ebook
Ebook Finanças (s)em Crise
Um guia para tempos complicados
Mónica Carvalho
Mónica Carvalho
01 Abr, 2021 - 14:33

Fórnea: conheça o anfiteatro criado pela Natureza

Mónica Carvalho

Tem 500 metros de diâmetro, 250 metros de altura e uma configuração digna de visita. A Fórnea é um fenómeno geológico em Porto de Mós.

Cascata da Fórnea

Parece mesmo um anfiteatro natural, mas Fórnea é, na verdade, um estranho fenómeno geológico que se assemelha a nada mais nada menos do que um gigante buraco no chão, que liga Chão das Pias e desce até Alcaria.

Inserindo-se no Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, além da beleza inerente à sua forma, Fórnea é, igualmente, um local rodeado de uma paisagem natural que toda a gente deve visitar, pelo menos uma vez na vida.

Esta depressão do solo é o resultado de erosões provocadas por milhões de anos e, atualmente, está rodeada de cursos de água, mais propriamente ribeiras temporárias afluentes do Rio Lena, o Rio Cabrão e o Ribeiro da Fórnea, que se unem para formar o Rio Alcaide.

Os locais chamam-lhe “Fôrnea” devido, precisamente ao seu formato que se assemelha a um forno. Já conhece?

Percurso pedestre inesquecível liga Fórnea a Alcaria

A melhor forma de conhecer esta região é carregar a mochila com água e snacks nutritivos, calçar as sapatilhas, vestir roupa confortável e partir à aventura. O percurso terrestre é, aliás, bastante linear e de fácil acessibilidade.

Estende-se ao longo de um quilómetro e ainda que possa ser percorrido em cerca de uma hora, aconselhamos que o siga vagarosamente e com tranquilidade. Tudo para poder apreciar devidamente os encantos oferecidos pela Mãe-Natureza.

É possível ver exemplos de figueiras, loureiros, medronheiros e até algumas zelhas, um tipo de árvore rara em Portugal. No que à vida animal diz respeito, também é possível observar várias espécies menos comuns para o cidadão citadino, como a lagartixa-do-mato; as aves peneireiro-de-dorso-malhado, águia-cobreira, tentilhão-comum, verdilhão, milheiriça; e mamíferos como a raposa, doninha, texugo e ouriço-cacheiro.

E a calma que lhe aconselhamos é, precisamente, para poder apreciar tudo com tempo. Até porque encontrará locais dignos de registo. Falamos da Ribeira da Fórnea e dos Conglomerados, que se situam no leito da ribeira. Não falta também uma cascata e o ex-libris do local: a Cova da Velha. Trata-se de uma cavidade penetrável localizada na Fórnea e que se estende ao longo desta falha onde se encontram lagos e sifões.

Pontos de interesse perto de Fórnea

Mas depois de explorar Fórnea, na envolvência encontra outros locais para desfrutar. Aliás, este nosso roteiro inclui paragens obrigatórias em locais que não vão desiludir. Saiba quais são.

Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros

O Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros prolonga-se por cerca de 35 mil hectares e foi criado em 1979, cobrindo mais de dois terços do maciço calcário da Estremadura, que é, aliás, a maior área de calcário do país.

Numa altura em que tanto ansiamos pelas atividades ao ar livre, ao passear pelo parque vai ver muitos muros de pedra, conhecidos como “chouços”, que ajudam a dividir as propriedades ou recolher o gado. Vai também poder observar pequenas casas nos campos, utilizadas antigamente para proteger os pastores do mau tempo.

Mas é, sem dúvida, a sensação de liberdade que vai entusiasmar qualquer um, seja miúdo ou graúdo.

Miradouro Jurássico de Alqueidão da Serra

miradouro-jurassico-alqueidao-serra-
Fonte: Município Porto de Mós

Jurássico? Será que de repente parece que foi transportado para um qualquer filme de Hollywood? Não… Bem perto de Fórnea, e em pleno Parque Natural das Serras de Aire e Candeeiros, a cerca 500 metros de altitude, o Miradouro Jurássico de Alqueidão da Serra é um excelente ponto de observação sobre a região. Dali pode ver o Castelo de Porto de Mós, o Mosteiro da Batalha ou o Castelo de Leiria.

O miradouro é composto por blocos de calcário que representam as principais épocas do período jurássico – exatamente: representam. O monumento não está ali por acaso: trata-se de uma obra de arte, criada pelos humanos. Serve de elogio a uma época que tantos recursos naturais trouxe ao concelho, como rochas, rios, grutas, flora e fauna; e que em muito permitiu o desenvolvimento de uma série de atividades industriais e turísticas.

Grutas de Santo António e Grutas de Alvados

À semelhança do que acontece com tantos locais deste tipo em Portugal, as Grutas de Santo António foram descobertas por um mero acaso, em 1955. Um jovem rapaz perseguiu o esvoaçar de uma ave, até que esta escapou por entre a vegetação. Teimosamente, o rapaz decidiu continuar nesta aventura até descobrir a gruta, mais tarde explorada pelos trabalhadores de uma pedreira.

A área da sala principal é impressionante e única: está cheia de múltiplas formações calcárias de estalactites e estalagmites muito próximas, o que confere uma rara beleza natural ao local.

Um pequeno corredor dá acesso às Grutas de Alvados, que foram, posteriormente, descobertas em 1964 por esses mesmos trabalhadores das pedreiras, que se apercebiam do eco feito pelas pedras ao cair. Encontraram, assim, um maravilhoso mundo natural de formações calcárias até aí desconhecidas e que hoje qualquer pessoa pode visitar.

Porto de Mós

Porto de Mós, ou “porto das mós”, assim se define tradicionalmente pelo desenvolvimento de tecnologias rurais da moagem em azenhas e, mais tarde, em moinhos de vento, com as suas costumadas mós. Um elemento que representa a própria vila.

Camões chamou-lhe “a vila forte”, talvez por ser uma vila dotada de uma significativa organização a nível administrativo e institucional, ao longo dos séculos XIII e XIV.

Atualmente, a vila traz-nos uma fonte imensa de curiosidades históricas, talentosos artesãos, mercados, romarias, pedaços da Natureza e principalmente muitos encantos, que vale mesmo a pena conhecer.

Castelo de Porto de Mós

Castelo de Porto de Mós

O Castelo de Porto de Mós é um dos melhores exemplares de arquitetura militar e residencial, nos estilos gótico e renascentista. Mas o que mais se destaca é mesmo a sua localização soberana e elevada. Ali está ele, isolado a 148 metros acima do nível do mar, como que protegendo a vila de Porto de Mós e de onde se avista o vale do Lena e a serra dos Candeeiros.

Um roteiro por Fórnea e arredores parece ser o plano perfeito para desfrutar do ar livre, em segurança e longe da rotina do dia a dia.

Veja também