Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Teresa Campos
Teresa Campos
01 Out, 2019 - 15:02

Hipertricose ou o síndrome do lobisomem

Teresa Campos

A hipertricose refere-se ao crescimento exagerado de pelos no corpo, especialmente em zonas menos habituais. Apesar de raro, este síndrome existe.

Hipertricose

A hipertricose é uma condição rara, também conhecida como “síndrome do lobisomem”. Esta situação carateriza-se por um crescimento excessivo de pelos em qualquer parte do corpo, afetando tanto homens, como mulheres.

Se nunca ouviu falar de hipertricose, fique a saber mais sobre esta síndrome que, segundo alguns, estará na base da personagem masculina do conto infantil “A Bela e o Monstro”. Saiba mais.

Hipertricose: fique a saber tudo sobre esta condição rara

Depilação masculine
A depilação pode ser feita de diferentes formas

A hipertricose pode surgir tanto na infância, como já na idade adulta, dependendo se a causa é genética, má nutrição, cancro ou uso de alguns medicamentos. Esta é uma doença sem cura, pelo que quem sofre desta patologia acaba por recorrer a métodos de eliminação do pelo como a depilação a cera ou a gillette.

Caraterísticas

Já descrevemos sumariamente esta doença. Contudo, é importante referir que há três tipos principais de pelo que podem surgir em quem sofre deste síndrome. A saber:

  • Cabelo velino: pelo curto que cresce nas solas dos pés, orelhas, lábios ou palmas das mãos;
  • Cabelo lanugo: pelo muito fino, suave e sem coloração, também caraterístico dos recém-nascidos;
  • Cabelo terminal: pelo comprido, grosso e muito escuro, mais frequente  no rosto, sovacos e virilha.

Diagnóstico

Para diagnosticar este problema, é necessária a consulta de um médico, que fará a observação dos sintomas e a avaliação médica do paciente. Se nas crianças o mais comum é procurar um pediatra; no caso dos adultos, o diagnóstico é, normalmente, feito pelo dermatologista.

Causas

Embora ainda sob investigação e pesquisa, há já alguns aspetos que são apontados como causa possível para a hipertricose, tais como:

  • uma mutação genética que vai passando de geração em geração, dentro da mesma família;
  • má nutrição extrema;
  • uso prolongado de remédios (especialmente esteroides androgénicos);
  • câncro;
  • doenças de pele (porfiria cutânea tardia, por exemplo).

Nota: Em casos pontuais, pode surgir um caso de hipertricose durante a gravidez, com o aumento do cabelo e de pelos na gestante, o que habitualmente desaparece, após o parto.

Mulher a fazer depilação a laser diodo
Não perca Depilação a laser díodo: prós e contras

Como controlar

Dado que não tem cura até ao momento, as vítimas desta doença recorrem a métodos de depilação capazes de reduzir a quantidade de pelo e, assim, fazê-los sentirem-se melhor consigo próprios. Eis algumas opções disponíveis no mercado:

  • Cera: remove os pêlos pela raiz, garantindo um crescimento mais lento. Como é um método mais doloroso, ele não pode ser utilizado no rosto ou outros locais mais sensíveis;
  • Gillette: o pelo é cortado perto da raiz com uma lâmina. Embora indolor, os pêlos voltam a crescer rapidamente.
  • Cremes: aplicam-se cremes depilatórios, dissolvendo os pêlos e facilitando a sua eliminação.
  • Laser: elimina definitivamente os pêlos, diminuindo as cicatrizes e as irritações na pele. Acaba por ser a solução mais duradoura.

O grande problema é que o recurso muito frequente a estes métodos pode acarretar outros problemas, tais como: cicatrizes, dermatite ou reações de hipersensibilidade.

Nestas situações deve procurar usar roupas de tecidos mais leves, naturais e menos apertados, para reduzir o atrito com a pele (que pode ser mais sensível devido à depilação) e dar mais conforto. Assim, deve privilegiar tecidos como algodão, seda, linho, viscose e viscolycra.

Hirsutismo

Outra doença semelhante, mas não igual, dá pelo nome de hirsutismo e carateriza-se pelo crescimento excessivo de pelos grossos e negros em mulheres em localizações como bigode, barba, região mediotorácica, ombros, abdómen inferior, dorso e face lateral interna das coxas.

Esta patologia é, normalmente, provocada pelo aumento dos níveis de androgénio na circulação ou pela resposta aumentada do órgão final aos andrógenos.

Veja também