Ana Graça
Ana Graça
14 Mar, 2018 - 15:28
4 exames ao estômago que vale a pena conhecer melhor

4 exames ao estômago que vale a pena conhecer melhor

Ana Graça

Sente dor abdominal? Náuseas e vómitos frequentes? Se sim, deve procurar ajuda médica. Exames ao estômago podem-lhe ser recomendados, conheça-os.

O artigo continua após o anúncio

São várias as doenças que podem afetar o estômago. Sendo este um órgão importante do sistema digestivo importa cuidá-lo da melhor forma possível. Para tal, para além de manter hábitos de vida saudáveis, importa conhecer alguns exames ao estômago que poderão ser prescritos pelo seu médico em caso de suspeita da presença de alguma destas doenças.

O estômago

Este órgão situa-se na parte alta do abdómen e integra o sistema digestivo. É no estômago que os alimentos se misturam com as secreções gástricas, formando o quimo. No estômago ocorre alguma digestão e absorção, mas a sua principal função passa pelo armazenamento e mistura do quimo.

Em suma, o estômago recebe os alimentos do esófago e transfere-os parcialmente digeridos para o intestino delgado e posteriormente para o cólon. Quando os alimentos entram no estômago, os músculos da sua parede movimentam-se de forma a esmagar os alimentos, ao mesmo tempo que segrega sucos gástricos para os digerir.

A parede deste órgão tão importante é constituída por várias camadas: a mucosa (a camada mais interna que contacta com os alimentos e segrega suco gástrico); a submucosa (a camada abaixo da mucosa); a camada muscular (a camada do meio); a serosa (a camada mais externa).

Doenças do estômago

São várias as doenças que podem afetar este órgão e que podem requerer a realização de determinados exames ao estômago. Vamos conhecer algumas das mais comuns e importantes:

1. Gastrite

Consiste na inflamação da mucosa que reveste as paredes do estômago e pode ser aguda (quando surge de forma súbita e intensa) ou crónica (quando não tratada, pode arrastar-se durante anos ou mesmo para toda a vida).

2. Dispepsia

Sensação de dor ou mal-estar na parte alta do abdómen ou no peito, que pode ter várias causas, tais como úlceras do estômago, inflamação do estômago (gastrite) ou cancro gástrico.

3. Hérnia do hiato

Corresponde à protuberância de parte do estômago através do diafragma, passando da sua posição normal no abdómen para a cavidade torácica, ou seja, apesar de habitualmente todo o estômago se encontrar abaixo do diafragma, na cavidade abdominal, quando a hérnia do hiato ocorre, existe um deslizamento da porção mais alta do estômago para o tórax, através do hiato do diafragma.

O artigo continua após o anúncio

4. Úlcera péptica

Doença crónica que pode ocorrer em qualquer parte do sistema gastrointestinal, mas que frequentemente afeta sobretudo o estômago e o duodeno (primeira porção do intestino).

Dito de forma simples, corresponde a uma ferida que ocorre na camada de revestimento interno do estômago (úlcera gástrica). Habitualmente é causada por infeção por uma bactéria chamada Helicobacter Pylori ou por medicamentos anti-inflamatórios ou anti-agregantes plaquetários.

5. Cancro do estômago

Com uma significativa taxa de incidência no nosso país, o cancro do estômago é aquele que se forma nos tecidos que revestem o estômago e, habitualmente, tem início nas células da camada interna do estômago (a mucosa).

Apesar de não se conhecer ao certo por que ocorre o cancro do estômago, alguns fatores de risco são já conhecidos, nomeadamente: tabagismo; profissões relacionadas com a indústria mineira, do metal e da borracha; ingestão elevada de alimentos que contenham nitratos ou nitritos; infeção por bactéria Helicobacter Pylor.

Doenças do estômago

4 exames ao estômago que vale a pena conhecer melhor

Quando já é tarde de mais e a aposta na prevenção não basta, importa despistar a presença de alguma doença recorrendo a importantes exames ao estômago. Este são alguns dos exames ao estômago que podem ser pertinentes realizar, sempre que o médico que o acompanha assim o entenda:

1. Exame clínico

Antes de mais, é previsível que o médico que o acompanha opte por examinar o abdómen de forma a detetar a presença de qualquer inchaço anormal ou dor.

Exame clínico

2. Endoscopia digestiva alta

Trata-se de um exame complementar de diagnóstico que consiste na observação do esófago, do estômago e de parte do duodeno, recorrendo a um tubo fino e flexível que tem uma pequena câmara, que é inserido na boca e passa através da garganta para o esófago, estômago e duodeno.

Mais ainda, podem ser introduzidos diversos instrumentos através do tubo, para que seja possível realizar determinados procedimentos diagnósticos e terapêuticos, tais como remoção de pólipos, colheita de biopsias ou aplicação de fármacos.

O artigo continua após o anúncio

endoscopia digestiva alta é frequentemente utilizada para diagnosticar e também para tratar várias doenças. É útil para investigar a presença de determinados sintomas (náuseas; vómitos; dor abdominal; hemorragia digestiva), bem como é útil como forma de diagnóstico (colheita de biopsias; deteção de tumores) e como forma de tratamento (remoção de corpos estranhos; excisão de pólipos).

Ao nível da preparação para os exames ao estômago, importa assegurar que:

a) é cumprido um período de jejum (pelo menos 6 a 8 horas) antes da realização da endoscopia;

b) o médico que vai realizar o exame está informado acerca da medicação que está a tomar e de exames realizados anteriormente;

c) o dia do exame é devidamente planeado: nos casos de endoscopia com sedação ou anestesia, o doente não deve conduzir ou trabalhar após o exame, sendo necessária a presença de um acompanhante.

3. Radiografia

As radiografias abdominais podem ser úteis para a avaliação de possíveis problemas no abdómen, nomeadamente no estômago. Assim sendo, este exame pode ser solicitado perante a presença de alguns sintomas, tais como náusea crónica, vómito constante, dor ou inchaço abdominal.

Por sua vez, a radiografia com contraste do estômago é realizada depois da pessoa ter bebido uma solução de bário, que delimita o estômago ajudando o médico a encontrar tumores ou outras anomalias. É possível que durante a realização do exame o médico bombeie ar para o estômago, de forma a tornar mais visíveis os tumores de pequena dimensão.

A preparação para este exame não exige grandes mudanças na dieta, salvo indicação contrária do médico. De qualquer forma, o médico deve ser sempre informado acerca dos medicamentos que estiver a tomar.

O artigo continua após o anúncio
Radiografia

4. Ecografia abdominal

A ecografia abdominal utiliza ultrassons para produzir imagens dos órgãos internos, permitindo observar o tamanho e a forma desses mesmos órgãos. A ecografia pode ser permitir identificar determinadas alterações no estômago e não tem contraindicações nem riscos associados.

Não existe preparação nos dias anteriores, no entanto, no dia do exame é importante que sejam cumpridas 6 horas de jejum e que o paciente se faça acompanhar da última ecografia que tenha em seu poder.

Veja também