Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Luís Neves
Luís Neves
29 Out, 2020 - 16:10

Ode aos V12: 10 modelos que ficam para a história

Luís Neves

Nesta lista existem motores Ferrari, Lamborghini, Aston Martin e até um V12 a gasóleo. Consegue adivinhar qual?

V12

Qual a configuração de motor perfeita? Alguns dirão seis cilindros, outros de oito. Mas se a pergunta for os que combinam desempenho com uma arquitetura nobre e refinada, todos dirão certamente que são os motores V12.

São uma espécie em vias de extinção, de resto, como todos os motores a combustão (sejam a gasolina ou a gasóleo), mas os enormes e nobres motores V12 ainda fazem sonhar qualquer entusiasta de automóveis.

Considerados por muitos como o expoente máximo dos motores de combustão, os V12 alimentam super-desportivos, GT’s de luxo, glamourosos descapotáveis, berlinas de representação… e até alguns SUV.

Mas com a tendência do downsizing, a introdução de turbocompressores e sistemas híbridos, os V12 têm vindo a perder espaço, e agora muito mais com as apertadas regras de emissões, tornando-se uma raridade e uma espécie em vias de extinção.

Contudo, ainda existem fabricantes que continuam a remar contra a maré, disponibilizando motores V12. E muitos prometem não desistir deste tipo de motores até não poderem mais.

Os melhores modelos com motores V12 da história

Ferrari 250 GTO

Ferrari 250 GTO

O V12 desenhado e desenvolvido por Gioacchino Colombo é sem dúvida um dos melhores de sempre. Uma joia que a Ferrari utilizou, com modificações, de 1947 a 1988, ou seja, mais de 40 anos. Não é de estranhar que o motor V12 mais importante da marca que mais utilizou motores V12 e com maior sucesso seja o primeiro desta lista.

Falamos de um V12 com bancadas a 60 graus e refrigerado por água. O motor tinha inúmeras versões, com diferentes potências e destinadas a inúmeras utilizações: desde um GT elegante e luxuoso até à Fórmula 1, passando pelo glorioso 250 GTO, vencedor de Le Mans. Um motor mítico, versátil e com um desempenho impressionante. Uma verdadeira obra de arte!

McLaren F1

McLaren F1

Se existe um V12 moderno que impressionou tudo e todos, foi o motor V12 S70 que a BMW desenvolveu para o M8 (que nunca chegou a ser produzido) e acabou por ser aproveitado para o McLaren F1.

Com quatro válvulas por cilindro e sistema VANOS, este motor mais que respondeu às exigências de Gordon Murray, o autor do McLaren F1: mais de 550 cv e baixo peso. Dito e feito: 635 cv às 7.400 rpm e 649 Nm de binário às 5.600 rotações. O peso? 265 quilos. Sem dúvida um dos melhores motores da história do automóvel.

Pagani Zonda

Pagani Zonda F

Quando Horacio Pagani procurou um motor para a sua obra de arte, o Pagani Zonda, a Mercedes e os seus enormes V12 surgiram como solução perfeita. A marca alemã tem longa experiência com este tipo de motores, tanto em berlinas como desportivos (e até ”jipes”, como é o caso do Classe G – G65 AMG), além da competição.

O motor do Pagani Zonda é uma evolução do motor M120 utilizado no CLK. Na sua primeira evolução produzia apenas 394 cv, o que lhe permitia acelerar de zero aos cem em 4,8 segundos. Posteriormente, o motor evoluiu para os 750 cv que debita no Zonda R. O som agudo, quase como o de uma Fórmula 1, ainda é um dos mais incríveis da história.

Lamborghini Aventador

Lamborghini Aventador

Quem não se lembra do motor V12 do Miura, Countach, LM002 ou Diablo? Mas quando se combina todo o know-how de engenheiros italianos, apaixonados e um pouco malucos, com o bom senso e a racionalidade dos alemães, o resultado pode ser “explosivo”.

Com o nome de código L539, o motor V12 do Aventador tem 6,5 litros de cilindrada e total ausência de sobrealimentação (leia-se, turbos ou compressores), é capaz de debitarr 750 cv e fazer sair chamas azuis pelo escape. Além disso, é um motor fiável e totalmente utilizável no dia a dia. Haja dinheiro para gasolina..

Ferrari F50

Ferrari F50

Ouvir um F50 a acelerar a fundo é uma das coisas mais incríveis que qualquer petrolhead pode sentir: o responsável é o motor V12 oriundo diretamente do Fórmula 1 que a Ferrari utilizou em 1990, no Ferrari 641.

Naturalmente que o motor foi adaptado à utilização em estrada, com a cilindrada a passar dos 3,5 litros para 4,7 litros. Os 520 cv são alcançados às 8.500 rpm, com a linha vermelha perto das 10.000 rotações. Impressionante.

Rolls-Royce Phantom

Rolls Royce Phantom

Os V12 não são sinónimos apenas de performance e som brutal, são também sinónimos de refinado. E que melhor exemplo que o Rolls-Royce Phantom. O motor V12 do Phantom é derivado do motor BMW N74 de 48 válvulas e 6,75 litros. É capaz de debitar 460 cv e 720 Nm, permitindo que esta luxuosa nave acelere de zero a cem em 5,7 segundos.

Aston Martin One-77

Aston Martin One-77

A saga dos motores V12 não seria a mesma sem a Aston Martin. A marca britânica sabe utilizá-los na perfeição, aliando requinte, potência e sensações únicas. O One-77 culminou na série de V12 naturalmente aspirados da Aston Martin, que começaram com o AE28, criado a partir de dois motores V6

Jaguar E-Type

Jaguar E-Type

O E-Type original de 1961 contava com 3.8 litros em linha, mas quando os modelos da série III chegaram, em 1971, o E-Type passou a dispor de um mais nobre V12 de 5,3 litros. O motor permaneceu em produção até 1997, crescendo para 6,0 litros que equipou o XJS dos anos 90 e chegou a oferecer 318 cv.

BMW Série 7 (760Li)

Bmw série 7

A BMW disponibilizou motores V12 em alguns dos seus modelos topo de gama, como o mais recente 760Li xDrive. O V12 biturbo de 6.6 litros N74B66 é capaz de debitar 602 cv que faz dele um dos BMW mais rápidos de sempre. Uma variação deste motor encontra-se no Rolls-Royce Ghost. A versão anterior não turbo do N73 também foi utilizada no Rolls-Royce Phantom, bem como na geração anterior do Série 7.

E a gasóleo?

Audi Q7 V12 TDi

Audi Q7

A Audi foi a primeira e única marca a disponibilizar um motor V12 a… gasóleo. Foi no Q7, um V12 de 6 litros a gasóleo capaz de debitar uma potencia de 500cv e 1000 Nm de binário máximo… às 1750 rpm.

A ideia e objetivo era transpor a tecnologia de Le Mans para veículos de estrada. Era capaz de acelerar dos 0 aos 100 km/h em escassos 5,5 segundos e gastar 11,3 litros aos 100 km.

A Audi ainda chegou a apresentar em 2008 o protótipo de um R8 V12 TDi. Mas tudo não passou das intenções…

Veja também