Helena Peixoto
Helena Peixoto
16 Jan, 2019 - 11:54
Negociar contrato de arrendamento: como ter sucesso

Negociar contrato de arrendamento: como ter sucesso

Helena Peixoto

Neste artigo vamos dar-lhe várias dicas para negociar contrato de arrendamento e encontrar a melhor solução para si.

O artigo continua após o anúncio

Está a ver-se em sarilhos com o seu senhorio? Estão a tentar impor-lhe uma renda com um valor impraticável? Neste artigo vamos dar-lhe algumas dicas de como negociar contrato de arrendamento da melhor forma e, assim, conseguir a situação mais justa para ambos os lados.

Como negociar contrato de arrendamento: tudo o que precisa saber

Inquilino não paga a renda: o que fazer?

Como em todas as situações da vida, antes de avançar para uma posição mais agressiva para negociar um contrato de arrendamento com sucesso, é importante perceber o outro lado. A verdade é que existiam algumas situações em que os senhorios, pelo arrastar dos anos, praticavam uma renda tão baixa que tornava impossível a melhoria e atualização das condições das habitações ou sequer ter algum tipo de lucro.

Com isto em vista, e não querendo ‘esmagar’ os proprietários das casas, não devemos também deixar que nos imponham rendas de valor alto e pouco justo. Por tudo isto, e colocando todos os pesos na balança, conseguimos chegar a algumas dicas e sugestões de como negociar um contrato de arrendamento sem dores de cabeça, grandes discussões ou problemas. Preparado?

Veja os 7 passos essenciais a dar.

1. Conheça o mercado

Esta é a regra das regras! Antes de negociar um contrato de arrendamento, há que saber e conhecer o que há no mercado. Para conseguir fazer o melhor negócio possível, é importante que tenha uma noção realista do que é praticado à sua volta. Para o conseguir, faça uma pesquisa online por várias agências e sites da especialidade e visite até alguns imóveis na área em que pretende arrendar casa. Lembre-se, é importante que analise imóveis com caraterísticas semelhantes para que seja possível comparar de forma justa.

É verdade que ainda vai gastar algum tempo, mas acredite que com isto vai conseguir ganhar muito em poder de negociação e até em alguns euros.

2. Defina o orçamento

Outra das questões importantes e prévias obrigatórias de fazer. Definir quanto pode gastar por mês! De que lhe adianta ver casas de 700€ se só tem 500 disponíveis para gastar?

Para o ajudar a fazer as contas, aqui fica uma ajuda: reúna todos os seus rendimentos mensais, deduza as despesas fixas que já tem e, com o resultado que lhe sobra, veja qual a percentagem que a renda ocupa. Nunca deve ser mais de 35%.

O artigo continua após o anúncio

3. Analise tudo ao pormenor

Quando for visitar a casa em vista, encare o papel de um verdadeiro detetive. Não se preocupe se estiver a ser chato ou picuinhas demais- afinal, estamos a falar da sua potencial futura casa.

Todos os pormenores contam: qual a exposição solar? A casa foi remodelada ou precisa de pinturas? A canalização é moderna? Pergunte tudo o que precisar e se ficar com dúvidas diga que quer levar um especialista para analisar. Afinal, quem não deve não teme! E assim todos ganham: o senhorio não vende gato por lebre e o locatário sabe o que está a arrendar.

Além disso, o estado do imóvel que pretende arrendar é um ótimo argumento para conseguir negociar um contrato de arrendamento. E no caso de haver algumas falhas ou necessidades de melhoria, pode sempre tentar puxar um pouco para baixo o valor.

4. Contratos a longo termo

Este é um dos fatores que os senhorios mais valorizam: contratos de longo termo. Afinal, esta acaba por ser uma garantia de que a sua casa estará alugada bastante tempo e que não terá de se preocupar em arranjar um inquilino. É sinal de estabilidade e como tal, ao mostrar que está disponível a assumir um compromisso longo, existe uma maior margem de negociação do valor final.

5. Conheça a lei

Outra das questões essenciais para bem negociar um contrato de arrendamento: conhecer a lei do arrendamento! Senão, como é que vai ter argumentos válidos? Informe-se, pesquise, peça aconselhamento profissional e no fim então sim, pode negociar o seu contrato.

6. Estabeleça o que acontece com as despesas

O pagamento das despesas como a água, luz, gás e condomínio tanto pode ficar a cargo do senhorio como do inquilino. Geralmente fica a cargo do inquilino e, se assim for, acaba por ter maior margem para negociar uns euros a menos na conta final da renda mensal.

7. Sinceridade!

Claro que todos queremos o melhor para nós, mas não podemos esquecer que do outro lado está também alguém com as suas despesas, preocupações e problemas. Se não está seguro desta decisão ou se está com medo que não consiga suportar este compromisso financeiro, não avance. São mais que muitos os casos de atrasos de pagamento ou mesmo de falha, de tal forma que por vezes acaba no litigioso.

Seja sincero para consigo e para com o senhorio. Além disso, outra das suas armas mais potentes e que determinam o poder de negociação é a sua atitude e comportamento enquanto inquilino. Seja cumpridor e zelador pelos bens arrendados, pois vai certamente “cair nas boas graças” de qualquer senhorio.

O artigo continua após o anúncio

Veja também: