Catarina Reis
Catarina Reis
06 Set, 2018 - 10:30
duas jovens a trabalhar num computador

Estágio não remunerado: sim ou não?

Catarina Reis

Aceitar ou não uma proposta de estágio não remunerado, eis a eterna questão para muitas pessoas que pretendem ingressar no mundo do trabalho.

O artigo continua após o anúncio

Aceitar um estágio não remunerado não é necessariamente sinónimo de emprego garantido no final do mesmo. Então, quais as vantagens?

Estágio não remunerado: vantagens e desvantagens

São diversos os fatores que levam as empresas e os candidatos a considerar um estágio não remunerado como uma opção e oportunidade.

Se pensarmos nas necessidades da empresa no momento ou a própria conjuntura do mercado laboral na área profissional em que se situa o estágio, compreendemos o porquê de ser uma hipótese viável para alguns.

Para além disso, tudo depende também das intenções do empregador e do estagiário no que ao futuro diz respeito. Neste sentido, o mais importante é que os objetivos de cada parte sejam bem claros e transmitidos de forma clara e transparente.

orientadora a ajudar jovem

Apesar de as razões para se fazer um estágio não remunerado poderem ser várias, existem alguns aspetos transversais que todos pensam quando o tema é fazer ou não um estágio destes.

Porta de entrada para o mercado

Apesar de não existir uma compensação financeira do trabalho exercido, o estágio não remunerado é encarado por muitas pessoas como uma possível porta de entrada para uma carreira.

Se não for realmente o início de um novo emprego, fica sempre a experiência, há competências a ganhar, e um novo item a colocar no currículo. Sabe-se que a experiência é crucial no mercado de trabalho e muitos encaram o estágio como um período dedicado a adquirir mecanismos, ferramentas e à vontade na área profissional.

Aqui, um dos problemas que pode surgir está relacionado com as expectativas que se criaram, muitas vezes junto do trabalhador e que depois se revelam falsas.

O artigo continua após o anúncio

Devemos ou não aceitar um estágio não remunerado?

Esta é uma decisão que cabe apenas ao candidato. Mas recomendamos que seja seletivo! Quando se acaba os estudos e se pretende iniciar uma carreira profissional, é normal que surjam inúmeras solicitações para oportunidades de estágios, grande parte sem remuneração, muitos deles por própria intervenção das entidades de ensino. A avidez por iniciar rapidamente uma carreira profissional é muito alta, mas isso não deverá tolher a sua capacidade de escolha.

Analise cuidadosamente todas as oportunidades, uma a uma, antes de tomar uma decisão.

Outros pontos positivos

Um estágio não remunerado proporcionará um primeiro contacto direto e diário com outros profissionais da área, e assim, o estagiário pode ganhar ou aperfeiçoar as suas competências.

Para além disso, esta é também uma boa oportunidade para criar ou alargar a rede de networking profissional. Ao fazer um estágio, ainda que não remunerado, pode desde logo deixar a sua marca na empresa e concretizar algum projeto do interesse de ambos, o que constitui uma mais valia curricular.

O que diz a lei?

Segundo o que diz a lei, um estágio não remunerado não deverá ter duração superior a três meses. Logo, se lhe for oferecido um estágio não remunerado com uma duração diferente, é caso para ficar de pé atrás e considerar se os fatores acima referidos compensam a permanência prolongada numa empresa a custo zero.

Esta duração curta explica-se porque o objetivo de um estágio desta natureza é ser uma experiência prática em ambiente real de trabalho e não mais do que isso. No entanto, nem sempre é visto desta forma.

Sob o argumento de que um estágio é um período de adaptação à empresa, muitas justificam trocas sucessivas de estagiários, aproveitando-se assim de mão de obra gratuita. O “saltitar” de estágio em estágio não é uma estratégia eficaz no sentido de obter um emprego, pois irá fazê-lo perder mais tempo, sem se conseguir afirmar profissionalmente.

Do estágio para o emprego

Ingressar num emprego via estágio é um sonho para muitos jovens recém-licenciados, mas a realidade mostra que em apenas poucos casos isso se verifica. O mais aconselhável é, em primeiro lugar, escolher um estágio que realmente quer fazer e não aceitar o primeiro que lhe aparecer. Depois, deverá fazer com que o estágio não remunerado seja usado em seu favor, tirando o máximo partido, aproveitando para criar uma boa imagem profissional, aplicando-se de maneira a que o seu contributo seja valioso.

O artigo continua após o anúncio

Por último, não deixe de procurar estágios remunerados, através de organismos como o Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), ou pessoalmente, através da rede de contactos que possivelmente já criou durante o seu primeiro estágio.

Esta pesquisa de oportunidades deve ser iniciada enquanto dura o estágio não remunerado, para que, no término do mesmo, já tenha outras oportunidades em vista.

Veja também