Teresa Campos
Teresa Campos
19 Nov, 2020 - 10:25

Psoríase: sintomas e formas de tratamento e controlo da doença

Teresa Campos

A psoríase é uma doença de pele que pode afetar a auto-estima dos seus portadores. Conheça este problema que é crónico, mas não é contagioso.

pessoa com psoríase nos braços

A psoríase é uma doença dermatológica, não contagiosa, inflamatória, sistémica, crónica e autoimune. Na sua origem, está uma aceleração do crescimento das células da pele. A psoríase atinge 1% a 3% da população e pode afetar qualquer parte do corpo, nomeadamente cotovelos, joelhos, couro cabeludo, unhas, região lombar, nádegas, sobrancelhas, axilas e umbigo.

Geralmente, manifesta-se entre os 15 e os 30 anos de idade, podendo também surgir entre os 50 e os 60 anos. Por vezes, o aparecimento da psoríase pode estar relacionado com outras doenças, como diabetes, doença cardíaca e depressão. Fique a saber mais.

Psoríase: fique a saber mais sobre esta doença de pele

Sintomas

Os sintomas de psoríase podem ser leves, moderados ou graves, em função do tipo e da área atingida. Na grande maioria dos casos, esta doença tem uma sintomatologia ligeira, o que não significa que não possa afetar a qualidade de vida dos doentes.

O tipo de psoríase mais frequente é a de placas que, normalmente, se manifesta através de placas espessas, elevadas, descamativas e avermelhadas, cobertas por uma área esbranquiçada que causam prurido. Esta tipologia costuma afetar o couro cabeludo, o pescoço, a face e/ou as regiões retroauriculares.

pessoa a coçar psoríase no braço

Tipos de psoríase

Há vários tipos de psoríase, a saber:

  • De placas: a tipologia mais comum de psoríase;
  • Artrite psoriática: manifesta-se através da dor e deformação das articulações das mãos, pés, membros ou coluna, tornando-se incapacitantes e atingido aproximadamente 10% dos doentes;
  • Gutata: caraterizada por pequenas manchas vermelhas em forma de gota, mais comum entre crianças e jovens;
  • Inversa: normalmente, tratam-se de lesões vermelhas que surgem nas pregas de pele (axilas, virilhas e região infra-mamária);
  • Pustular: caraterizada por bolhas com pus rodeadas por pele avermelhada, que habitualmente aparecem nas palmas das mãos e nas plantas dos pés. Em alguns casos, pode causar febre.
  • Eritrodérmica: caraterizada por uma inflamação da pele, semelhante a uma queimadura, e acompanha de prurido intenso, dor e até aceleração do ritmo cardíaco.
  • Palmo-Plantar: caraterizada por placas muito secas e grossas que afetam, principalmente, as palmas das mãos e as plantas dos pés.
  • Ungueal: manifesta-se através de uma forma anormal de crescimento da unha, a qual engrossa e escama, podendo ainda apresentar depressões puntiformes ou manchas amareladas. Em algumas situações, a unha pode desprender-se da carne e esfarelar.

Causas

Apesar das causas da psoríase ainda não serem totalmente conhecidas, os especialistas acreditam que ela tenha uma grande influência genética.

Em alguns casos, a psoríase também pode surgir associada a stress, amigdalite, medicamentos (nomeadamente beta-bloqueantes, anti-maláricos e anti-inflamatórios), cortes, queimaduras solares ou clima frio e seco.

Diagnóstico e tratamento

O diagnóstico deste problema de saúde deve ser feito por um dermatologista, após estudo da história familiar, exame físico e, em algumas situações, biópsia de pele.

Como a psoríase conhece diferentes tipos, manifestações e afeta regiões diferentes do corpo, os tratamentos também podem variar. Algumas das terapêuticas indicadas passam pela fototerapia, por cremes, pomadas, champôs ou por medicamentos orais ou injetáveis.

Estes tipos de tratamentos têm como objetivo controlar a inflamação e a multiplicação das células da pele.

Doenças de pele: casos comuns, causas e sintomas
Veja também Doenças de pele: casos comuns, causas e sintomas

Prevenção

Embora não seja possível evitar a psoríase, é possível mantê-la controlada, seguindo todos os conselhos médicos, nomeadamente mantendo a pele seca e hidratada. É também importante evitar fatores agravantes como o stress, a ansiedade e o consumo de álcool e de tabaco.

Veja também