Afonso Aguiar
Afonso Aguiar
14 Jan, 2021 - 11:08

Os problemas mais comuns no inverno que afetam o seu carro

Afonso Aguiar

As temperaturas baixas podem comprometer o funcionamento do carro. Descubra os problemas mais comuns no Inverno e como agir.

carro a andar em estrada com neve, um dos problemas mais comuns no inverno

As diferentes estações trazem diferentes desafios aos condutores. Sabemos que há problemas mais comuns no inverno que se devem às temperaturas baixas e que podem comprometer o funcionamento normal do veículo, pelo que é necessário estar atento.

Devido a uma massa de ar frio que vem do interior da Europa e que está a afetar Portugal Continental nas últimas semanas, as temperaturas têm descido mais do que habitual. Se, em anos anteriores, o frio poderia causa mossa aos condutores, este ano tem provocado ainda mais.

A própria GNR já lançou alguns conselhos para ajudar a retirar o gelo do pára-brisas, por exemplo. Porém, além desse, há outros problemas igualmente comuns nesta altura e que também eles afetam constantemente quem conduz.

Saiba mais.

Os 5 problemas mais comuns no inverno

1

O carro não arranca

Não é de todo incomum, no inverno, o carro não pegar. Ou seja, não conseguir ligar o motor. Isso deve-se sobretudo a duas componentes do automóvel: a bateria e as velas de ignição.

No primeiro caso, é um facto comprovado que o frio diminui a capacidade de carga e, em sentido inverso, a temperatura exterior mais baixa obriga a uma sobrecarga dos componentes de arranque do motor, como as luzes, o ar condicionado, o alternador e o motor de arranque.

Todos eles ligados de forma maior ou menor à bateria, acabam por gastá-la numa altura em que a mesma tem menor capacidade de carga. Para evitar que isso aconteça, não deixe o carro parado muitos dias, sujeito a uma descarga natural com o passar do tempo.

Caso o automóvel não pegue mesmo, experimente, através de carros, ligar a bateria do automóvel à bateria de um outro. No entanto, se nada resultar ou o problema for subsistente, o melhor será mesmo trocar a bateria.

Relativamente à bateria, o Automóvel Clube de Portugal (ACP) aconselha também

“Nas baterias mais antigas verifique os níveis e acrescente água destilada até ao limite máximo do nível. Se a bateria for mais recente (“sem manutenção”) a solução mais segura é a substituição”.

Além da bateria, este problema poderá ser provocado pelas velas de ignição. Neste caso, o ACP refere que

“se o seu carro pegar com dificuldade a frio ou o ralenti estiver irregular, está na altura de as verificar”.

2

Sobreaquecimento do motor

Parece curioso, mas a realidade é este é mesmo um dos problemas mais comuns no inverno para os condutores. Mesmo em pleno inverno, com frio, há a possibilidade de o motor sobreaquecer. Segundo o ACP, isso estará relacionado, provavelmente, com o sistema de lubrificação do carro.

Com o frio, este sistema poderá ser incapaz de funcionar a 100%. Basta pensar no ser humano para perceber: no verão mexemo-nos mais facilmente do que no inverno. Isto deve-se ao efeito de contração e limitação da circulação provocado pelo frio.

Portanto, nestes casos, é aconselhável verificar com regularidade o nível de óleo de motor, assim como outros líquidos importantes. Outro conselho é colocar uma solução anticongelante.

Também pode e deve colocar produtos anticongelantes no líquido para limpar para brisas, visto que se o produto usado para limpar o para brisas congelar poderá danificar a bomba elétrica do esguicho.

3

O automóvel derrapa

Infelizmente, neste caso, não há nenhuma solução que não passe por gastar dinheiro e comprar pneus específicos do inverno, com maior escoamento, mais aderentes e próprios para pisos molhados.

Afinal, a chuva e até o gelo comuns nesta altura, fazem com que os pneus derrapem. Lembre-se que os pneus são a parte mais importante da segurança automóvel. São eles que fazem a conexão entre a carroçaria e o piso onde circula.

Além disso, a área de conexão entre as duas partes é diminuta: somente do tamanho da palma de uma mão.

4

Vidros embaciados e pára-brisas com gelo

Este é um dos problemas mais comuns no inverno com o qual mais nos temos deparado nos últimos tempo. Como é óbvio, com o frio, há uma grande possibilidade de o pára-brisas ficar embaciado ou carregado da geada da noite.

Primeiramente, o ar condicionado não serve apenas para refrescar, mas também para aquecer internamente. Ou seja, entre outras opções, consegue desembaciar o pára-brisas utilizando o ar condicionado.

No entanto, utilize panos para limpar o vidro apenas em última instância para não provocar riscos ou sujidade no vidro e nunca a mão ou papéis.

Se a parte interior, é mais fácil, exige apenas, na maior parte dos casos, algum tempo de espera, o exterior é mais complicado. Primeiro, para evitar o gelo, pode colocar cartões ou até protetores. No entanto, mais uma vez, tenha cuidado na aplicação destes itens para não riscar o vidro.

Caso não tenha possibilidade de estacionar numa garagem ou proteger o veículo, existem formas de tirar o gelo do pára-brisas que não comprometem o bom estado do vidro e do veículo, como recorrer a líquidos ou raspadores de gelo próprios.

Na ausência da possibilidade de adquirir algum destes elementos, a GNR disponibilizou um publicação nas redes sociais onde explica como fazer o próprio descongelante:

“Pode ainda preparar um descongelante “caseiro” para pulverizar o vidro com gelo, basta para tal seguir uma das seguintes “receitas”:
– Para três partes de água, uma de vinagre; ou
– Para duas partes de água, uma de álcool.”

No entanto, lembre-se: evite colocar água quente diretamente sobre o vidro, uma vez que, se o mesmo estiver frio, vai rachar ou partir quando entrar em contacto com uma superfície quente.

5

Aquecer o motor propositadamente

Por último, nesta lista de problemas mais comuns no inverno, alertamos para um comportamento de muitos condutores que pode por em causa a preservação do veículo.

Segundo o ACP, ligar o motor e deixar o carro parado até a temperatura interior do motor aquecer é um hábito comum de muitos portugueses, por causa do frio. A entidade refere mesmo:

“O hábito de aquecer o motor de manhã não produz benefícios nos automóveis atuais. Além de sobrecarregar o catalisador, reduz a eficiência das velas e consome combustível inutilmente. Arranque assim que possível e conduza de forma moderada, até atingir a temperatura normal de funcionamento do motor.”

Veja também