ebook
Ebook Finanças (s)em Crise
Um guia para tempos complicados
Assunção Duarte
Assunção Duarte
17 Fev, 2021 - 13:03

Os parasitas intestinais dos animais que podem infectar os tutores‬

Assunção Duarte

Saiba quais são as doenças que os parasitas intestinais do seu animal de estimação lhe podem transmitir e faça tudo para as evitar.

animais que transmitem parasitas intestinais

Os parasitas intestinais dos pets são parasitas internos que afectam cães, gatos e outros animais domésticos como coelhos ou aves. É uma situação bastante comum e que pode afectar o seu melhor amigo em algum momento da sua vida. É por isso importante estar alerta e saber o que pode fazer para minimizar o risco que esses parasitas podem representar para a saúde do seu pet e da sua família.

Parasitas intestinais: as doenças zoonóticas

Uma doença zoonótica ou zoonose é uma doença transmitida de animais para seres humanos. Estas doenças são causadas por diversos microrganismos que incluem os parasitas, os vírus, as bactérias ou fungos. Podem ser transmitidas por contacto direto, através da pele, saliva, sangue, urina ou fezes, ou por contacto indireto, através de áreas onde o animal habita.

As doenças zoonóticas podem igualmente ser transmitidas por vetores, isto é, através de outros animais como mosquitos, carraças, pulgas, ou através de água ou alimentos contaminados. Se não forem prevenidas ou tratadas, as zoonoses podem provocar desde simples irritações de pele até doenças potencialmente fatais para o seu animal e para a sua família.

raças de cães para crianças

Parasitas intestinais: os mais frequentes

Coccídeos 

São parasitas intestinais que sobrevivem no solo por bastante tempo e podem contaminar água e alimento. São muito comuns em cães, coelhos, aves e outros animais, e podem passar facilmente entre hospedeiros através do contacto com as fezes infectadas. 

Mais frequentes em países com graves problemas sanitários eles podem causar diarreia com sangue e ser especialmente graves nos cães mais jovens e nas crianças. 

Ancilóstomos

Fixam-se na parede do intestino para se alimentar do sangue do hospedeiro. Os seus ovos passam para o ambiente através das fezes do animal infectado. Podem passar para humanos se estes pisarem ou tocarem as fezes infectadas.

No início da infecção o hospedeiro sente uma erupção cutânea no local de entrada da larva e alguns sintomas gastrointestinais. Se não for tratada pode provocar anemia.

Lombrigas

São muito comuns nos cães e gatos bebés já que estes podem ser infectados pela própria mãe. Muitos não apresentam sinais de infecção, mas se for grave acabam por apresentar diarreia, vómitos, perda de peso, pelo baço e zona abdominal dilatada. 

Os humanos podem ser infectados através das fezes de um animal doente. Não tratada, a infecção pode provocar problemas oculares, pulmonares, cardíacos e neurológicos.

Ténias

Outro parasita muito comum que se agarra ao intestino do seu cão ou gato. Podem facilmente ser diagnosticadas se o tutor encontrar segmentos do parasita brancos nas fezes do animal ou na zona onde este dorme. Parecem grãos de arroz ou sementes muito pequenas. 

Nos humanos, algumas espécies de ténias podem causar apenas desconforto abdominal, diarreia e perda de peso, mas outras podem provocar doenças graves formando pequenos tumores em diferentes órgãos.

Toxoplasmose

Uma doença parasitária que afeta muitos animais, mas é nos gatos que o parasita completa o seu ciclo de vida. Estes recebem formas imaturas do parasita ao comer outros animais infectados, como ratos por exemplo. O parasita faz o seu ciclo de vida e é depois disseminando pelas fezes do gato.

Os animais infectados, inclusive o gato, não apresentam sintomas, mas podem vir a desenvolver diarreia ou problemas respiratórios e oculares. Sem grandes sintomas associados aos humanos, a toxoplasmose pode ser uma doença grave especialmente para as mulheres grávidas já que pode prejudicar o normal desenvolvimento do seu bebé.

Gato morde-lhe nas mãos
Não perca O gato morde-lhe as mãos? A culpa pode ser das suas brincadeiras

Como pode proteger-se

Protegendo o animal de estimação

Desparasitar regularmente o seu pet, tanto para os parasitas internos de que falamos aqui, como para os parasitos externos, como pulgas, carraças ou mosquitos, é o primeiro passo. Peça conselho ao seu veterinário sobre qual a medicação a fazer e com que periodicidade. Desde modo vai minimizar à partida qualquer risco de infecção. 

Lave bem as mãos 

Depois de brincar com o seu animal, depois de o limpar ou depois de limpar as suas fezes ou habitáculo. Este conselho é particularmente importante se depois de praticar qualquer uma destas atividades for manusear alimentos.

Separe a loiça e os utensílios 

Tudo o que for do animal deve ser separado e lavado à parte. O mesmo acontece com o local onde prepara a sua alimentação e a do seu animal. Nunca use os mesmo utensílios.

Não o deixe tocar na alimentação e na sua boca

Evite que o seu pet entre em contacto com os seus alimentos e não deixe que lhe lamba a boca ou alguma ferida que tenha aberta.

Não alimente com carne crua

Mesmo que ele goste muito, cozinhe sempre bem a sua carne. A carne crua pode conter vários parasitas ainda vivos que depois vão colonizar o animal que a comer. Especialmente se for carne de porco.

Evite que partilhe a sua cama

Habitue o seu animal a ter a sua própria cama. Se não conseguir de todo evitar, deixe-o ficar aos pés da cama e numa manta própria que deve higienizar regularmente.

Limpe rapidamente as suas fezes 

Não deixe ficar as suas fezes em casa, nas caixinhas dos gatos, ou mesmo no jardim. Deve remover qualquer urina ou fezes logo que possa e de forma higiénica. Deve fazê-lo preferencialmente usando luvas e evitando respirar de perto durante a operação.

Cuidados com pessoas doentes

Redobre todos estes cuidados se o seu pet conviver com crianças muito pequenas, idosos ou pessoas com sistema imunitário deficiente.

Veja também