Elsa Santos
Elsa Santos
29 Mai, 2019 - 09:32
Medo de ir trabalhar: como identificar e lidar com o problema

Medo de ir trabalhar: como identificar e lidar com o problema

Elsa Santos

O medo de ir trabalhar é uma realidade com a qual muitas pessoas se confrontam diariamente. Um problema clinicamente diagnosticado e que exige tratamento.

O artigo continua após o anúncio

Ter medo de ir trabalhar não é sinónimo de não gostar da profissão, mas de uma incapacidade de lidar com vários fatores que lhe estão associados. Apesar de, para alguns, poder parecer estranho, a verdade é que a fobia ao trabalho é um problema real, reconhecido pela ciência.

De acordo com um artigo de 2009, da Psychology, Health and Medicine, esta condição, designada de ergofobia, é definida como uma “reação de ansiedade, com sintomas de pânico que ocorrem ao pensar na aproximação ao local de trabalho”.

Com certeza, uma grande parte das pessoas começa o dia a reclamar ou sem vontade de sair de casa para ir trabalhar. E pode por isso parecer que a totalidade da população, ou muito perto disso, sofre deste problema, mas não é assim tão simples.

Esta situação acarreta sinais muito mais sérios que um simples desabafo de alguém que já está cansado das suas funções e sem motivação. Falamos de uma fobia, um problema reconhecido pela ciência e que exige tratamento adequado.

O que deve saber sobre ter medo de ir trabalhar

Medo de ir trabalhar

Conheça os sintomas a que deve estar atento e os tratamentos possíveis. Só assim, deparando-se e assumindo esta realidade, poderá fazer algo para melhorar o seu estado e até efetuar uma grande mudança na sua vida.

Sintomas

Quem tem medo de ir trabalhar, sofre de uma fobia séria e tal condição pode apresentar vários sintomas. Um artigo do Journal of Anxiety Disorders, em 2007, apresenta 6 tipos diferentes de ansiedade relacionados com o trabalho:

  • “Pânico relacionado com o trabalho”: só de pensar em ir trabalhar, a pessoa sente que pode não aguentar e sofrer um enfarte;
  • “Fobia situacional ao local de trabalho”: está relacionada, como o nome indica, com uma situação concreta. Por exemplo, se o trabalhador for obrigado a fazer algo que o deixe extremamente desconfortável, como fazer uma apresentação para muitas pessoas;
  • “Fobia social indiscriminada relacionada com o trabalho”: muitos aspetos diferentes do respetivo trabalho provocam grandes níveis de ansiedade ao profissional, como se estivesse a sofrer um enfarte;
  • “Fobia social discriminada relacionada com o trabalho”: alguns aspetos específicos das funções desempenhadas fazem o profissional sentir medo e até pânico;
  • “Ansiedade generalizada relacionada com o trabalho”: o colaborador sente que é como se estivesse a ter um enfarte no trabalho, mas não sabe porquê;
  • “Stress pós traumático relacionado com o trabalho”: o profissional sente-se angustiado após sofrer, de facto, um enfarte no trabalho. Essa angústia, ou ansiedade, manifesta-se normalmente numa sensação de estar a sofrer novo episódio.

A ansiedade relacionada com o trabalho é um problema tão sério que pode ser incapacitante. Os fatores que lhe estão associados levam a uma série de dificuldades que podem conduzir ao abandono do posto de trabalho. Isso acontece sobretudo, por não conseguirem controlar o problema – ou por não reconhecerem o mesmo – por não conseguirem focar-se ou terminar qualquer tarefa ou por não encontrarem compreensão ou apoio da entidade patronal.

No entanto, desistir de trabalhar não é solução para quem sofre desta fobia. Há que identificar o problema e procurar o melhor tratamento.

O artigo continua após o anúncio

Tratamento

Medo de ir trabalhar

Para todos os tipos de fobia, existem diferentes tratamentos a considerar.

Segundo especialistas, o melhor tratamento passa pela habituação lenta ao trabalho, de modo a promover a dessensibilização. No entanto, o período necessário para o referido efeito exige que o paciente esteja no local de trabalho, visto que não é possível qualquer simulação.

O paciente/profissional poderá começar com um horário reduzido e/ou com algum tipo de medicação e fazer uma adaptação gradual ao local de trabalho e respetivas funções.

Não sendo possível seguir o método anterior e de maneira a obter resultados mais duradouros e equilibrados, o medo de ir trabalhar deve tratar-se através de uma combinação de terapia (comportamental cognitiva ou equivalente) e medicação (cuidadosamente prescrita e, preferencialmente, leve) contra a ansiedade.

Várias empresas, entre as quais se incluem algumas portuguesas, já aderiram à implementação de novas práticas em contexto de trabalho, como a meditação ou o ioga. Para quem sofre de ansiedade, é uma mais-valia muito importante.

Agora que já sabe um pouco mais sobre o tema, poderá identificar-se ou identificar alguém. Para quem sofre de fobia ao local de trabalho é, fundamental, antes de mais reconhecer o problema e adequar o tratamento.

Para as entidades empregadoras interessa saber como ajudar os funcionários que sofram deste tipo de problema, proporcionando-lhes um ambiente menos tenso, atribuindo-lhes funções que não exijam stress, tirando o melhor partido dos conhecimentos e competências de cada um.

Veja também:

O artigo continua após o anúncio
Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp