Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Marta Maia
Marta Maia Com Nídia Ferreira
02 Jul, 2020 - 13:49

Guia fiscal do interior: os benefícios de viver fora dos centros urbanos

Marta Maia Com Nídia Ferreira

Está a pensar mudar-se para o interior do país? Há incentivos fiscais às empresas e famílias que decidam sair das grandes cidades. Conheça-os.

viver-interior-beneficios-fiscais

Não é de hoje que o Estado português quer incentivar os cidadãos a mudarem-se para as regiões menos povoadas (e com menos atividades económicas) do país para combater a crescente desertificação. Mas foi a recente pandemia do novo coronavírus, que aguçou a vontade de muitos cidadãos em fazer vida nas zonas de menor concentração populacional.

Aproveitando a oportunidade, o Governo reuniu num documento, a que chamou de Guia Fiscal do Interior, as várias medidas de incentivo ao investimento no interior, bem como os benefícios fiscais destinados a famílias e empresas.

Guia fiscal do interior: Os apoios às famílias

Há vários apoios pensados para incentivar as famílias portuguesas a fixarem-se nas zonas interiores, nomeadamente benefícios dirigidos aos estudantes que aí frequentem estabelecimentos de ensino, assim como para os agregados que transfiram a sua residência permanente para estes territórios.

beneficios-fiscais

Aumento das deduções em IRS relativas a rendas

As famílias que se mudem para o interior beneficiam de um incentivo fiscal relevante: o aumento do limite das deduções de IRS relativas a encargos com rendas de imóveis.

Ao invés dos habituais 502€, as famílias que transfiram a sua residência permanente para áreas do interior, passam a poder deduzir as rendas da casa até um limite de 1000€ durante três anos consecutivos.

Tendo em conta que apenas são dedutíveis 15% desses encargos, o aumento do limite máximo pode representar um incentivo muito significativo para estas famílias. Vejamos um exemplo:

  • Uma família que habite em Lisboa e pague uma renda mensal de 600€ poderia deduzir, no final do ano, 15% x (600€ x 12) = 1.080€. No entanto, como o limite é de 502€, o benefício final acaba por ser de 502€;
  • Uma família que habite em Beja e pague uma renda mensal de 400€ poderia deduzir, no final do ano, 15% x (400€ x 12) = 720€. Como o limite é de 1.000€, o benefício final é de 720€.

Majoração dos gastos com educação

As despesas de educação e formação são dedutíveis à coleta de IRS em 30% do seu valor até um máximo de 800€. No entanto, para os estudantes inscritos em estabelecimentos de ensino localizados no interior do país, o valor suportado com despesas de educação é majorado em 10 pontos percentuais.

Por exemplo, uma propina de 871,52€ (conforme vigorou em diversas universidades no ano letivo de 2019/2020) permite uma dedução à coleta de IRS de:

  • 261,46€ (30% da propina) para um estudante que frequente estabelecimentos de ensino superior fora dos territórios do Interior (por exemplo, como Lisboa, Porto ou Coimbra)
  • 287,60€ (30% de 871,52 € x 1,1) para um estudante que frequente um estabelecimento de ensino superior localizado no Interior (por exemplo, como Évora ou Covilhã) – um benefício adicional de 26,14€

Além disso, se o estudante estiver deslocado, as despesas relativas à renda da casa também podem ser deduzidas no IRS como despesas de educação (até um limite de 300€). Nesse caso, o limite global para a dedução passa de 800€ para 1000€, desde que a diferença seja relativa às despesas com rendas.

estudante-deslocado
Veja também Estudante deslocado: como deduzir despesas com rendas no IRS

Quais Os apoios às empresas em vigor?

Para as empresas, os apoios traduzem-se em incentivos fiscais orientados à dinamização do tecido empresarial e a condições mais favoráveis para o investimento no Interior, premiando a criação de postos de trabalho e a contribuição ativa para o desenvolvimento regional.

Taxa reduzida de IRC

As PME com direção efetiva no Interior têm direito a uma taxa de IRC reduzida (12,5%) para os primeiros 25.000€ de matéria coletável. Com esta medida pretende-se reforçar o tecido empresarial do Interior.

Incentivo ao reinvestimento

As empresas do interior do país que reinvistam os seus lucros em investimentos relevantes realizados em territórios do Interior têm direito a uma majoração de 20% do benefício de dedução à coleta de IRC, que já está previsto no regime de Dedução por Lucros Retidos e Reinvestidos.

Condições fiscais mais favoráveis para atração do investimento

No âmbito do regime fiscal de apoio ao investimento (RFAI), as empresas que invistam em aplicações relevantes em atividades económicas consideradas estratégicas, beneficiam de condições mais favoráveis. Podem, nomeadamente, deduzir à coleta uma percentagem (pelo menos 10%) dos investimentos efetuados em aplicações relevantes, variáveis consoante a região.

Benefícios fiscais contratuais ao Investimento Produtivo

As empresas de setores-chave que efetuem projetos de investimento de 3 milhões de euros ou mais, beneficiam de condições mais vantajosas, sobretudo se esses investimentos forem aplicados em áreas menos desenvolvidas e reduzirem as assimetrias regionais.

Apoio à proteção da floresta

Os indivíduos (categoria B) e empresas que retirem rendimentos da gestão florestal beneficiam de dois tipos de incentivos: isenções e majorações.

Assim, as empresas e profissionais que adquiram imóveis localizados em áreas abrangidas por Zonas de Intervenção Florestal (ZIF) beneficiam da isenção do IMT, do imposto do selo e do IMI. Além disso, os gastos assumidos com a defesa e manutenção da floresta são majorados em sede de IRC e IRS, reduzindo a conta de imposto a pagar.

O conceito de “interior”

É importante salientar que, apesar do termo, não é necessário afastar-se da praia para ser abrangido pelas medidas de incentivo às regiões do interior. A zona de Setúbal, por exemplo, bem como algumas zonas da costa alentejana, também são abrangidas pelos apoios que referimos.

Isso deve-se ao facto de o conceito de “Interior” estar mais relacionado com a baixa concentração demográfica e de atividades económicas nestes territórios, do que propriamente com a sua localização geográfica. O que o Estado pretende é dinamizar as regiões mais enfraquecidas, deste ponto de vista, e não obrigatoriamente as regiões da fronteira com Espanha.

Na realidade, o “Interior” representa a maioria do território português: são 165 municípios completos mais 73 freguesias de outros municípios, que pode consultar na Portaria n.º 208/2017. Juntas, todas estas áreas não albergam mais do que 20% da população do país.

O que é o Guia Fiscal do Interior?

O Guia Fiscal do Interior é um documento criado pela Secretaria de Estado dos Assuntos Fiscais, com o apoio da Autoridade Tributária e Aduaneira.

Reúne todos os incentivos fiscais que já estão em vigor para os territórios do interior do país. Está disponível para download no site do Executivo.

Fontes

Veja também