ebook
GUIA DO IRS
Patrocinado por Reorganiza
Teresa Campos
Teresa Campos
07 Mar, 2022 - 11:18

Devemos ou não falar da guerra com as crianças?

Teresa Campos

Os acontecimentos que têm assolado a Europa fazem-nos questionar se devemos falar da guerra com as crianças. Saiba o que dizem os psicólogos.

guerra na ucrânia

Nos últimos dias, todos temos sido confrontados com imagens de guerra, edifícios destruídos, famílias separadas e crianças que choram. Quem tem filhos, netos ou miúdos por perto, certamente já se questionou se deve ou não falar da guerra com as crianças. E, se o fizer, de que forma deve fazê-lo. Qual a mensagem a transmitir. Como explicar e o que omitir. Os psicólogos dão uma ajuda nesta matéria.

Por que falar da guerra com as crianças?

De acordo com alguns especialistas, nomeadamente psicólogos, pais e educadores devem falar da guerra com as crianças, pois este é um tema que não pode ser ignorado – até porque, atualmente, a grande maioria das crianças tem um acesso fácil à informação, seja através da televisão, seja através das redes sociais, por exemplo.

Portanto, é preferível que seja um adulto da sua confiança a explicar-lhes o que se passa, do que deixá-las consumir sozinhas todas estas notícias, porque assim é mais provável que surjam sentimentos de medo ou de ansiedade.

Como falar da guerra com as crianças?

Esta é uma conversa que deve ser tida com tempo, mas que não deve ser demasiadamente prolongada, sobretudo se se notar que a criança já não está focada ou com interesse no tema. Assim, o assunto pode sempre ser recuperado, à medida que a criança vá fazendo perguntas ou colocando dúvidas.

Portanto, numa primeira fase, importa tentar entender o que é que a criança sabe e não sabe sobre este tema. Isto significa que o ponto de partida para o diálogo deve ser o esclarecimento de dúvidas ou de ideias erradas que a criança tenha sobre este tópico.

No momento seguinte, é fundamental procurar entender o que a criança está a sentir relativamente a esta circunstância e quais os sentimentos que esta situação lhe provoca, de modo a poder acalmá-la, caso ela se revele nervosa ou preocupada.

Em todo o momento, é ainda essencial ter em conta vários aspetos como a idade da criança e a sua capacidade para compreender certas ideias. Além disso, é preciso alterar o tipo de discurso em função de estarmos perante uma criança mais segura e confiante ou mais insegura e intranquila.

É aconselhável ter cuidado na maneira como se expõem os dois lados do conflito, uma vez que existe uma comunidade tanto ucraniana, como russa no nosso país, e a última coisa que desejamos neste momento é fomentar nas nossas crianças valores xenófobos contra determinados povos ou nações.

conversa entre mãe e filha

Como devemos responder às “perguntas difíceis”?

Um princípio base que todos devemos ter é de que nunca devemos mentir a uma criança, pois é a verdade que lhes inspira segurança e confiança.

Naturalmente que, em muitos casos, a verdade tem de ser contada de forma adaptada às caraterísticas da criança, mas não existe qualquer problema em que a criança perceba que o adulto está realmente preocupado com este problema ou que até não sabe responder a certas questões, desde que o adulto esteja emocionalmente controlado e não transmita à criança sentimentos de desespero ou de pânico.

Apesar de ser frequente dizermos às crianças que as guerras e a violência não fazem sentido e não têm explicação, neste caso, pode ser pertinente construir o discurso de outra maneira, uma vez que apresentar esta situação como algo que aconteceu de forma imprevisível e sem razão pode transmitir à criança a ideia de que a guerra é algo que pode eclodir em qualquer lugar, a qualquer momento, o que a vai deixar necessariamente perturbada.

Pais tentam aliviar o stress
Veja também Como aliviar o stress: temos 6 dicas que deve seguir

O bom e o mau

Desde cedo que as crianças habituam-se a ouvir histórias de bons e de maus, de heróis e vilões. Porém, neste caso, é recomendável tentar não polarizar os lados e mostrar, acima de tudo, que é possível chegar à paz e a um acordo, sem que haja vencedores e vencidos.

O caminho para a tolerância deve ser trilhado com uma visão não de bons e de maus, mas de pessoas com lados bons e menos bons, sublinhando que é sempre possível que quem esteja errado mude os seus comportamentos e ações.

Noticiários: sim ou não?

Nesta fase, é aconselhável filtrar aquilo que as crianças veem, sobretudo as mais pequenas e que, devido à sua idade, ainda não são capazes de interpretar determinado género de imagens.

Por vezes, a introdução e a sensibilização para este tema é mais eficaz através do visionamento de um filme ou documentário, da localização dos países em conflito num mapa ou da pesquisa conjunta de informações históricas sobre estas regiões do globo.

Veja também