ebook
Ebook Finanças (s)em Crise
Um guia para tempos complicados
André Freitas
André Freitas
18 Fev, 2021 - 15:12

Guia essencial para jovens condutores: escolher carro, dicas e perigos

André Freitas

À procura de dicas para jovens condutores? Se sim, este artigo é perfeito para si. Saiba como escolher o carro certo e como adotar uma condução segura.

jovem condutora a ajustar espelhos

Um dos momentos mais aguardados na chegada à idade adulta é aquele em que se conduz, pela primeira vez, um automóvel. Este é um marco importante na vida dos jovens condutores já que é neste momento que estes sentem que alcançam, de certo modo, alguma liberdade e independência.

Contudo, esta é também uma altura para grandes decisões e de muitos receios. A escolha do primeiro carro, as primeiras viagens sozinhos, ou os passeios com a família ou os amigos, têm um impacto muito importante na vida de todos os jovens.

No entanto, e embora alguma insensatez, descuido ou negligência seja normal nesta idade, fruto da inexperiência, são muitos os jovens condutores que receiam cometer alguns erros ao volante. Erros esses que podem até ter consequências muito graves.

A pensar nos receios, dificuldades e nos problemas que surgem nos primeiros tempos após a obtenção do título de condução, elaboramos este artigo para ajudar os jovens condutores.

Assim, vamos dar alguns conselhos para a escolha do primeiro carro, algumas dicas para tornar mais fáceis e seguros os primeiros tempos ao volante e, ainda, destacar os principais perigos para os jovens condutores. 

O que os jovens condutores precisam de saber

As aulas de condução são o primeiro passo no caminho para a obtenção de um título de condução. No entanto, nesta fase existe espaço para aprender e os erros e inseguranças são normais e facilmente ultrapassáveis.

A condução “a sério” começa mais tarde, já com o título de condução e sem a supervisão de um instrutor. E é aqui que podem surgir algumas dúvidas, inseguranças e até erros com consequências graves.

Contudo, embora com momentos de incerteza, obter o título de condução é também um período de grande felicidade e entusiasmo. Para muitos jovens condutores, tirar a carta de condução é sinónimo de escolha do primeiro carro.

Escolher aquele que vai ser o primeiro carro é algo que depende totalmente das preferências pessoais de cada um. No entanto, existem algumas recomendações para a escolha do primeiro carro que ajudarão a que seja feita a escolha certa.

Para além dos conselhos para a escolha do primeiro carro, vamos ainda dar algumas dicas para tornar a condução diária mais segura e enumerar os principais perigos para os condutores menos experientes. 

5 conselhos para a escolha do primeiro carro

A escolha do primeiro carro é um momento muito importante e de grande euforia para os jovens condutores.

No entanto, e por muito que os gostos pessoais influenciem a escolha do primeiro carro, é importante ter em conta algumas recomendações para que seja feita uma escolha acertada.

1. Compre um carro barato

Para o primeiro carro, a escolha deve recair num carro barato. Tendo os jovens condutores pouca experiência, é provável que o primeiro carro venha a sofrer algumas “mazelas”. Um carro mais caro pode ficar para uns anos mais tarde, quando já for maior a habilidade ao volante.

2. Escolha um carro fiável

O primeiro carro deve ser, acima de tudo, fiável e seguro. Desta forma, saberá sempre com o que contar. Um carro com muita tecnologia ou extras pode ser, na realidade, uma distração. O importante é focar-se no essencial: treinar muito para se tornar num condutor experiente.

3. Não compre um carro com caixa automática

Tendo em conta que o primeiro carro é aquele no qual vai realmente aprender a conduzir, o ideal é comprar um carro com caixa de velocidades manual.

Se souber conduzir um carro com caixa de velocidades manual, facilmente aprenderá também a conduzir um carro com caixa de velocidades automática. Já o contrário não é tão fácil. 

4. Verifique o estado do carro

Antes de comprar o automóvel, deve certificar-se que este se encontra em bom estado. Isto permitirá reduzir o número e custo das manutenções e poderá significar uma vida útil mais longa.

Verifique o estado geral da carroçaria, do interior, e procure conhecer o histórico do automóvel. Se possível, peça a um mecânico para analisar o estado do carro antes de realizar a compra.

5. Faça um test-drive

Nunca compre um carro sem antes realizar um test-drive. Só assim saberá se o veículo corresponde às suas expectativas e se gosta da sensação de condução que este proporciona.

Condutor a mostrar carta de condução numa operação de fiscalização
Veja também Mudanças ao Código da Estrada: carta digital, multas mais pesadas

7 dicas para uma condução diária segura

1. Utilizar sempre o cinto de segurança

Mesmo que se trate de uma deslocação curta, é essencial usar o cinto de segurança. Não utilizar o cinto de segurança aumenta exponencialmente a probabilidade de morte em caso de acidente.

2. Ajustar retrovisores e banco

Por vezes, quando o automóvel é partilhado com os pais ou os irmãos, opta-se por não se alterar a posição dos bancos ou dos retrovisores. No entanto, isto é um erro.

Este facilitismo pode fazer com que não seja possível observar corretamente todo o espaço circundante, podendo aumentar o risco de acidentes.

Por isso, quer se trate de uma viagem de 2 minutos ou de uma viagem de 2 horas, ajuste sempre o banco e os retrovisores à sua posição ideal para conduzir em segurança.

3. Não ultrapassar o limite de velocidade

O excesso de velocidade é uma das infrações que mais contribui para a sinistralidade rodoviária, nomeadamente nas idades mais jovens. A gravidade dos acidentes provocados por excesso de velocidade tende também a ser maior.

Assim, é fundamental respeitar os limites de velocidade, principalmente pelos seguintes motivos:

  • Garantir a sua segurança e a de todos os utentes da via;
  • Evitar coimas e penalizações que para os jovens condutores são mais elevadas que para os restantes condutores devido ao período probatório de três anos após a obtenção do título de condução.

4. Não utilizar o telemóvel

Conduzir sem distrações contribui fortemente para uma condução segura. E um dos principais fatores de distração ao volante é a utilização do telemóvel, seja para realizar chamadas, enviar mensagens ou utilizar as redes sociais.

Se este tipo de comportamento afeta o desempenhos e as habilidades de condutores experientes, o que poderemos dizer de condutores inexperientes?

Como tal, nunca utilize o telemóvel ou outros dispositivos que o distraiam enquanto conduz.

5. Não conduzir quando estiver cansado ou com sono

Conduzir cansado ou com sono afeta a capacidade de atenção ao que nos rodeia e de reação caso algum obstáculo surja de repente.

Se se sentir cansado por algum motivo, ou com sono, pare o automóvel e descanse. Da mesma forma, se fizer uma viagem longa, pare bastantes vezes ao longo da mesma para descansar.

6. Não consumir álcool ou drogas

Álcool e drogas não combinam com o ato de condução. Ao afetarem o sistema nervoso central, o álcool e as drogas afetam a capacidade de atenção e de reação, fazendo com que conduzir um automóvel seja um verdadeiro perigo.

Para além disso, a condução sob o efeito de álcool ou drogas configura uma infração de acordo com o Código da Estrada, podendo até ser considerada como crime. 

7. Conhecer o carro que vai conduzir

Antes de conduzir um carro pela primeira vez é muito importante conhecê-lo.

Saber onde estão todos os botões e comandos, nomeadamente os de todas as luzes, e ainda saber como se utiliza a caixa de velocidades, é fundamental.

homem a conduzir carro a representar jovens condutores

Os 4 principais perigos para os jovens condutores

1. Medo de principiante

O medo que se sente nas primeiras vezes em que se conduz pode levar a que se evite a condução. Contudo, é fundamental esquecer o medo pois só com o tempo se vai adquirindo experiência e, dessa forma, tornar-se mais confiante.

No entanto, recomenda-se muita cautela porque quando se é um condutor inexperiente, ainda não se conhece muitos dos cenários de condução: chuva, neve, noite, etc. E estes cenários representam verdadeiros perigos para todo o tipo de condutores.

2. Excesso de confiança

O oposto do medo, é o excesso de confiança. No início, não é muita a perícia ao volante, mas muitos jovens condutores acham que sim e gostam de mostrar as suas capacidades.

Este excesso de confiança pode levar a atos irrefletidos e colocar a vida de todos em risco.

3. A influência dos amigos

Tentar provar ou demonstrar algo aos amigos, ou mesmo ceder a provocações que ocorrem em situações de condução, pode levar a atos precipitados.

Conduzir é um ato de grande responsabilidade, não pode ser uma “brincadeira de miúdos”, onde se vê quem é o “rei do recreio / escola”. 

4. Conduzir sem condições para tal

Como explicado anteriormente, conduzir sob o efeito de álcool ou drogas, cansado ou com sono, é um risco. Para os jovens condutores, estes são, muitas vezes, atos que não são percecionados como sendo arriscados.

No entanto, conduzir sem as necessárias condições é um perigo e pode, até, configurar um crime.

Conclusão

Ao longo deste guia abordaram-se vários aspetos que podem ajudar qualquer jovem condutor nesta nova etapa.

Apesar de parecer uma fase nova simples, começar a conduzir é bastante complexo, uma vez que o processo começa na escolha de um carro e só termina anos depois com o acumular de experiência.

Para que este período seja o mais tranquilo e seguro possível, recomenda-se a adoção das várias dicas que foram apresentadas ao longo do artigo.

Para se “fazer à estrada”, resta agora conduzir para ganhar experiência colocando em prática as recomendações. Boas viagens!

Veja também

Aviso Legal

O Ekonomista disponibiliza e atualiza informação, não presta serviços de aconselhamento fiscal, jurídico ou financeiro. O Ekonomista não é proprietário nem responsável pelos produtos e serviços de terceiros apresentados, por conseguinte não será responsável por quaisquer perdas ou danos que possam resultar de quaisquer imprecisões ou omissões. A informação está atualizada até à data apresentada na página e é prestada de forma geral e abstrata, tratando-se de textos meramente informativos, pelo que não constitui qualquer garantia nem dispensa a assistência profissional qualificada. Se pretender sugerir uma atualização, por favor, envie-nos a sua sugestão para: [email protected].