Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Inês Silva
Inês Silva
13 Jul, 2020 - 11:39

Prova escolar 2020: obrigatória para maiores de 16 anos

Inês Silva

A prova escolar deve ser feita para jovens entre os 16 e os 24 anos para manter o acesso ao abono de família e bolsas de estudo. Saiba mais.

professora-a-falar-com-alunos-sobre-prova-escolar

A apresentação da prova escolar à Segurança Social deve ser feita, até ao final de julho, para os alunos a partir dos 16 anos ou que completem essa idade até ao final do ano letivo para garantir às famílias o pagamento das prestações sociais a que têm direito, nomeadamente o Abono de Família para Crianças e Jovens ou Bolsa de Estudo. Esta prova é efetuada através da Internet por declaração prestada no Serviço Segurança Social Direta.

Os alunos menores de 16 anos estão dispensados de fazer esta prova anual da situação escolar. Esta dispensa iniciou-se no ano letivo transato, Portaria n.º 191/2019, com a intenção de ser aplicada de forma faseada para abranger, posteriormente, também os alunos do ensino superior.

PROVA ESCOLAR 2020: O QUE É, QUEM TEM QUE FAZER, QUEM ESTÁ DISPENSADO E COMO FAZER

professora na sala de aula fala sobre prova escolar

O que é?

A prova de situação escolar à Segurança Social é uma prova de matrícula num estabelecimento de ensino e é exigida para manter o acesso ao Abono de Família para Crianças e Jovens ou Bolsa de Estudo.

A falta de prova de matrícula, nos casos em que a mesma é obrigatória, implica a suspensão do pagamento do Abono de Família para Crianças e Jovens ou da Bolsa de Estudo.

A prova de situação escolar é feita todos os anos através da Segurança Social Direta.

Quem tem que fazer?

Jovens com mais de 16 anos de idade (24 anos em caso de deficiência) ou que completem essa idade no decurso do ano escolar, matriculados no ensino básico, secundário, superior ou equivalente (curso de formação profissional que dê equivalência) para continuar a receber Abono de Família para Crianças e Jovens.

Para receber a Bolsa de Estudo, jovens matriculados no 10.º, no 11.º ou no 12.º ano de escolaridade, ou nível de escolaridade equivalente; estejam no 1.º ou no 2.º escalão de abono de família ou que tenham idade inferior a 18 anos no início do ano escolar.

Quem não tem que fazer?

Não têm que a fazer os alunos menores de 16 anos.

Atenção: jovens com idade superior a 14 anos, ou que completem essa idade até 31 de agosto, não estando obrigados a fazer a prova de situação escolar para efeito de Abono de Família, devem fazer a prova de matrícula para efeito de atribuição de Bolsa de Estudo, se estiverem matriculados no 10.º, 11.º ou 12.º ano de escolaridade e caso se encontrem no 1º ou no 2º escalão do abono de família.

Não têm que fazer esta prova os jovens portadores de deficiência, com idade inferior a 24 anos, para manterem o direito ao Abono de Família.

Atenção: Se o jovem com deficiência reunir as condições para atribuição da bolsa de estudo do ensino secundário, a prova é indispensável para se poder fazer o respetivo pagamento.

Como fazer?

Para aqueles que não estejam dispensados da sua apresentação, a prova de matrícula deve ser feita pela pessoa a quem está a ser pago o Abono de Família ou Bolsa de Estudo, normalmente o pai, a mãe ou outro adulto responsável pela criança ou jovem. Deve ser efetuada uma prova para cada titular de Abono de Família.

A prova de situação escolar é feita apenas na Internet, por declaração prestada, e, para o fazer, é necessário estar inscrito na Segurança Social Direta e ter a palavra-chave que lhe foi atribuída.

Quem já está inscrito deve seguir os seguintes passos:

  1. Aceder ao site da Segurança Social e clicar em Segurança Social Direta;
  2. Fazer o login, indicando os dados de acesso solicitados: Número de Identificação da Segurança Social (NISS) e palavra-chave;
  3. No menu, selecionar o separador “Família”;
  4. No separador “Família”, clicar na área “Abono de Família”;
  5. Na área “Abono de Família”, selecionar a opção “Prova de Situação Escolar”;
  6. Nesta opção “Prova de Situação Escolar”, carregar em “Enviar Prova de Situação Escolar”;
  7. Na janela que surge, clicar em “Seguinte”;
  8. Na nova janela, clicar em “Fazer Prova”;
  9. Preencher os campos solicitados: tipo de estabelecimento de ensino, nível de ensino ou equivalente, ano de escolaridade, estabelecimento de ensino ou formação profissional, aproveitamento no ano letivo anterior e distrito / concelho / freguesia;
  10. Terminado o preenchimento, clicar em “Seguinte”;
  11. Confirmar se as informações introduzidas estão corretas, assinalando o quadrado com o visto e depois premir em “Registar”. Depois deste passo, a prova fica concluída;
  12. Por fim, imprimir comprovativo de entrega ou clicar em “Fazer outra Prova Escolar”, se for esse o caso.

Se não está inscrito, para pedir a senha, aceda ao site da Segurança Social Direta e siga estes passos:

  1. Clicar em “Efetuar Registo”;
  2. Introduzir o número de identificação da segurança Social (NISS) e preencher os dados pedidos;
  3. Carregar em “Prosseguir”;
  4. Aceitar os termos e condições do serviço;
  5. Preencher os dados de identificação e contactos;
  6. Indicar como quer receber o código de verificação, se por SMS ou por correio eletrónico;
  7. Depois de recebido o código de verificação no telemóvel ou na caixa de email, insira o código e carregue em confirmar;
  8. Finalize o processo definindo uma palavra-chave e para futuros acessos, basta inserir o NISS e a palavra-chave previamente definida.

PRAZOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROVA ESCOLAR

Normalmente, a apresentação da prova de matrícula deve ser feita até final de julho. No ano letivo de 2019/2020 o prazo foi prorrogado para 9 de agosto. Para este ano, ainda não há informações sobre prorrogações do prazo estabelecido.

Se não cumprir com o prazo estabelecido, o Abono de Família será suspenso logo a partir do início do ano escolar, em setembro.

Caso apresente a prova depois de terminado este prazo, até 31 de dezembro do ano escolar em curso, é levantada a suspensão e feito o pagamento das prestações suspensas.

Se o fizer a partir do dia 1 de janeiro do ano seguinte àquele em que deveria ter sido feita, sem que apresente justificação, perde o direito às prestações suspensas, retomando o pagamento apenas a partir do dia 1 do mês seguinte ao da realização.

Veja também

Aviso Legal

O Ekonomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O Ekonomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].