Teresa Campos
Teresa Campos
22 Nov, 2021 - 23:44

Rede de apoio: defina quem não pode faltar na sua vida

Teresa Campos

Aprenda a construir uma rede de apoio sólida para si e para a sua família e verá que a sua vida se tornará mais calma e menos atribulada.

ajuda mãos

Nos dias de hoje, a generalidade das famílias acusa a falta de tempo para si, já que são muitas as tarefas e as solicitações, desde os compromissos profissionais aos afazeres pessoais. Quando essas famílias incluem crianças pequenas, então o desafio é ainda maior e é nesse sentido que a rede de apoio se pode revelar como algo de essencial.

O conceito de rede de apoio pode definir-se como um conjunto de pessoas que oferece suporte e auxílio e, assim, ajuda a tornar o dia a dia de determinada família mais fácil.

Esse apoio pode traduzir-se de várias formas, em função das necessidades de cada agregado. Fique, agora, a perceber como construir a sua rede de apoio.

Sabe quem são as suas pessoas da rede de apoio? Acredita ter uma rede sólida? Familiares e amigos, ao contrário do que muitos podem pensar, não são necessariamente parte da nossa rede de apoio.

Entenda como pode encontrar as suas pessoas de apoio.

Como construir a sua rede apoio: 9 dicas essenciais

rede-de-apoio

1. Construa uma rede de apoio heterogénea

Basear a sua rede de apoio apenas na família pode não ser a melhor opção. Os limites são mais difíceis de impôr e as “cobranças” podem ser maiores, além de que nem sempre há familiares por perto. Portanto, os amigos, os colegas e até os vizinhos podem ser bons “candidatos” a esta rede de apoio.

2. Peça ajuda para aquilo que realmente precisa

As necessidades de cada um variam. Portanto, é essencial explicar qual o tipo de ajuda de que precisa. Se há famílias que necessitam de um tempo em casal, sem os filhos, há famílias que tudo o que querem é uma ajuda para arrumar os brinquedos e preparar as sopas das crianças.

3. Divida tarefas

Cada indivíduo tem uma disponibilidade e competências únicas. Se alguns são péssimos a pôr um bebé a dormir, mas ótimos a cozinhar, então é a essa pessoa que deve recorrer quando precisar de encher o frigorífico de refeições saborosas.

4. Aprenda a lidar com as desilusões

Há pessoas que sempre imaginou que iam fazer parte da sua rede de apoio mas, quando foi preciso, afinal não estavam lá. Há imensos motivos que podem justificar isso.

Porém, o importante é que tal não seja motivo de tristeza, nem de deceção. O essencial é que se foque em quem está presente e pronto a ajudar em tudo o que for necessário.

5. Faça novas amizades

À medida que vamos conhecendo novas pessoas, vamos tendo a oportunidade de criar novas amizades. Essas novas amizades devem ser amadurecidas e, lentamente, essas pessoas podem ir sendo integradas na nossa rede de apoio.

Procure frequentar espaços mais familiares ou associados à maternidade, onde será mais fácil encontrar pessoas que se identifiquem com a sua realidade de vida e, também, com as suas necessidades.

Receitas especiais para jantar de amigos

6. Use as redes sociais de forma inteligente

As redes sociais, de um modo geral, permitem criar grupos e comunicar, não só com pessoas que conhecemos, como com pessoas que partilham connosco algumas caraterísticas. Portanto, as redes podem ser um auxiliar importante para criar e/ou manter-se em contacto com a sua rede de apoio.

7. Crie na escola um espaço de convívio

Os infantários e as escolas são locais onde a criança socializa, mas onde os pais também têm a oportunidade de conhecer os pais das outras crianças que têm em comum consigo possuírem filhos nas mesmas faixas etárias.

Assim, é salutar promover convívios, passeios e programas conjuntos, de modo a que todos se fiquem a conhecer melhor e possam construir uma rede de apoio e de entreajuda.

A importância das avós na educação e formação dos netos
Veja também A importância das avós na educação e formação dos netos

8. Peça ajuda, sempre que precisar

Pedir ajuda não é motivo de vergonha.

Querer acumular o maior número de tarefas possível até ficar assoberbado e não conseguir gerir a agenda, só vai contribuir para o desenvolvimento de problemas de saúde mental como o burnout e fazer com que não se consiga dedicar verdadeiramente a nada, nem ao trabalho, nem à família.

Assim, sempre que precisar de ajuda, deve pedi-la, nem que ouça uma resposta negativa do outro lado. Se formar uma rede de apoio ampla e sólida, certamente terá mais pessoas a quem recorrer e seguramente, pelo menos uma delas, será capaz de ajudar.

9. Invista na sua rede de apoio

Nunca se esqueça que, para ter uma rede de apoio forte e funcional, é fundamental que ela assente em princípios básicos como o respeito, o convívio salutar e próximo e o comprometimento.

Só assim vai conseguir construir uma rede de apoio sólida e que atue, de facto, como uma rede de suporte.

Veja também