Covid-19
Especial Covid-19
Descomplicamos a informação sobre o novo Coronavírus
Catarina Milheiro
Catarina Milheiro
21 Out, 2019 - 10:42

Projeto Escolas de Empatia: contra o bullying e a violência

Catarina Milheiro

O projeto Escolas de Empatia tem como principal objetivo reduzir os elevados índices de violência no contexto escolar.

crianças de mãos dadas a entrar na escola

O projeto Escolas de Empatia é uma adaptação do Houses of Empathy, programa europeu promovido pela associação portuguesa Par – Respostas Sociais, em parceria com instituições de Espanha, Irlanda e Itália, que teve como objetivo principal a redução das elevadas taxas de violência nas casas de acolhimento e que foi agora também aplicado em Portugal.

Tendo em consideração que o bullying é uma realidade cada vez mais discutida pela sociedade em geral e que se trata, portanto, de uma temática atual e contínua, a associação Par – Respostas Sociais decidiu adaptar este projeto para as escolas (com crianças dos 6 aos 10 anos) de forma a que se conseguisse trabalhar na prevenção.

Parece-lhe interessante? Então, conheça este projeto de perto.

Projeto Escolas de Empatia: o que é e quais os objetivos

colegas de escola a almoçar na cantina

É importante referir que a Par – Respostas Sociais, promove vários projetos em diferentes áreas como a formação para a cidadania global, a intervenção comunitária e a promoção da saúde e, desta vez, decidiu criar uma iniciativa que visa combater o bullying e a violência entre pares no contexto escolar, em escolas do 1º ciclo através da empatia, recorrendo a técnicas de educação não formal.

Em sessões de uma hora, uma vez por semana, membros da associação e alguns voluntários dirigem-se à escola para desenvolver um programa de treino de competências sociais e pessoais, claro está, com foco na competência da empatia. Desta forma, conseguem consciencializar e sensibilizar o outro, através do recurso a jogos e dinâmicas em grupo devidamente adaptadas e com conceitos e objetivos diferentes para cada ano de escolaridade.

É importante referir que, este treino de empatia tem um papel fundamental na vida de todos aqueles que estão envolvidos no programa, pois é um treino que nos permite tomar consciência do outro. Ou seja, ao sensibilizar as crianças para aquilo que as outras pessoas sentem e claro, para as necessidades do outro, elas próprias começam a ganhar consciência das suas ações.

Tal como aconteceu no ano letivo anterior, o projeto Escolas de Empatia, enquanto projeto-piloto, vai continuar a ser aplicado nas turmas do 1º ciclo da Escola Básica Teixeira de Pascoais, em Alvalade, e em parceria com a Associação de Pais.

No entanto, o objetivo neste momento é alargar a intervenção para outras instituições de ensino, tendo em consideração que o programa pode também ser adaptado a crianças e jovens mais velhos. Para isso, basta que contacte a Par – Respostas Sociais através dos contactos que estão disponíveis no seu site.

Projeto Escolas de Empatia: quem pode participar e o que ambicionam alcançar

Atualmente, a intervenção do projeto Escolas de Empatia está a ser feita a turmas do 1º ao 4º ano, em regime de atividade de enriquecimento curricular e com sessões de apenas 1 hora.

Para além disto, a intervenção é apenas direcionada às crianças, mas também existem diversos workshops para os assistentes operacionais da escola e para os pais. Desta forma, todos irão saber como devem reagir em situações de violência entre pares e mais importante ainda, como podem prevenir.

São também realizadas com os alunos na escola, algumas pequenas tarefas as quais os alunos levam para finalizarem ou fazerem em casa. Provavelmente deve estar a questionar-se sobre a finalidade, não é assim? Pois então deve ficar a saber que as tarefas que os alunos levam para casa têm como principal objetivo o estreitamento da relação casa – escola, isto é, permitem que os pais e/ou a família também se envolva.

É interessante observar que na escola em Alvalade, onde o Projeto Escolas de Empatia está a ser implementado, as crianças já compreendem o objetivo das sessões de esclarecimento que se vão dando e vão utilizando estas sessões para tentarem expor as suas situações de violência e de bullying.

O Projeto Escolas de Empatia pretende implementar o programa em mais escolas e alargar a crianças e jovens de outras faixas etárias. Afinal, é extremamente importante que todas as pessoas, independentemente da idade, estejam devidamente informadas sobre esta temática que é tão atual e contínua.

Além disso, o projeto pretende ainda que mais escolas apostem mais neste tipo de intervenções para que a questão do bullying seja discutida e para que todos saibam como agir neste momentos, sem que apostem apenas em iniciativas pontuais.

Quer os encarregados de educação, a família, os alunos e os assistentes operacionais da próprias escolas devem estar informados sobre esta problemática que tem vindo a ser cada vez mais falada, principalmente entre os mais novos.

Como pode ver, o combate ao bullying através da empatia parece ser um verdadeiro desafio que tem todo o potencial para que seja um projeto de sucesso, uma vez que a empatia é uma das competências base para nos relacionarmos de forma saudável com os outros.

Desta forma e trabalhando esta competência junto de todas as outras que fazem parte do programa (desde emoções, comunicação, autoestima, entre outras) com as crianças, o projeto Escolas de Empatia é capaz de contribuir para a prevenção de comportamentos desajustados e prejudiciais para a vida em sociedade.

Para saber mais sobre este projeto e a associação Par – Respostas Sociais, consulte o seu website.

Veja também