered by Thok”, uma linha de bicicletas fabricadas sob licença pela KP Srl e que podem ser encomendadas através da rede de concessionários Ducati na Europa, ou online no site Ducati E-Bikes.

Ducati de competição
A Ducati é uma marca incontornável no desporto motorizado

Desporto e no MotoGP

A Ducati, além de construir verdadeiros objetos de arte sobre rodas, tem uma longa história no desporto motorizado. Esta começou com recordes de velocidade em bicicletas motorizadas Cucciolo em 1951, a que se seguiu, em 1954, a contratação de Fabio Taglioni para implementar um programa de corridas de estrada.

A marca italiana está desde 2003 envolvida no MotoGP e, ganhou  o título mundial pela primeira vez, com o australiano Casey Stoner, em 2007. Em 2022, o italiano Francesco Bagnaia garantiu o título mundial na Desmosedici GP da Ducati Lenovo Team.

No Campeonato de MotoGP, a equipa oficial da Ducati chama-se Ducati Lenovo Team e os pilotos oficiais para a temporada de 2023 são Francesco Bagnaia e Enea Bastianini. Michele Pirro é o piloto de testes.

Os principais elementos da equipa técnica da Ducati no MotoGP são: Luigi Dall’Igna, gerente geral da Ducati Corse, Paolo Ciabatti, diretor desportivo da Ducati Corse, Davide Barana, diretor técnico da Ducati Corse, e Davide Tardozzi, gerente de equipa.

Além disso, a equipa VR46 do lendário Valentino Rossi, que também corre no MotoGP, com motos Ducati, assinou um contrato de três anos com o objetivo de figurar como uma das equipas satélite da marca italiana.

Veja também

Artigos Relacionados