Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
30 Jun, 2020 - 16:21

Supermercados online: como estão a responder após o confinamento

Mónica Carvalho

No período de emergência, os supermercados online nem sempre foram uma alternativa viável. E agora, estarão a dar respostas mais rápidas? Fizemos o teste.

supermercados online

Fazer compras nos supermercados online foi, durante o período de confinamento obrigatório, algo que levou muitos portugueses ao desespero: sites que não funcionavam devidamente, bloqueios constantes, limitação de produtos disponíveis e prazos de entrega de mais de trinta dias.

Com a maior parte do território português a entrar em estado de alerta, o nível mais baixo de emergência, muitas empresas e serviços retomaram a atividade e funcionam agora dentro da normalidade possível.

E no caso dos supermercados online? Estarão os problemas com que nos deparámos há cerca de três meses realmente ultrapassados? Fizemos novamente o teste: preparámos a nossa lista de compras, percorremos as lojas online das várias cadeias a operar em Portugal e avançamos com a encomenda. De seguida, partilhamos consigo os resultados.

Supermercados online: saiba com o que pode contar

As compras online são uma grande ajuda a quem não tem possibilidade ou tempo de se deslocar a uma loja física. Durante a quarentena voluntária ou obrigatória, este serviço foi, para muitos, a única alternativa para adquirir o que era necessário, desde mercearia, a produtos de higiene e limpeza, entre outras categorias.

No entanto, devido ao aumento exponencial da procura registado em meados de março, altura em que avaliámos as lojas online dos principais supermercados, encontrámos várias falhas e constrangimentos no processo de compra. Como será que estão agora?

compras mercearias online

Auchan

Em março, a Auchan criou uma fila de espera virtual, o que significava que era preciso aguardar online até conseguir entrar no site da marca para poder fazer as suas compras.

Não havia estimativa para o tempo de espera, visto que as únicas informações disponibilizadas eram “A hora estimada para aceder ao site: mais do que uma hora” seguido de “Poderá aceder ao site em: mais do que uma hora”. Esta questão obrigava a estar sempre ligado e atento ao browser de internet, caso contrário, ao sair da fila perdia o lugar. Assim o fizemos e, mais de três horas depois, ainda não tínhamos conseguido entrar no site da Auchan para fazer as compras.

Para dar resposta a estas dificuldades, no final de abril a marca criou um novo serviço chamado “Despensa à Porta”, que possibilitava a compra de um conjunto de essenciais (como mercearia, produtos para bebé ou artigos de beleza e higiene) com entregas em casa, no prazo máximo de 72 horas. O serviço, entretanto, foi descontinuado.

Por isso, as compras de hoje decorreram na loja online comum da Auchan e sem qualquer problema. A fila de espera já não existe, pudemos entrar no site sem dificuldades e cumprimos com a nossa check list que incluía artigos frescos, de mercearia e de higiene e limpeza.

Quanto à entrega, que tem um custo de 5,90€, conseguimos encontrar vários horários disponíveis ao longo desta semana.  

Ainda assim, reparámos na rutura de stock de alguns produtos, o que pode provocar constrangimentos a quem os procura.

Froiz

Em março, fazer compras no Froiz, era algo que só poderia mesmo ser feito presencialmente, visto que a loja online não se encontrava sequer em funcionamento.

A marca alertava para isso mesmo, com a mensagem na página principal “Estimados clientes: Informamos que devido à grande afluência de encomendas, temporariamente, não realizaremos entregas de encomendas online na sua zona. Todas as nossas lojas físicas vão permanecer abertas de segunda a domingo para facilitar as suas compras.”

Hoje, o cenário é bastante diferente. Já é possível avançar com as compras a partir de casa e encontrar vagas para entrega no própria dia em que realizamos a encomenda. Se o valor for superior a 100€, a entrega é gratuita. Para compras entre os 50 e os 100€ paga uma taxa de 2€ e se forem inferiores a 50€, a entrega tem um custo de 4€.

Continente

De todos os supermercados online, o Continente talvez seja um dos mais versáteis e, como tal, um dos mais procurados durante o estado de emergência. Também por esse motivo, as restrições que se fizeram sentir não foram, de todo, surpreendentes. A marca assumiu, então, “algumas limitações” no serviço.

No nosso caso, a principal dificuldade foi mesmo agendar a entrega, uma vez que só havia datas disponíveis para quase um mês depois da compra.

Tais limitações levaram a algumas mudanças e, à semelhança do que fez a Auchan, também o Continente criou uma solução para dar resposta às necessidades imediatas dos clientes.

Neste caso foram criados três cabazes de essenciais pré-definidos: um com produtos de mercearia (30€), outro com produtos de alimentação e higiene de crianças (21€) e ainda um terceiro com produtos de limpeza (21€).

Destes, só o último cabaz já não está disponível. Continua a poder adquirir qualquer um dos outros dois, pagando uma taxa de entrega de 3,99€. A encomenda é entregue em casa em qualquer dia útil.

Fora desse âmbito, o site já está a funcionar devidamente e com entregas bem mais rápidas: encontrámos até horários disponíveis para o próprio dia. Os custos de entrega começam nos 4,50€ e podem ir até aos 6,90€, de acordo com o horário e dia escolhido.

Também pode comprar packs do serviço “Entrega Zero”. Existem dois: um válido durante 100 dias, que custa 26,90€, e outro válido durante um ano, a 89,90€. Ambos pressupõem um valor mínimo de encomenda de 35€, valor esse que pode ser alterado mediante a localização geográfica. Com este serviço o cliente beneficia de entregas sem limites e sem custos adicionais no serviço de entrega.

Intermarché

No caso da cadeia de supermercados Intermaché, o panorama não se alterou.

Tal como em março, a insígnia do grupo os Mosqueteiros anuncia no seu site que realiza entregas em quase todo o país, além de disponibilizar o serviço de recolha em loja. O montante mínimo para encomendas varia consoante a loja e a modalidade de entrega (drive ou ao domicílio).

Mas, tal como acontecia há três meses, continuam a ser poucas as lojas que disponibilizam a compra online. No caso de um residente em Vila Nova de Gaia ou Porto, por exemplo, a loja mais perto é em Valongo, pelo que a opção de entrega em casa não está sequer disponível. Logo as compras terão de ser levantadas em loja.

Quanto à data de entrega, o Intermarché tão-pouco permite escolha. O cliente será contactado por telefone quando a encomenda estiver finalizada.

El Corte Inglés

Em março, aquando da nossa primeira tentativa em efetuar compras neste supermercado online, encontramos na página principal a seguinte informação: “Os dias e faixas de entrega para os próximos 7 dias estão completos. Não é possível fazer agendamentos neste momento. Lamentamos e estamos a trabalhar no sentido de melhorar a situação.”

Além disso, havia notórios constrangimentos no funcionamento do site, visto que ao clicar numa secção de artigos, ao invés de abrir a lista de produtos dessa mesma secção, eram exibidos produtos aleatórios e de pouca variedade.

Passados três meses, decidimos, então, experimentar novamente. E apesar de, desta vez, conseguirmos ver os produtos certos em cada secção, foi igualmente possível de observar que a disponibilidade é escassa, havendo muitos artigos em rutura de stock, em diferentes categorias.

Para as compras efetuadas neste supermercado online, a entrega é gratuita em encomendas superiores a 140€ e a partir de 100€, se pagar com cartão El Corte Inglés.

carrinho de compras supermercado

Pingo Doce

Em março, podia visitar a página do Pingo Doce, mas não mais do que isso. Assim que clicasse na opção loja online (via Mercadão) deparava-se com a seguinte mensagem: “Pico de Entregas: Entregas esgotadas nos próximos dias”. Comprar no Pingo Doce, por aquela via, revelou-se, então, uma tarefa impossível.

Desta vez, o cenário foi diferente e conseguimos realizar as nossas compras sem dificuldades, não tendo sido detetadas ruturas de stock, falta de variedade de produtos ou problemas no site. Nos horários para entrega encontramos grande escolha, sendo que era possível receber a encomenda em casa no próprio dia da compra.

Para comprar no Pingo Doce online, é exigida uma compra mínima de 50€ e as entregas são grátis acima de 100€, caso contrário poderá ter um custo de 5€ ou 6,5€, dependendo do horário de entrega que escolha. No entanto o serviço apenas está disponível em algumas zonas do país.

GoodAfter

Com uma proposta interessante, o GoodAfter comercializa apenas produtos perto do fim do prazo de consumo preferencial, ou mesmo com este prazo ultrapassado, mas sempre em ótimas condições, pois não são comercializados produtos frescos ou perecíveis.

Essa proposta permite que os produtos sejam vendidos com descontos até 70% e ajuda ainda a evitar o desperdício de alimentos.

Em março, quando tentamos adquirir produtos nesta loja online, não foi possível, visto que o site ia continuamente abaixo. “Esta página não está a funcionar goodafter.com não consegue processar este pedido de momento. HTTP ERROR 500.”

Mais de três meses depois, encontramos agora um site funcional, sem problemas de navegação e sem que tenhamos reparado em falta de produto. Nesse sentido, efetuámos as nossas compras sem qualquer dificuldade.

A entrega, entre 1 a 2 dias úteis, é gratuita para compras superiores a 49€, caso contrário terá de pagar 3,95€, para qualquer destino em Portugal continental. Se preferir, poderá fazer a sua encomenda até às 13h e levantar no próprio dia na GoodAfter no Hipercentro (Porto).

Dott

O Dott é um shopping online que permite a compra de diversos produtos, sejam eles de mercearia, livros, informática, produtos de beleza, roupa, eletrodomésticos, artigos para animais ou para crianças, entre muitas outras áreas. Como tal, antevia-se que fosse uma excelente ajuda para a altura em que os portugueses se encontravam em confinamento.

Todavia, na secção de supermercado e mercearia, a variedade de escolha não era muita e os produtos selecionados tinham datas de entrega muito díspares.

Desta vez foi mais fácil encontrar disponíveis os artigos que desejávamos comprar, e os períodos de entrega, ainda que variassem entre produtos, eram relativamente rápidos: entre 1 a 8 dias, no máximo.

No Dott a entrega é gratuita a partir de 39.99€. Também não há qualquer custo se optar pelo método de entrega “Básico”, em que é feita apenas uma tentativa de entrega. Nos restantes casos, terá de pagar uma taxa de entrega que se inicia nos 4,49€.

Minipreço

O Minipreço passa agora a integrar a lista dos supermercados que permitem compras online. Nesta fase inicial do projeto, o serviço apenas está disponível para todos os clientes da cidade de Lisboa. A previsão da marca é cobrir a área do Grande Porto, até ao final do ano, bem como outras geográficas que se justifiquem.

Estão disponíveis mais de 1.500 referências de produtos das mais variadas áreas e, pelos testes que fizemos, encontramos uma boa variedade de artigos, em diferentes categorias.

As entregas são gratuitas para compras superiores a 50€ mas o horário de entregas é mais reduzido comparativamente com outras lojas. Funciona entre as 10h e as 20h30.

Se fizer compras presenciais não se esqueça…

Se, no entanto, prefere as lojas físicas aos supermercados online, lembre-se que há cuidados que não deve descurar.

As regras são já conhecidas, mas nunca é demais recordar: mantenha o distanciamento social recomendado e use sempre máscara, evite tocar no que não vai comprar, respeite a sinalética das lojas e a lotação de pessoas.

Veja também