Teresa Campos
Teresa Campos
15 Mai, 2020 - 18:07

Fobia social: o medo ou a ansiedade de se expor em sociedade

Teresa Campos

A fobia social ou sociofobia pode afetar cerca de 13% da população, durante toda a vida. Os homens são mais propensos a este distúrbio. Fique a saber mais.

Mulher com dor de cabeça

A fobia social ou transtorno de ansiedade social pode tratar-se de um distúrbio muito grave e capaz de intervir negativamente na vida e no dia a dia do paciente. Normalmente, esta patologia carateriza-se por um medo ou ansiedade que estão relacionados com sentimentos de vergonha ou humilhação, caso a pessoa não corresponda às expectativas dos outros ou seja julgada por eles.

A ansiedade causada pela fobia social pode manifestar-se por meio de sudorese, rubor, vómitos ou tremores (voz trémula, por exemplo) ou dificuldade em manter a linha de raciocínio ou em expressar-se.

Fobia social: o transtorno de ansiedade que pode limitar a sua vida

A fobia social pode manifestar-se em situações de maior exposição como falar em público, atuar num palco ou tocar um instrumento perante muitas pessoas, mas também em circunstâncias mais banais como fazer uma refeição acompanhado, conhecer novas pessoas, conversar, assinar um documento à frente de outros ou usar casas de banho públicas.

Embora os pacientes com este distúrbio reconheçam que os seus medos são irracionais e excessivos, a realidade é que, sozinhos, são incapazes de os controlar e, muitas vezes, de os enfrentar. Apesar de se poderem associar alguns destes comportamentos ao perfil de alguém tímido, a intensidade e frequência destes sintomas tornam esta numa situação patológica e que carece mesmo de tratamento e de acompanhamento.

Sinais a que deve estar atento

  • Sentir medo de sair de casa;
  • Evitar locais públicos ou com muita gente;
  • Sentir constrangimento em fazer algumas coisas ou em falar com pessoas;
  • Evitar situações em que pode ser o centro das atenções;
  • Sentir medo em ser julgado ou em interagir com desconhecidas; em expor-se e passar por situações constrangedoras ou humilhantes; em exibir manifestações físicas em público, como corar, suar ou tremer;
  • Ser pessimista, principalmente em situações sociais.
Homem com problemas de saúde mental

Diagnóstico e sintomas

O diagnóstico desta patologia deve ser feito por um psicólogo ou psiquiatra habilitado. Os pacientes com este distúrbio costumam ter…

  • receio acentuado e persistente (≥ 6 meses) ou ansiedade em situações sociais em que podem ser avaliados por outras pessoas;
  • medo ou ansiedade, quase sempre, nas mesmas situações sociais;
  • medo de passar por essas situações;
  • ansiedade desproporcional à ameaça real;
  • medo ou a ansiedade que causam sofrimento significativo ou prejudicam o funcionamento social ou ocupacional do indivíduo.

… e apresentar os seguintes sintomas:

Causas

Na origem deste problema, podem estar experiências e aprendizagens tidas na infância e na adolescência. Acontecimentos negativos e/ou traumáticos, como conflitos familiares, humilhação ou bullying podem provocar, mais tarde, este transtorno.

Além disso, este distúrbio costuma estar ligado a problemas de auto-estima e auto-confiança que suscitam o medo de falhar ou de ser humilhado e ridicularizado pelos outros.

8 fobias raras que o vão surpreender
Veja também 8 fobias raras que o vão surpreender

Tratamento

Terapia cognitivo-comportamental

A fobia social é quase sempre crónica e, por isso, o seu tratamento é necessário, embora possa ser continuado.

A terapia cognitivo-comportamental (TCC) é eficaz, pois ajuda os pacientes a reconhecer e a controlar os seus pensamentos distorcidos e as suas falsas convicções. Além disso, recomenda a terapia de exposição, ou seja, propõe uma exposição controlada da pessoa à situação que lhe provoca ansiedade.

Acha que sofre deste transtorno? Faça o teste!

Veja também

Para descomplicar a informação

As informações sobre os temas que envolvem o impacto social do novo Coronavírus são dinâmicas e constantemente atualizadas. Por isso, os conteúdos publicados nesta secção não devem substituir a consulta com profissionais e especialistas, tanto da saúde como do direito e temas afins.