Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Olga Teixeira
Olga Teixeira
03 Jan, 2020 - 10:30

Aumento de preços em 2020: o que sobe com o novo ano?

Olga Teixeira

Novo ano é, quase sempre, sinal de aumento de preços. O que sobe em 2020? Há preços que se mantêm? Saiba o que fica mais caro e mais barato.

aumento-de-precos-2020

O aumento de preços quando chega o novo ano é quase tão certo como as 12 badaladas. No entanto, nem tudo sobe.

Um ano novo traz quase sempre novos preços. Mas nem todos os aumentos significam gastar mais. Uma subida nas pensões, salários e prestações sociais, por exemplo, representa mais dinheiro no bolso.

Além disso, há aumentos de preços que não acontecem logo no dia 1 de janeiro, já que dizem respeito a medidas que estão incluídas no Orçamento de Estado (OE).

Ora, este documento foi apresentado, mas será ainda avaliado, votado na generalidade e na especialidade, existindo, por isso, margem para alterações.

Assim, as medidas propostas no OE não entram já em vigor e, por isso, não se traduzem num aumento de preços imediato.

Outros preços, que são atualizados anualmente ou que estão dependentes do valor da inflação, aumentaram logo que 2020 chegou e, por isso, já terá notado na carteira essa subida.

AUMENTO DE PREÇOS: 6 PRODUTOS E SERVIÇOS QUE FICAM MAIS CAROS

como poupar no IRS

1. Transportes públicos

Se usa alguns transportes públicos de forma ocasional, já terá sentido o aumento. A Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT)  determinou um aumento de preços de 0,38%, que pode ser arredondado.

Este aumento de preços sente-se, por exemplo, nos títulos ocasionais, ou seja, nos bilhetes de autocarro, metro ou comboio.

Assim, há aumentos de 5 ou 10 cêntimos, por exemplo, nos comboios urbanos do Porto e Lisboa ou no Intercidades. No Alfa Pendular, e por este não estar abrangido pelas limitações impostas pela AMT, a subida já foi de 1,6%.

2. Rendas

Se mora numa casa alugada, é provável que também sinta um ligeiro aumento no preço da renda. Embora a atualização não seja obrigatória, o senhorio pode fazê-lo, subindo 0,51% no valor que vai pagar todos os meses.

3. IUC e Inspeção Periódica Obrigatória

Quem tem automóvel, e para além da subida do preço do IUC prevista no Orçamento de Estado, vai pagar mais pela inspeção periódica obrigatória.

Nos veículos ligeiros o valor passa de 31,43€ para 31,51€; nos pesados o preço é agora 47,14€ e a inspeção extraordinária sobe para 109,97€.

quanto custa ter um carro
Veja também Quanto custa ter um carro? Veja a que despesas não pode fugir

4. Telecomunicações

No caso das telecomunicações, a existência ou não de aumento de preços depende do operador: a Nowo e a Vodafone não mexem nos preços; a Altice sobe, no mínimo 50 cêntimos e a NOS aumenta alguns serviços em 1%, o que equivale à última taxa de inflação nacional anual do INE.

5. Pão e água

O preço da água, determinado por cada município, também tem tendência para subir, mas ainda nem todas as câmaras deram a conhecer os novos tarifários.

Ainda nos bens essenciais, é de referir um provável aumento no preço do pão.

Embora o valor seja livre, a associação que representa o setor da panificação já fez saber que, devido à subida do salário mínimo e a uma quebra no consumo, é provável que o preço deste alimento possa ter “ligeiras correções”.

O leite, ao que tudo indica, não fica mais caro este ano, pelo menos por enquanto.

O preço de outros alimentos pode variar em função do preço das matérias-primas, o que é influenciado por fatores tão diversos como a conjuntura nacional e internacional ou o clima. Por isso, e por enquanto, é preciso esperar para ver.

o tabaco e as bebidas açucaradas devem aumentar nos próximos meses, caso sejam aprovados os valores que constam do OE 2020.

6. Comissões bancárias

Os serviços e comissões bancárias também costumam aumentar no início do ano, mas só a Caixa Geral de Depósitos (CGD) e o EuroBic vão, para já, subir os preços.

Na CGD os novos preços entram em vigor a 25 de janeiro: as contas de serviços mínimos passam a pagar 34 cêntimos por mês e as transferências MB Way vão ter o custo de 85 cêntimos, mais imposto de selo.

No EuroBic, a comissão de manutenção de algumas contas tem uma subida de 1€.

Como poupar com os bancos digitais
Veja também Poupar com bancos digitais: tudo sobre comissões, cartões e IRS

Preços que não alteram ou descem

Mas nem todos os preços aumentam com a chegada do ano novo.

As portagens, por exemplo, vão manter o mesmo valor. O cálculo do preço é feito com base no valor da inflação que, em outubro de 2019 tinha um valor negativo (-0,13%).  

Se reside nas áreas metropolitanas do Porto e de Lisboa e usa diariamente os transportes públicos, também não vai sentir o aumento de preços, já que os passes vão manter os valores do ano passado.

Quem mora na zona Oeste até vai sentir um certo alívio na carteira, já que os passes para quem reside nesta região e viaja para Lisboa vão descer entre 70 e 80 euros. 

As tarifas reguladas de gás natural também não sofrem alterações, enquanto a eletricidade tem uma descida de 0,4% nas tarifas do mercado regulado.

Numa fatura média mensal de 43,9€, a redução é de 18 cêntimos; no caso dos clientes com tarifa social, a poupança deve ser de cerca de 11 cêntimos numa fatura mensal de 27€.

A maior descida no preço da eletricidade pode acontecer se a Comissão Europeia autorizar o Governo a baixar o IVA para quem consumir menos.

As taxas moderadoras e os bilhetes para museus, por exemplo, também podem ficar mais baratos, mas tal só acontece se o OE for aprovado.

Aumentos que dão dinheiro

Mas nem todos os aumentos são relativos a preços, pelo que nem sempre significam menos dinheiro no bolso. Há mesmo alguns que são bem-vindos, já que representam um incremento de rendimento.

É o caso do salário mínimo, que é agora de 635€. Este valor serve como indicador para outros preços, pelo que há várias coisas que sobem sempre que a retribuição mínima mensal garantida é aumentada.

É o caso, por exemplo, do teto máximo para a compensação por despedimento coletivo ou por layoff ou do limite máximo do Fundo de Garantia Salarial.

O valor do salário mínimo determina também a percentagem do vencimento que pode ser objeto de penhora, o valor mínimo da propina no ensino superior ou o limite para pagamento de contribuição para a ADSE

Os salários da Função Pública devem ter este ano um aumento de 0,3%, enquanto as reformas até aos 872€ sobem 0,7%. Entre 872 e 2614€ a subida é de 0,24%.  

Outro aumento esperado é o do Indexante de Apoios Sociais (IAS). Ora, se este indexante sobe, aumenta também o valor de prestações sociais, como o valor mínimo do subsídio de desemprego ou subsídios atribuídos pela Segurança Social.

2020 chegou e já trouxe um aumento de preços em algumas áreas, mas ainda é cedo para perceber, na totalidade, o que ainda vai subir durante este ano.

Veja também