Marta Maia
Marta Maia
06 Jul, 2022 - 10:27

Levantar dinheiro no estrangeiro: atenção a estes detalhes

Marta Maia

Saiba que cuidados deve ter quando levantar dinheiro no estrangeiro e que regras se aplicam no país de destino.

Quando viajamos, é bom termos várias opções no que diz respeito aos métodos de pagamento. Acabamos sempre por levantar dinheiro no estrangeiro, mas convém sabermos tudo sobre esta operação bancária, porque muita coisa difere de quando usamos os nossos cartões em Portugal.

Levantar dinheiro no estrangeiro: sim ou não?

A pergunta parece estranha, mas há muita gente que prefere levar dinheiro em espécie para toda a viagem e, assim, não ter de levantar dinheiro no estrangeiro. Em teoria, a estratégia funciona: não têm de usar caixas Multibanco, não pagam taxas e nem sequer correm o risco de derrapar nas despesas, porque só gastam o que têm no bolso.

Na prática, contudo, a estratégia é arriscada: se forem assaltados, se tiverem um acidente, se perderem as malas ou a carteira, o dinheiro (ou parte dele) perde-se e a viagem pode ficar comprometida.

Além disso, há que considerar as taxas de câmbio, que mudam todos os dias. Se viajar amanhã para um país cuja moeda está a valorizar, pode valer a pena levar dinheiro já cambiado à taxa de hoje. Se, pelo contrário, a moeda desse país estiver em tendência negativa, quanto mais tarde cambiar (ou levantar dinheiro, que será cambiado à taxa daquele dia), mais compensa.

Assim, a resposta à pergunta sobre se vale a pena evitar levantar dinheiro no estrangeiro vai depender, pelo menos: da duração da viagem; do país de destino; do índice de criminalidade no país de destino; e do comportamento da moeda do país de destino.

Os cuidados a ter antes de levantar dinheiro no estrangeiro

1. Tenha atenção aos tipos de caixas automáticas que utiliza

Não prestamos muita atenção às caixas automáticas em Portugal porque os bancos que operam no nosso país nos permitem levantar dinheiro em qualquer máquina sem incorrer em custos (à exceção das ATM, onde o levantamento é a crédito e paga taxas). No entanto, as caixas automáticas não são todas iguais e isso faz-se notar bastante quando vamos levantar dinheiro no estrangeiro.

A verdade é que, quando vai a um multibanco fora de Portugal, esse aparelho pertence a um banco do país onde está. A partir daí, há dois cenários possíveis: ou esse banco tem um acordo com o seu banco português e, por isso, as operações são iguais às de cá; ou os bancos não têm acordo válido e a máquina não vai autorizar o levantamento.

Em princípio, o seu banco terá sempre parcerias estabelecidas dentro do território europeu, pelo que não terá problemas a usar as máquinas multibanco. Fora da União Europeia, contudo, as parcerias podem ser mais reduzidas – vale a pena confirmar com o seu banco antes de viajar.

2. E à marca e tipo dos seus cartões

Tal como acontece com as máquinas, também os cartões não são todos iguais. Se o seu cartão for de um banco português, em princípio será, pelo menos Visa, Visa Electron ou Maestro.

Estas marcas são bastante comuns e aceites em grande parte dos terminais lá fora. Todavia, se o seu cartão for de outra marca, convém informar-se junto do seu banco sobre as possibilidades de levantar dinheiro no estrangeiro.

Além disso, os custos de levantar dinheiro com cartão de crédito ou com cartão de débito também são diferentes. Fora da Europa, pode ter de pagar uma comissão fixa por levantamento com o cartão de débito.

Já o levantamento a crédito ou cash advance pode estar sujeito a comissões mais elevadas. E se não saldar a dívida no prazo acordado com o seu banco, terá também de ter em conta o pagamento de juros. O cartão de crédito no estrangeiro pode ser muito útil por causa dos seguros associados (como o seguro de assistência em viagem, por exemplo), mas evite utilizá-lo para levantamentos.

3. Informe-se sobre as comissões de levantamento

Antes de mais, importa saber que as comissões de levantamento não se aplicam dentro da União Europeia. Mesmo fora da União Europeia, se a transação for feita totalmente em euros (ou seja, se não for preciso converter para outra moeda), a operação continua isenta de comissões.

No entanto, todas as operações bancárias realizadas fora da União Europeia ou envolvendo moedas que não o Euro serão sujeitas à cobrança de comissões. Quer isto dizer que levantar dinheiro no estrangeiro fica sempre mais caro, porque o banco lhe debita na conta o valor levantado mais o valor das comissões.

Agora a pergunta que não cala: há como evitar estas comissões? Há, se pagar com o cartão. Os pagamentos com cartão no estrangeiro também podem estar sujeitos a comissões, mas estas são, geralmente, mais baixas do que as aplicadas aos levantamentos. No entanto, não confie demasiado: nem todos os terminais de pagamento automático aceitam todos os tipos de cartão.

4. Antecipe os sistemas de segurança dos seus cartões

O sistema de segurança existe para o seu bem, mas se quiser levantar dinheiro no estrangeiro pode jogar contra si.

Uma sucessão inesperada de levantamentos de dinheiro fora do país – sobretudo se a soma desses levantamentos for avultada – pode fazer disparar os mecanismos de segurança do seu banco, que lhe bloqueia o cartão.

Ora, estar fora de Portugal com o cartão multibanco bloqueado não será a experiência de viagem com que sonha…

Antes de viajar, vale a pena informar o seu banco, para que os movimentos anormais não façam soar os alertas e não levem o sistema a bloquear-lhe o acesso ao dinheiro.

Veja também