Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Júlia Rocha
Júlia Rocha
28 Mai, 2018 - 15:46

Como fazer uma contraproposta de salário: 2 dicas essenciais

Júlia Rocha

Assuntos laborais que toquem em ofertas salariais podem ser uma discussão importante, mas delicada. Saiba como fazer uma contraproposta de salário.

Como fazer uma contraproposta de salário: 2 dicas essenciais

Uma contraproposta de salário pode ser feita em diversos e diferentes contextos. Pode partir de uma proposta inicial antes mesmo de começar a trabalhar para uma empresa, pode vir no sentido de impedir a saída de um colaborador, ou pode fazer parte de uma negociação interna. Saiba mais sobre o assunto e esclareça as suas dúvidas.

Contraproposta de salário: a interpretação

A existência de uma contraproposta é o suficiente para dar um novo sentido a uma negociação salarial ou laboral e pode até ser usada como uma arma de motivação e um elemento chave nas decisões sobre o futuro da relação profissional. Note, contudo, que é importante olhar para uma contraproposta de salário pesando os dois pratos da balança. Não remova o ceticismo, enquanto pondera a sua decisão.

É importante repensar no sentido em que a proposta pode ser feita, o que a originou, quais foram os fatores que levaram a empresa e fazê-la, caso tenha sido esse o caso. É também necessário ter em conta quais vão ser as consequências da sua contraproposta.

Vai pôr em causa futuras promoções? Vai pôr em causa questões de confiança profissional? Pese bem as respostas e, ao mesmo tempo, lembre-se que ao fazer uma contraproposta, está a valorizar-se profissionalmente, algo que é cada vez mais importante no mercado laboral atual.

salario

Como fazer uma contraproposta de salário: duas dicas essenciais

Ao construir uma contraproposta de salário tem de pensar em dois fatores muito importantes: o timing e o seu valor profissional. Não hesite em pesquisar, a estimativa salarial deve ser baseada no cargo, empresa, experiência e nas exigências que lhe são feitas diariamente.

Este último ponto é especialmente importante se estamos perante um cenário de negociações de um colaborado já experiente numa determinada empresa. Reconhecer esses aspetos pode ser desafiante e complicado. Considere os seguintes cenários.

1. Uma negociação/contraproposta durante o recrutamento

Fazer o trabalho de casa e preparar-se bem antes de ir para uma entrevista também inclui uma reflexão sobre o aspeto financeiro. São muitos os recrutadores que introduzem este tema disfarçadamente. Se não se sentir inicialmente confortável para “disparar números”, ou possivelmente para discutir quanto ganhava no emprego anterior, guarde essa informação para durante o processo de recrutamento.

Vai mostrar que é um colaborador qualificado e importante para a empresa, sem o peso das questões monetárias no ar. Durante a negociação, não receie mostrar que é desejado por outras empresas, que tem outros processos abertos, quando formaliza a contraproposta. Tanto aqui, como no próximo contexto, é importante fazer as propostas por escrito também.

2. Uma contraproposta num contexto de promoção/troca de emprego

Aqui deve saber argumentar bem o porquê de estar a pedir um valor diferente do originalmente proposto. Provavelmente considera que o ordenado que lhe propuseram originalmente não reflete o verdadeiro contributo que dá diariamente. Argumente este facto, apoiando-se dos conhecimentos que tem, do que aprendeu, do apoio que presta diariamente.

Não o faça de forma arrogante, mas de forma confiante. Aqui entra a importância da assertividade. Antes de partir para a negociação, faça uma lista dos seus pontos fortes e do que já atingiu durante o tempo em que trabalha ali. Marque uma reunião com quem de direito, através de um e-mail mais formalizado, assim mantém o profissionalismo a todas as horas.

Veja também: