Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Ricardo Oliveira
Ricardo Oliveira
19 Jun, 2020 - 12:06

A pandemia vai acelerar o desenvolvimento da eletrificação automóvel

Ricardo Oliveira

Ricardo Oliveira, Diretor de Comunicação da Renault Portugal, reflete sobre o futuro da indústria automóvel pós COVID-19.

Ricardo Oliveira

Ainda é demasiado cedo para descortinar grandes tendências pós-COVID para o mercado automóvel. Desde logo porque a procura baixou a um tal ponto que não permite sequer aferir de eventuais mudanças de comportamento dos clientes.

De qualquer forma, existe uma tendência que se irá, possivelmente, acentuar nos período pós-pandemia (e pós-crise económica): o desenvolvimento da mobilidade sustentável e, de entre as soluções possíveis, a eletrificação do automóvel.

Esta era já uma tendência pré-pandemia e para a qual a generalidade dos construtores automóveis estava a apresentar uma resposta, mas, na Renault, estamos crentes que estão criadas as condições para uma significativa aceleração desta tendência.

É bastante unânime que temos de alterar os nossos hábitos, e entre eles os nossos hábitos de consumo. E que somos capazes de medir, a pandemia fê-lo inadvertidamente através do confinamento, o impacto das atividades humanas no planeta.

As anunciadas decisões políticas (inclusivamente ligadas aos pacotes de ajuda às economias dos países da UE) parecem ir neste sentido e a mobilidade, e logo o automóvel, será evidentemente impactado.

Os mercados recuperarão porque a mobilidade individual continuará a existir. Mas pensamos que a aceleração das políticas ligadas ao desenvolvimento da mobilidade elétrica, da qual a Renault foi absolutamente pioneira, terão um impacto profundo na indústria nos próximos anos.

De que modo a Renault Portugal se preparou para esta pandemia? 

Na Renault sabemos que cerca de 90% dos nossos clientes obtêm online a informação que pretendem sobre os nossos produtos.

Sabemos também que prestar informação não é suficiente e que é necessário criar um verdadeiro canal de contacto online com o cliente quer para a venda quer para o após-venda. Através do nosso site www.renault.pt qualquer cliente já pode entrar em contacto direto e interativo quer com a marca ou com os seus concessionários.

Mas não pretendemos avançar para a venda online. Queremos continuar a manter o ponto de contacto físico com o cliente e, sobretudo, porque acreditamos que é um elemento diferenciador e determinante para a decisão final, queremos continuar a manter o contacto dos clientes com os nossos produtos através dos ensaios. 

Que ilações a Renault Portugal levará para uma futura “normalidade”?

Renault Zoe

A digitalização do contacto é, também, uma tendência inquestionável. Já era uma opção estratégica da marca antes da pandemia (a Renault dispunha já, desde há vários anos, para as suas marcas Renault e Dacia dos serviços MyRenault e MyDacia através do qual os clientes podiam interagir com as marcas e inclusivamente dispor de serviços nomeadamente ligados à mobilidade elétrica) e será desenvolvida no futuro para proporcionar um verdadeiro diálogo entre a marca e os seus clientes.

Mas manter uma rede comercial, responsável pela concretização das vendas, é uma opção estratégica que iremos manter.

Veja também