Marta Maia
Marta Maia
21 Mar, 2019 - 10:53
Passe único de Lisboa chega em abril. Saiba o que vai mudar

Passe único de Lisboa chega em abril. Saiba o que vai mudar

Marta Maia

Está confirmado o passe único em Lisboa e, com ele, chegam novidades e mudanças. Saiba tudo sobre as novas mensalidades dos transportes.

O artigo continua após o anúncio

As novidades são boas para os utilizadores dos transportes públicos em torno da capital: o passe único de Lisboa é uma realidade confirmada pelas autoridades e isso pode significar uma boa poupança no final do mês.

A Área Metropolitana de Lisboa anunciou, a partir de abril, uma “revolução na mobilidade urbana”, que se inicia com a simplificação do tarifário e a criação de um passe único nos transportes públicos dos 18 concelhos que a compõem.

As perguntas, claro, sucedem-se, mas as respostas seguem-nas a bom ritmo. No geral, tudo parece pensado para que a utilização dos transportes públicos ganhe força e perca peso na carteira. No detalhe, contudo, há coisas que ainda não sabemos como vão ficar. Veja tudo, ponto por ponto.

Passe único de Lisboa: 9 perguntas e respostas

1. O que é o passe único de Lisboa?

O passe único de Lisboa é um bilhete mensal que lhe permite viajar em toda a rede de transportes públicos da capital portuguesa a um preço reduzido, face aos que eram praticados até agora.

passe único em Lisboa

2. Que tipos de passe único posso encontrar?

A medida implementada pelo Governo divide os utilizadores dos transportes públicos de Lisboa em dois grupos: os que viajam sempre e apenas dentro da cidade e os que circulam entre a capital e os municípios vizinhos, circulando dentro do perímetro que é conhecido como Área Metropolitana de Lisboa.

Para os primeiros, que não saem da cidade, foi criado o Navegante Municipal: um passe mensal que custa 30 euros e serve para todos os transportes da rede. O preço é igual para todos e independente da distância que percorre ou da frequência com que viaja.

São também criados 18 passes Navegante Municipal, um para cada dos 18 concelhos que integram a AML e, neste caso, permite apenas viajar no concelho para o qual foi adquirido por 30 euros.

Para os segundos foi criado o Navegante Metropolitano, que custa 40 euros e permite viajar dentro de toda a Área Metropolitana de Lisboa, ou seja, em Alcochete, Almada, Amadora, Barreiro, Cascais, Lisboa, Loures, Mafra, Moita, Montijo, Odivelas, Oeiras, Palmela, Seixal, Sesimbra, Setúbal, Sintra e Vila Franca de Xira.

O artigo continua após o anúncio

3. Quem pode beneficiar do passe único em Lisboa?

Todos os utilizadores dos transportes públicos da Área Metropolitana de Lisboa podem beneficiar do passe único, só têm de comprá-lo nas bilheteiras.

4. Como se carrega o passe único?

Da mesma forma que, até aqui, carregou o outro passe: nas bilheteiras ou no multibanco. Tenha apenas em consideração que o passe único de Lisboa é válido por um mês, e não por 30 dias, como acontecia até aqui com os passes tradicionais.

Isto significa que, independentemente do dia em que o compra, o passe único só é válido para aquele mês – ou seja, compensa mais se comprar logo nos primeiros dias de cada mês.

passe único em Lisboa

5. O que acontece às tarifas especiais para reformados?

Os descontos para reformados mantêm-se: continuam a pagar 20 euros para circular dentro da Área Metropolitana de Lisboa e 15 euros para circular dentro da capital. Para estes, não se aplica o passe único de Lisboa, porque é mais caro do que o desconto que têm atualmente.

6. E os descontos para estudantes e carenciados?

Tal como as tarifas especiais para idosos, os descontos nos passes para estudantes e beneficiários de ação social mantêm-se no passe único de Lisboa.

Portadores do passe 4_18 (destinado a jovens até aos 18 anos, estudantes do ensino básico e secundário) e do passe Sub_23 (para estudantes do Ensino Superior até aos 23 anos) continuam a beneficiar de 25% de desconto, e beneficiários de ação social continuam a ter um desconto de 60% na tarifa.

A diferença agora é que, em vez de serem aplicados sobre o valor total do passe original, estes descontos passam a ser aplicados sobre o valor do passe único de Lisboa, isto é, estudantes têm 25% de desconto sobre os 40 euros do passe único de Lisboa e beneficiários de ação social pagam apenas 60% do mesmo valor.

As crianças até ao mês em que completam os 13 anos podem viajar gratuitamente em toda a AML com o cartão Lisboa Viva.

O artigo continua após o anúncio

7. Em que meios de transporte é válido?

O passe único é válido em todos os meios de transporte público de um concelho, no caso do Navegante Municipal, ou dos municípios da AML, no caso do Navegante Metropolitano, nomeadamente: CP – Comboios de Portugal, Fertagus, incluindo os serviços rodoviários da Sulfertagus, Metropolitano de Lisboa, MTS – Metro Transportes do Sul, SOFLUSA, Transtejo, Carris, Mobi (Cascais Próxima, Empresa Municipal), Transportes Coletivos do Barreiro (TCB), Barraqueiro Transportes, incluindo parte das marcas Mafrense e Boa Viagem, Henrique Leonardo Mota (HLM), Isidoro Duarte (ID), JJ-Santo António, Rodoviária de Lisboa, Scotturb, TST, incluindo serviços da SulFertagus, e Vimeca Transportes.

8. Quando posso comprar o passe único em Lisboa?

O passe único de Lisboa começa a ser vendido a 26 de março, mas só entra em vigor no dia 1 de abril. Se precisa de carregar o seu passe, o nosso conselho é que procure a bilheteira com antecedência, para chegar ao dia 1 já preparado para circular a preço baixo.

9. E se não comprar a tempo?

A pensar nos utilizadores que, por algum motivo, não compraram o passe no início do mês e agora precisam dele por menos tempo, foi criada uma edição especial do passe único que custa 10 euros e é válida por sete dias. Pode usá-la até terminar o mês corrente e depois comprar o verdadeiro passe único.

passe único em Lisboa

O Passe Família

Além do passe único de Lisboa, o Governo pensou ainda em criar o Passe Família. Este bilhete ainda não existe, mas, a ser criado, vai aliviar a carteira de muitas famílias: ele estabelece um valor máximo a gastar pelo agregado familiar nos passes de cada elemento.

A ideia é que, por exemplo, um agregado familiar de quatro pessoas – dois adultos e dois estudantes – não pague mais do que 80 euros pelos passes todos (se cada um pagar o seu, são, pelo menos, 80 euros dos pais mais algumas dezenas pelos passes dos filhos).

O limite desce para 60 euros se em causa estiverem apenas Navegantes Municipais, ou seja, se forem passes para circular sem sair da cidade.

Veja também: