Publicidade:

Tarifas de eletricidade: qual a melhor?

Com a oferta do mercado a crescer, é cada vez mais difícil escolher as tarifas de eletricidade: qual a melhor? O que considerar? Temos algumas dicas.

Tarifas de eletricidade: qual a melhor?
Saiba como escolher

Gerir uma casa não é tarefa simples e otimizar os custos mensais é um desafio para muitas famílias. Uma das contas que geram mais queixas é a da luz, e é por esse motivo que neste artigo vamos focar-nos nas tarifas de eletricidade: qual a melhor, como escolher e o que ter em conta no momento de contratar um fornecedor.

A conta da eletricidade é daquelas de que não pode mesmo fugir, a menos que adote um estilo de vida quase medieval e pare de usar eletrodomésticos. Assumindo que esta seria mais uma loucura do que uma missão e que terá, inevitavelmente, de continuar a viver com a conta da eletricidade a chegar religiosamente todos os meses, o melhor é mesmo conhecer as regras do jogo e fazer uma aposta.

A boa notícia é que, com a liberalização do mercado da energia, passou a ter disponíveis vários operadores, podendo comparar preços e tarifas. A escolha fica, assim, muito facilitada e o processo mais transparente. Não há motivos para não aproveitar.

Assim, e antes de passarmos à análise das contas, abra o espírito à mudança. Não há, neste momento, qualquer motivo para ter receio de abandonar o operador habitual e trocá-lo por outro mais barato. O mercado é liberal, mas não é selvagem. Há direitos que se mantêm e mudar de fornecedor de eletricidade nem sequer é assim tão difícil. É hora de olhar lá para fora e avaliar as opções tendo em conta os seus (e só os seus) interesses.

Diferentes tarifas de eletricidade: qual a melhor?


Tarifas de eletricidade: qual a melhor?

Não há, infelizmente, uma resposta feita à medida desta pergunta, porque também não há dois consumidores de energia iguais. Se quer saber, analisando as tarifas de eletricidade, qual a melhor para si, tem de entender muito bem como funciona a cobrança, como funciona o mercado e como funciona a sua casa.

Não podendo responder-lhe diretamente, vamos então dar-lhe as ferramentas essenciais para que seja capaz de avaliar o seu caso e tomar uma decisão informada.

A cobrança da eletricidade: conceitos fundamentais


Se está em processo de avaliação de um novo fornecedor de energia, há conceitos que tem mesmo de ter na ponta da língua. É obrigatório saber o que significam, que impacto têm no preço a pagar e como podem ser manipulados a seu favor. Começamos pela base: as horas de vazio.

Horas de vazio

Saber, de entre as tarifas de eletricidade, qual a melhor para a sua casa vai assentar muito no conceito das horas de vazio e de como elas se distribuem. As horas de vazio são períodos de tempo durante os quais a eletricidade é fornecida ao cliente final a um preço diferente do praticado nas tarifas simples – que pode ser mais elevado ou mais baixo.

Para facilitar, comparemos as horas de vazio às horas do trânsito na estrada e à manutenção necessária do piso. Imagine uma estrada: nas horas de ponta o tráfego aumenta, ou seja, há mais carros a passar naquele troço e há um desgaste maior do piso; já nas primeiras horas da madrugada, por exemplo, o tráfego reduz e, por isso, o piso sofre menos pressão e requer menos manutenção para manter a qualidade.

A ideia da criação das horas do vazio no fornecimento da eletricidade é semelhante: nas horas em que mais famílias estão em casa com eletrodomésticos ligados, a rede de distribuição sofre um pico de pressão e de esforço, enquanto nas horas de menor movimento a distribuição é mais fácil de fazer. Consequência? Nas horas fora de vazio (que são as horas “de ponta”) a eletricidade é mais cara, e nas horas de vazio (horas de consumo mais baixo) a eletricidade é mais barata.

Convém saber, contudo, que nem todas as tarifas têm horas de vazio: há as chamadas tarifas simples, em que o fornecedor define um preço unitário por Kilowatt e esse valor se mantém constante.

Tarifas

As tarifas dizem respeito aos modelos de distribuição das horas de vazio no fornecimento da eletricidade ao consumidor final. Praticamente todos os fornecedores oferecem várias possibilidades, que se dividem, além da tarifa simples, entre a tarifa bi-horária e a tri-horária. Saber, destas tarifas de eletricidade, qual a melhor, vai depender dos seus hábitos de consumo.

Na tarifa simples, como já foi dito, o preço da energia é constante e não sofre alterações ao longo do dia.

Na tarifa bi-horária, o dia é dividido em períodos de vazio e fora de vazio, durante os quais o preço da eletricidade é mais baixo (no primeiro período) ou mais alto (no segundo).

Na tarifa tri-horária, aos períodos de vazio e fora de vazio junta-se um terceiro período intermédio. Neste caso, contudo, as designações mudam e a cobrança passa a considerar os períodos de vazio (preço mais reduzido), os de Cheio (preço intermédio) e os de ponta (preço mais alto).

Ciclos

Além de conhecer o conceito dos períodos e das tarifas, quando procura saber tudo sobre as tarifas de eletricidade: qual a melhor, qual a mais barata e como escolher, tem de avaliar ainda os ciclos em que se distribuem os períodos horários.

Os ciclos, que estão previstos no Regulamento Tarifário do Setor Elétrico da ERSE (Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos), dividem-se em semanal e diário.

No ciclo semanal, o fornecedor distingue os dias úteis dos fins de semana e faz coincidir as horas de vazio com as tardes de sábado e o dia todo de domingo. Já nos ciclos diários, a distribuição é igual todos os dias (mas tem mais horas de vazio por dia da semana).

Escolher a tarifa de eletricidade: qual a melhor?


Agora que conhece os princípios que regulam a cobrança da energia elétrica, está fácil de ver que a melhor opção será aquela que melhor encaixa nos seus hábitos de consumo. Se gosta de chegar a casa durante a semana e ir adiantando a máquina da roupa, um ciclo diário pode ser a melhor opção. Se, por outro lado, deixa as tarefas domésticas para o fim de semana, o ciclo semanal vem mesmo a calhar.

As mesmas regras vão aplicar-se às tarifas: avalie os horários em que tem mais gente em casa (porque tendem a ser os de maior consumo de luz) e compare-os com os períodos de vazio que cada fornecedor disponibiliza. Depois é só escolher aquele que tem energia mais barata nos horários em que consome mais.

Veja também: