ebook
GUIA DO IRS
Patrocinado por Reorganiza
Marta Maia
Marta Maia
05 Mai, 2022 - 14:37

Impostos municipais: quanto está a pagar à sua autarquia?

Marta Maia

Saiba que impostos municipais paga regularmente e para que serve o dinheiro que entrega às autarquias.

Impostos municipais

Nem só do poder central vive o nosso país: ao nível local, as autarquias têm a responsabilidade de fazer funcionar as infraestruturas e serviços que suportam o nosso dia a dia. Para isso, precisam de verbas – e essas verbas vêm do erário público.

O dinheiro que, todos os meses, entra nos cofres das Câmaras Municipais pode chegar pela mão do Estado, mas também lhes pode chegar diretamente do bolso dos munícipes. Neste último caso, o processo faz-se através do pagamento de impostos municipais.

O que são os impostos municipais?

Os impostos municipais são taxas que os cidadãos pagam todos os meses, de forma obrigatória, à autarquia do concelho onde vivem. Tal como acontece com os impostos nacionais (como o IRS ou o IVA), o dinheiro dos impostos municipais serve para financiar a gestão dos municípios, respetivos serviços e infraestruturas.

Quem paga os impostos municipais?

Todos os cidadãos que tenham residência no município pagam impostos municipais a essa autarquia.

Como são pagos os impostos municipais?

A modalidade de pagamento dos impostos municipais depende do tipo de imposto. No caso do IMI, por exemplo, o valor pode ser pago por inteiro ou em prestações. Os cidadãos devem entregá-lo diretamente à autarquia.

No caso do Direito de Passagem, o valor é automaticamente adicionado às faturas dos serviços de telecomunicações: os cidadãos pagam ao fornecedor do serviço e essa empresa depois acerta contas com o município.

Na participação variável do IRS, por outro lado, os cidadãos não chegam a ser envolvidos no processo: é a Autoridade Tributária que, depois de cobrar o IRS anual, entrega às câmaras municipais as parcelas que lhes cabem.

Mulher a abrir correspondência postal

Que impostos municipais existem?

Há cinco impostos municipais comuns a todas as autarquias do país. São eles:

Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI)

O IMI é o mais famoso dos impostos municipais e é cobrado a todos os proprietários de imóveis localizados no município.

O valor é calculado com base nas características dos imóveis (residenciais ou comerciais, em propriedade horizontal ou vertical, etc.) e é indexado a uma taxa variável. Essa taxa é definida pelos municípios e oscila entre os 0,3% e os 0,8%.

O pagamento do IMI é anual por defeito, mas as famílias podem optar por um pagamento em prestações. Também há, em alguns municípios, uma redução do IMI em função da composição do agregado familiar.

Taxas de IMI
Veja também Taxas de IMI: saiba quanto vai cobrar o seu município em 2022

Derrama

A derrama é um imposto municipal menos conhecido, talvez porque só tem de ser pago pelas pessoas coletivas (associações, fundações, sociedades,…). Este imposto incide sobre o lucro tributável, ou seja, obriga as pessoas coletivas a partilharem parte dos seus lucros com as autarquias em cujo território se estabeleceram.

O valor a pagar de derrama depende da taxa definida por cada município, que não pode ultrapassar os 1,5%. Em regra, e além desta taxa “normal”, as autarquias definem ainda um valor de taxa reduzida (para negócios mais pequenos) e um limite de isenção.

Imposto Municipal sobre a Transmissão Onerosa de Imóveis (IMT)

Voltamos aos impostos municipais mais conhecidos, agora com um valor que incide sobre o valor do contrato de compra e venda de imóveis ou sobre o Valor Patrimonial Tributário desses imóveis (o que for mais alto).

O IMT é pago pelo comprador do imóvel no momento da escritura, e o valor vai diretamente para os cofres da Câmara Municipal.

Custos associados à compra e venda de casa
Veja também Saiba quais os custos associados à compra e venda de casa

Taxa Municipal do Direito de Passagem (TMDP)

Está nos impostos municipais, mas é uma taxa que incide sobre o direito de passagem dos cabos necessários à prestação de serviços de telecomunicações (como, por exemplo, os cabos de fibra ótica).

A TMDP é aplicada automaticamente às faturas emitidas pelos fornecedores de serviços de telecomunicações, que recebem o valor total da fatura e depois entregam às autarquias a parcela a que têm direito.

Participação variável no Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS)

Talvez não soubesse disto (até agora!), mas a sua autarquia fica com uma percentagem do seu IRS todos os anos. Essa percentagem é definida por cada Câmara Municipal (não podendo exceder os 5%), que recebe o dinheiro quando a Autoridade Tributária fecha as contas aos seus impostos anuais.

Tenha em conta que esta participação cabe às autarquias em cujo território os cidadãos têm domicílio fiscal – ou seja, se viver numa cidade mas tiver domicílio fiscal noutra, é a segunda que tem direito a uma participação do seu IRS.

Para onde vai o dinheiro dos impostos municipais?

Os impostos municipais ajudam a financiar o cumprimento das obrigações das autarquias e a gestão das infraestruturas e serviços locais. É com este dinheiro, por exemplo, que as Câmaras Municipais fazem a manutenção e limpeza da via pública; gerem a oferta de formação e educação ao nível local; prestam apoio aos munícipes em situação de fragilidade sócio-económica; inspecionam e monitorizam a construção de novos edifícios nos terrenos da cidade,…

Claro que, ainda assim, o dinheiro dos impostos municipais não chega para tudo. Por esse motivo, além destes valores, as autarquias recebem ainda um suplemento dos órgãos centrais – que é igualmente dinheiro público, mas já vem de outras fontes.

Veja também