Publicidade:

A importância da segunda infância no desenvolvimento da criança

A segunda infância, entre os três e os seis anos de idade, compreende importantes progressos no desenvolvimento dos mais novos.

A importância da segunda infância no desenvolvimento da criança
Conheça o que de mais relevante acontece nesta fase

Ainda que na segunda infância o crescimento das crianças seja mais lento em relação ao ritmo da fase anterior, a verdade é que nesta altura se dão progressos fundamentais. A segunda infância compreende o período situado entre os três e os seis anos de idade. Nesta fase, a criança terá progressos consideráveis na fala, no raciocínio, na coordenação motora, entre outros aspetos. Trata-se, portanto, de um estágio muito importante no desenvolvimento infantil.

Piaget deu à segunda infância o a designação de “estágio pré-operatório do desenvolvimento cognitivo, uma vez que, nesta fase, as crianças não estão preparadas para operações mentais lógicas, da mesma forma como isso irá acontecer na terceira infância, no chamado estágio operatório-concreto. De acordo com Piaget, na segunda infância, o pensamento simbólico expande-se, sendo esse o segundo maior estágio do desenvolvimento cognitivo.

Algumas metas alcançadas na segunda infância


segunda infancia

1. Desenvolvimento cognitivo

Neste estágio, a criança começa a fazer uso de símbolos e a entender a relação causa-consequência. Desenvolve também a capacidade de classificar pessoas, objetos ou acontecimentos em categorias. Desenvolve ainda relações de empatia e, apesar de ainda não possuir um pensamento lógico, tem noção de unidades e números.

2. Desenvolvimento motor

Na segunda infância, a criança sofre uma evolução a nível motor. Aos 3 anos, já consegue, por exemplo, subir escadas sem ajuda e saltar a uma distância de 35 a 60 cm. Com 4 anos, a criança já possui um maior controlo nos atos de arrancar, parar e girar e pode saltar a uma distância de 60 a 80 cm. Aos 5 anos, controla já totalmente os atos de arrancar, parar e girar, e consegue correr e saltar a uma distância de 70-90 cm.

Há também nesta fase uma melhoria nas habilidades motoras a nível do desenho, começando com formas irregulares e evoluindo para uma maior precisão das formas.

3. Desenvolvimento da linguagem

Também a linguagem sofre um grande desenvolvimento neste estágio. Assim é expectável que a criança aumente o seu vocabulário e melhore significativamente a forma como se exprime.

4. Desenvolvimento psicossocial

Nesta fase, dá-se o desenvolvimento da identidade da criança, desenvolvendo o autoconceito. É também nesta altura que deve ser trabalhada a autoestima, já que esta ajuda a criança na gestão das emoções, além de a estimular a explorar o desconhecido e a agregar fatores que já conhece.

A importância da primeira infância na evolução da criança

Algumas adversidades que podem surgir


Na segunda infância, podem surgir algumas adversidades como enurese noturna (urinar na cama), sonambulismo e perturbações. Contudo, se forem apenas passageiros, são comuns.

O que proporcionar à criança na segunda infância?


  • Estimular o contacto da criança com a natureza
  • Promover a autoestima, respeitando as especificidades de cada criança
  • Ajudar a criança a desenvolver a autonomia
  • Criar valores necessários ao bom entendimento em grupo, como a amizade, o respeito e a solidariedade
  • Trabalhar o desenvolvimento motor e cognitivo
  • Proporcionar um meio familiar equilibrado e saudável
  • Garantir uma alimentação adequada e equilibrada
  • Dar afeto e mostrar a importância do mesmo
  • Fazer a criança compreender os outros, através de atividades de cooperação
  • Proporcionar momentos de pura brincadeira
  • Valorizar o progresso de cada criança

Veja também:

Catarina Mesquita Catarina Mesquita

Licenciada em Línguas e Literaturas Modernas, variante de Estudos Portugueses e Ingleses, Pós-Graduada em Linguística Portuguesa e Mestre em Estudos Portugueses Multidisciplinares, possui experiência de mais de quinze anos ao serviço da educação, da tradução e da escrita.

Saiba tudo sobre emprego