Ana Luisa Santo
Ana Luisa Santo
23 Jun, 2017 - 12:03
Preparação para os exames: aprenda a gerir expectativas e a ansiedade

Preparação para os exames: aprenda a gerir expectativas e a ansiedade

Ana Luisa Santo

Depois de uma longa jornada académica, chegam os exames e com eles a pressão e a ansiedade de alcançar o resultado tão desejado. Prepare-se com serenidade!

O artigo continua após o anúncio

Nesta época de exames, é necessário otimizar o rendimento mental e cognitivo para fazer frente às exigências académicas. A concentração, memória, raciocínio, ansiedade e gestão de expectativas são ingredientes que influenciam a performance dos estudantes nesta época tão crucial do ano letivo.

O cansaço, o calor, a pressão dos resultados e uma enorme vontade de chegar ao fim com boa classificação tornam a época de exames um momento stressante e desgastante para os estudantes.

Para uns, o compromisso é enorme, para outros é mais relaxado. Mas um exame é sempre um momento de prova e averiguação sobre os conhecimentos adquiridos pelo estudo e empenho ao longo do ano. O resultado é uma espécie de sentença ou recompensa desse mesmo esforço. Deste facto nascem as expectativas e a ansiedade, tornando os resultados das classificações pouco proporcionais ao esforço e mais o reflexo da tal ansiedade e nervosismo.

Portanto, nem sempre é linear: muito trabalho e muito estudo, resultados pouco satisfatórios! A gestão de expectativas é uma habilidade mental e emocional extremamente fundamental para conseguirmos sobreviver equilibradamente a todas provações na vida, especialmente na época de exames. Deste equilíbrio surge naturalmente a concentração, a capacidade de raciocínio, e a memória mais avivada.

como gerir expectativas para exames

Como gerir expectativas?

Orientando a nossa atenção apenas para o estudo, no presente, e não para a ânsia dos resultados que virão no futuro. Apenas podemos controlar a nossa ação e o nosso trabalho no aqui e no agora, não podemos decidir o resultado dessa ação e desse trabalho no futuro. Nem devemos condicionar o nosso bem-estar e a nossa entrega à missão de estudo na época de exames pelos resultados que pretendemos dos mesmos!

Se os resultados ou os frutos são a única motivação para o trabalho e estudo, é provável que surja o medo de uma má nota ou o desejo de uma boa nota. Este medo e este desejo projetam a concentração e atenção no futuro e não no presente. Bloqueando muitos dos mecanismos essenciais do intelecto.

O segredo está em agir com o foco nas possibilidades que temos diante de nós no presente, estudando com toda a entrega, desfrutando dos intervalos, saboreando as refeições, dormindo todo o sono necessário. Sem nos apoiarmos na incerteza do que virá, da sentença ou da recompensa, livre de medo e de desejo!

Esta atitude de não temer, não ansiar, faz com sejamos mais livres e mais satisfeitos enquanto estudamos. Esta liberdade amplia o nosso espaço cognitivo, tornamo-nos mais fortes, sem fantasmas. Fomenta a concentração, aguça a memória, estimula a espontaneidade e a criatividade. E o mais incrível é que quando vivemos plenamente e com dedicação, sem medo do que vai acontecer, as nossas expectativas convertem-se em abertura. Recebemos de braços abertos o resultado que o exame nos trouxer!

O artigo continua após o anúncio

Veja também: