Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
30 Ago, 2019 - 11:53
Conheça o Mindfulness como forma de liderança

Conheça o Mindfulness como forma de liderança

Mónica Carvalho

Somos invadidos por distrações desde o acordar até deitar. Para melhorar a vida profissional, saiba mais sobre o mindfulness como forma de liderança.

O artigo continua após o anúncio

As novas tecnologias trouxeram o grande inconveniente de nos tornarem constantemente contactáveis e de exigirem a nossa atenção constante. Para encontrar um maior equilíbrio, conheça o mindfulness como forma de liderança e o que tal implica para se tornar num líder melhor e num profissional mais coerente.

Ao contrário do que possa pensar, e dadas as realidades do mundo atual em que achamos que temos de estar sempre disponíveis, os grandes líderes tendem a agir exatamente de forma diferente. Ou seja, tendo por base o mindfulness como forma de liderança, antes optam por diminuir a velocidade a que trabalham, privilegiando a concentração e a tomada de decisões de forma consciente.

Tal atitude tem por base as práticas do mindfulness, como meditação diária, oração, registo num diário ou prática de exercício físico, ainda que sozinho. Para muitos, este tipo de comportamento acaba por ser tão benéfico quanto necessário. Até Dalai Lama defende que, para desenvolver uma nova geração de líderes conscientes e compassivos, cada um deve “desenvolver um hábito diário de introspeção”.

Qual a origem do Mindfulness como forma de liderança?

Mindfulness como forma de liderança

A história da Liderança Mindfulness remonta ao ano de 2001, quando Janice Marturano, vice-presidente da General Mills, se viu completamente sobrecarregada após um período particularmente difícil, tanto no trabalho como na vida pessoal, e decidiu fazer uma pequena pausa e refugiar-se num retiro de Mindfulness, com o professor Jon Kabat-Zinn do Massachusetts Institute of Technology (MIT).

A profissional de renome entendeu esta fase da sua vida como uma revelação, pelo que mudou a sua perspetiva de carreira. Os anos seguintes foram passados a desenvolver a atenção plena aplicada à liderança, tendo publicado um livro que é uma referência mundial na matéria: “Mindfulness na Liderança: Como Criar Espaço Interior para Liderar com Excelência”. Além disso, Janice Marturano criou o Institute for Mindful Leadership.

O treino em Liderança Mindfulness leva tempo e exige a total dedicação de quem opta por esse caminho, porém os benefícios iniciais são relativamente rápidos e evidentes que tornam quase natural continuar, como se não fizesse sentido trabalhar, liderar e viver de outra forma. A realidade muda para sempre, assim como a perceção de cada um em relação à mesma.

A Liderança Mindfulness no mundo empresarial

Para empresas como Google e Apple, há muito tempo que o treino e aposta em métodos de Mindfulness são colocados em prática até como uma maneira de aumentar a colaboração e a criatividade dos colaboradores. Todavia, ainda muitos líderes empresariais que duvidam da sua eficiência, podendo levar ao preconceito. Felizmente esse tipo de comportamento é cada vez menos frequente.

São muitas as empresas na atualidade que promovem práticas conscientes para melhorar a saúde e a tomada de decisões dos líderes. Afinal, os pontos basilares da Liderança Mindfulness são seculares e derivam da prática da atenção plena com o objetivo de desenvolver a presença de liderança e excelência na mesma. E tal é algo tangível sim, mas que requer atenção completa e sem julgamento no momento presente, para ser melhor no futuro. Tudo para deixar de ser frenético, stressado, confuso ou impulsivo.

O artigo continua após o anúncio

Só assim é possível “liderar com excelência, cultivando as nossas capacidades inatas para nos concentrarmos no que é importante, para ver mais claramente o que está diante de nós, para estimular a criatividade e incorporar compaixão”, defende Janice Marturano no seu livro sobre o tema.

O segredo da felicidade segundo 10 filósofos
Veja também O segredo da felicidade segundo 10 filósofos

Princípios básicos da Liderança Mindfulness

Mindfulness como forma de liderança

Pedro Ribeiro, Marketing Manager New Business Recheio Cash & Carry, na Jerónimo Martins defende que o Mindfulness como forma de liderança assenta em determinados princípios essenciais.

1. Mente de principiante

Entender toda a experiência como nova e recente, como se as coisas acontecessem pela primeira vez, com um sentido de curiosidade.

2. Não julgamento

Aqui apela-se à observação imparcial de qualquer experiência, sem ignorar ou criticar pensamentos, sentimentos ou sensações, mas antes percebendo-os e assumindo-os.

3. Confiança

Na experiência que possui, no cargo que ocupa, na vida que leva.

4. Paciência

O que demonstra um lado mais humano, a capacidade de suportar dificuldades, de entender que a vida é feita de ciclos e que nem tudo corre como esperamos.

5. Reconhecimento

O valor para aceitar as coisas tal como são e que não as podemos mudar, antes mudar a nossa forma de agir perante as situações.

6. Aceitação

Para aprender a ver as coisas como são, sem complicações nem artifícios, o que permite também simplesmente aprender a viver.

O artigo continua após o anúncio

7. Não esforço

Este princípio significa não tentar chegar a qualquer lugar que não seja onde está.

7. Equanimidade

Trata-se de uma qualidade de consciência que envolve o equilíbrio e promove a sabedoria, ajudando a obter uma maior compreensão profunda sobre os processos de mudança, que promovem a compaixão: “serenidade – calma – equilíbrio – autodomínio”.

8. Desapego

É esta a característica que permite que o indivíduo se suavize, liberte os seus medos, o que permite relaxar.

9. Autoconfiança

É a qualidade que permite entendermo-nos e compreender o que é verdadeiro ou falso a partir da nossa própria experiência.

10. Autocompaixão

É esta a qualidade que permite nutrir o amor por si próprio, sem culpa ou autocrítica.

A crescente importância do Mindfulness como forma de liderança

Cada vez mais, as empresas veem a aposta Mindfulness como uma vantagem competitiva no mundo contemporâneo. Tomemos como exemplo um estudo realizado no Estados Unidos da América e que teve por base de estudo uma parceria entre a Aetna, a terceira maior seguradora de saúde do país, com a Duke University para estudar meditação e yoga. Os investigadores descobriram que essas práticas diminuíram os níveis de stress em 28%, melhoraram a qualidade do sono em 20%, reduziram a dor em 19% e melhoraram a produtividade em 62 minutos por funcionário por semana.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que os problemas derivados do stress custem às empresas americanas cerca de 300 mil milhões por ano.

Veja também
Partilhar Tweet Pin E-mail WhatsApp