Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Ana Graça
Ana Graça
09 Jul, 2018 - 15:53

Sangramento na gravidez é motivo de preocupação?

Ana Graça

O sangramento na gravidez é bastante comum, no entanto, não deixa de ser preocupante e as futuras mães devem procurar ajuda médica. Fique a saber tudo!

Sangramento na gravidez é motivo de preocupação?

O sangramento na gravidez é sempre uma situação alarmante para as futuras mamãs. É uma complicação comum em todas as fases da gravidez, sendo que há dados que indicam que surge no 1º trimestre em 27% de todas as gestações.

As possíveis causas de sangramento na gravidez variam durante o curso da gestação, e em cerca de metade dos episódios a causa da hemorragia não é conhecida. Independentemente da perda de sangue ser ou não escassa, esta deve ser sempre comunicada ao médico, para que avalie a situação.

Sangramento na gravidez: 1º trimestre

As causas do sangramento na gravidez mais comuns no 1º trimestre de gestação podem ser várias, nomeadamente: a ameaça de abortamento; o abortamento espontâneo; a gravidez ectópica (implantação do produto da conceção numa localização anómala, isto é, fora do útero) e a doença trofoblástica gestacional.

sangramento na gravidez no 1º trimestre

Sangramento na gravidez: 2ª metade da gestação

A perda de sangue após as 20 semanas de gravidez é menos frequente e deve ser avaliada de forma mais rápida e urgente, particularmente se for abundante e acompanhada de dor ou contração. Nesta fase da gestação, uma hemorragia significativa pode não só ser um risco para a mãe, como também colocar em causa a sobrevivência do feto.

Na 2ª metade da gestação cerca de 60-70% das perdas de sangue têm causa placentar, ou seja, a placenta pode encontra-se na região mais inferior do útero, que se vai distendendo ao longo da gestação e que tem uma irrigação sanguínea diferente, causando o sangramento na gravidez.

Noutros casos, pode haver um descolamento de placenta. Raramente, este pode ocorrer numa área considerável da placenta, comprometendo de forma aguda o aporte de oxigénio e nutrientes ao feto, colocando-o em risco. Já a grávida, pode apresentar anemia grave e alterações da coagulação, pelo que se trata também de uma situação de elevado risco materno.

Hemorragia pós-parto

A hemorragia não acontece apenas na gravidez, podendo também verificar-se após o parto. A hemorragia pós-parto corresponde à perda de sangue excessiva nas primeiras 24 horas após o parto. Pode ocorrer de forma tardia, embora seja menos frequente.

A incapacidade do útero contrair corretamente é a principal causa para a hemorragia pós-parto e há importantes medidas que os profissionais de saúde implementam para que tal não aconteça, nomeadamente: dar oxitocina à mãe e fazer massagem uterina; tração do cordão umbilical (para ajudar à saída da placenta).

O adequado seguimento médico da gravidez e o parto em ambiente hospitalar, com uma equipa treinada para lidar com estas situações, é fundamental.

Em suma

O sangramento na gravidez é sempre causa de grande ansiedade e motivo para consultar o médico assistente. É natural que assim seja, já que a perda de sangue na gravidez é bastante comum e pode ter resultados adversos. Contudo, na maioria dos casos, a gravidez prossegue normalmente.

Veja também: