Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Marta Maia
Marta Maia
23 Set, 2019 - 18:16

4 estratégias para mudar hábitos financeiros para melhor

Marta Maia

Entenda a forma como gere o dinheiro e aprenda a mudar hábitos financeiros para melhorar a sua relação com as finanças pessoais.

4 estratégias para mudar hábitos financeiros para melhor

As recomendações para poupar, guardar dinheiro e preparar o futuro ecoam-nos na cabeça todos os dias e já sabemos que a boa gestão do dinheiro é uma parte muito importante do nosso dia a dia. Mas então porque é que tantos de nós ainda têm dificuldade em poupar, mesmo sabendo que devem fazê-lo?

A resposta está na forma como vivemos e encaramos a nossa vida financeira. De forma mais ou menos intensa, há comportamentos que já estão enraizados em nós, e mudar hábitos financeiros é um desafio nada fácil de superar.

Ainda assim, é possível mudar a forma como gasta (ou não) o seu dinheiro, e neste artigo abordamos a parte psicológica do processo – a compreensão do seu cérebro e da forma como ele o impede de poupar.

Mudar hábitos financeiros também é uma questão psicológica

Quando se fala em boa gestão das finanças pessoais fala-se em conhecimento sobre dinheiro, mas também em auto-conhecimento. Não é por acaso que, muitas vezes, vemos e ouvimos histórias de pessoas que eram ricas e ficaram na miséria em poucos anos: a facilidade em poupar não é sempre proporcional ao nosso nível de riqueza, mas é influenciada pela forma como vivemos o nosso dinheiro.

Na realidade, o nosso cérebro tem um papel muito importante nas nossas finanças pessoais: é ele que nos diz se queremos ou não gastar, fazer determinada compra. É ele que nos faz sentir bem por poupar ou por comprar. É ele que nos deixa arrependidos de gastar demais, ou ansiosos por gastar mais um pouco.

O nosso cérebro é, no fundo, responsável pela criação de comportamentos habituais – aqueles que nos fazem criar rotinas, comprar sempre o mesmo bolo à hora do lanche ou jantar fora todos os sábados. Neste contexto, poupar pode significar mudar hábitos financeiros e isso é bem mais difícil do que simplesmente estudar as ofertas de poupança que o mercado tem disponíveis.

Então, como conseguir mudar hábitos financeiros?

4 passos para mudar hábitos financeiros

como mudar hábitos financeiros

1. Estudar o mercado

O primeiro passo é o mais conhecido e aquele em que, muito provavelmente, já investiu. É importante conhecer o mercado, o funcionamento do dinheiro, os mecanismos de poupança e de gestão de despesa. É importante saber poupar, mas também saber investir. Saber encontrar o equilíbrio entre o dinheiro que guarda e o dinheiro que aplica.

Se quer mudar hábitos financeiros, comece por definir o seu ideal, o objetivo a atingir. Defina como seria o seu “eu” financeiramente irrepreensível: como e quanto pouparia, quanto dinheiro teria e que tipo de vida levaria. O objetivo é que tenha uma meta, um horizonte para o qual olhar, uma referência a seguir.

2. Estudar-se a si

Entramos na parte psicológica do desafio de mudar hábitos financeiros. Pense em todas as despesas que tem todos os dias: são mesmo todas necessárias? Certamente que não. Agora analise as despesas que não eram necessárias e pense no motivo de tê-las feito. Por vezes usamos o dinheiro para compensar eventos menos positivos, e são esses episódios que estão a impedir-nos de poupar.

Vamos a um exemplo prático: muitas pessoas saem do trabalho à sexta feira e vão diretas ao café para estarem com os amigos. Chegando lá, lancham ou consomem coisas que, a bem da verdade, até tinham em casa e não precisavam de estar a pagar fora.

Quando isto acontece, estamos perante um caso de habituação: não gastam o dinheiro porque precisam, nem mesmo porque querem, mas porque criaram um hábito comportamental que as leva a isso.

12 dicas para poupar em restaurantes
Veja também 12 dicas para poupar em restaurantes

O caso acima é um exemplo clássico de um hábito comportamental, mas também pode acontecer que o hábito seja emocional, ou seja, pode estar a usar o dinheiro como reforço positivo após eventos negativos. Por exemplo, pode ter por hábito jantar fora quando o dia corre mal no trabalho, sob o pretexto de “desanuviar”.

Para mudar hábitos financeiros como estes, compreenda que eles se seguem sempre a um episódio ativador. Por exemplo, gastou dinheiro no lanche porque foi ao café depois do trabalho, e jantou fora porque o dia lhe correu mal.

O truque é identificar estes episódios ativadores e forçar a alteração do que vem depois – por exemplo, deixar de ir ao café depois do trabalho e arranjar uma atividade alternativa que o ajude a esquecer os dias maus e o afaste do impulso de ir jantar fora.

3. Estudar o seu cérebro

O grande problema das pessoas que não conseguem parar de gastar é que o gasto de dinheiro lhes proporciona uma recompensa emocional. Estas pessoas sentem a compra de um produto novo como uma coisa boa e satisfatória, e por isso ficam impelidas a repetir a ação vezes sem conta para se sentirem sempre bem.

Para mudar hábitos financeiros causados pela sensação de recompensa, há que ensinar o cérebro a sentir-se recompensado de outra forma. Pode, por exemplo, aderir a um sistema de recompensa de poupanças, que lhe dá benefícios sempre que atinge objetivos, ou simplesmente premiar-se a si mesmo quando cumpre o desafio a que se propôs.

Imagine que promete a si mesmo que, se poupar 500 euros, vai jantar àquele restaurante que adora; quando, terminado o esforço de poupar, for lá jantar, o seu cérebro vai apreciar a recompensa e associá-la à poupança: passa a sentir-se bem por ter poupado e não pelo gasto em si.

4. Evitar a “fadiga da decisão”

Quando passamos os dias a decidir sobre o que queremos, podemos e vamos fazer, o nosso cérebro começa a ficar cansado de decidir e a procurar soluções fáceis. Quando o tema é gestão financeira, temos o mesmo comportamento.

Ainda que queira mudar hábitos financeiros e esteja num processo de auto-descoberta, evite ficar a pensar em dinheiro o dia inteiro. Se possível, tente automatizar certas coisas, como poupanças ou reforços de depósitos a prazo. Liberte-se das decisões diárias o mais possível para que não fique cansado da missão de mudar hábitos financeiros ao fim de pouco tempo.

Agora que sabe como mudar hábitos financeiros “de dentro para fora”, é importante que tenha consciência de que estes são sempre processos demorados e que não vai virar um guru da poupança de um dia para o outro.

Precisamente por serem hábitos enraizados, alguns comportamentos são muito difíceis de combater, e por isso vão exigir-lhe um grau elevado de responsabilidade, disciplina e força de vontade. É natural que os resultados demorem a aparecer. Não desista e mantenha-se focado.

Veja também